Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

IMPULSO À CENA

Galpão Cine Horto lança hoje editais de programas para fomentar produções teatrais de palco e de rua e planeja incrementar ocupação de seu espaço com a inclusão de projetos musicaisO


postado em 25/03/2019 05:07

O Festival Cenas Curtas comemora seus 20 anos no próximo mês de setembro(foto: Mirela Persichini/Divulgação)
O Festival Cenas Curtas comemora seus 20 anos no próximo mês de setembro (foto: Mirela Persichini/Divulgação)

 

Próximo de seus 21 anos – a maioridade chegará em maio –, o Galpão Cine Horto lança nesta segunda-feira (25) dois editais voltados para as artes cênicas: o Rascunho de Cena/Cena Espetáculo e o Montagem de Rua. O primeiro, em sua oitava edição, retorna após cinco anos inativo. Já o segundo é inédito. As duas iniciativas vêm antecipar as comemorações das duas décadas do Festival Cenas Curtas, em setembro.

“(Ao longo dos anos) A gente vem mudando. Deu certo, não deu, seguimos reinventando sempre na perspectiva do encontro e da troca”, afirma Chico Pelúcio, diretor do Cine Horto. As inscrições para os dois editais vão até o fim de abril – os selecionados serão anunciados em 3 de maio. “O Rascunho de Cena é um projeto bacana, pois vai de uma cena embrionária, de oito minutos, que depois se torna uma de 15 minutos e, no fim, um espetáculo. Além de fomentar novos grupos e diretores, o projeto é também uma maneira de formar público, pois ele acompanha o processo de criação de um espetáculo”, diz Pelúcio.

Já o Montagem de Rua nasce, de acordo com ele, por uma carência de produções do gênero. “BH, junto com Porto Alegre, foi a cidade que mais teve teatro de rua legal no Brasil. Hoje é um fracasso, não tem ninguém produzindo. O FIT do ano passado fez uma edição quase se esquecendo do teatro de rua, o que é lamentável. A rua é uma maneira de democratizar o acesso ao teatro, um jeito eficiente da descentralização da cultura”, afirma.

Os dois editais são apenas uma parte do que a instituição cultural prepara para este ano. Mesmo que as artes cênicas sejam o foco do Cine Horto, “à medida que podemos, buscamos áreas que tangenciam o teatro”, diz Pelúcio. Desta maneira, em julho terá início um projeto inédito. Batizada de Cine Horto Som & Fúria, a iniciativa vai promover, mensalmente, shows e jam sessions no espaço.

SHOWS
Os selecionados também serão escolhidos via edital. “Os shows serão numa sexta e num sábado. Preferencialmente, queremos trabalhar com gente nova, seja para lançamento de CD, DVD, novas parcerias e shows. Nossa tentativa é a de fazer uma radiografia da música de Belo Horizonte”, diz ele.

Quando foi inaugurado, o Cine Horto era o único teatro multimeios bem- equipado de Belo Horizonte. “Todas as produções que não se enquadravam no palco italiano iam para lá”, lembra Pelúcio. A ocupação do espaço, em sua primeira década, foi grande. Segundo o diretor, à medida que outros espaços do gênero foram inaugurados – salas no CCBB, Funarte e Sesc Palladium – a procura diminuiu. “Tivemos que reinventar a ocupação, correr atrás de espetáculos de qualidade”, conta ele. Projetos como o Som & Fúria vêm, assim, cumprir essa função.

Como espaço de criação cultural, o Cine Horto não se limita ao espetáculo. Com uma série de atividades – cursos, núcleos de pesquisa etc. –, ele fez uma parceria com o Sesiminas. A partir de maio, vai ocupar todo o nono andar do Centro Cultural Sesiminas, em Santa Efigênia. Da união nasce o Pro:Cria – Centro de Criação e Formação Sesi-GCH, onde funcionarão os seis núcleos de pesquisa do Cine Horto (cenografia, figurino, teatro para educadores, dramaturgia, iluminação e sonorização).

“O espaço do Cine Horto é pequeno. Com duas salas de aula, às vezes não temos espaço para fazer tudo que queremos”, diz Pelúcio. Também no Pro:Cria vai funcionar uma incubadora de espetáculos – haverá espaço para ensaios de grupos teatrais que não tenham sede, por exemplo. “A (coreógrafa) Dudude Herrmann vai fazer uma residência lá. Queremos entrar com o máximo de programação.”

GALPÃO CINE HORTO
Rua Pitangui, 3.616, Horto, (31) 3481-5580 e www.galpaocinehorto.com.br. O regulamento e o formulário para os editais Rascunho de Cena e Montagem de Rua estão disponíveis via https://goo.gl/forms/zND7dglMdcJyvTEx2.


Publicidade