Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Além de Sandy & Junior: quem foram os precursores das duplas mistas no Brasil

Para ler ouvindo Leno & Lílian e Jane & Herondy


postado em 23/03/2019 07:00 / atualizado em 23/03/2019 08:55


Cheios de músicos na família, Sandy e Júnior se tornaram artistas por sugestão dos pais. A dupla iniciou a carreira quando ainda eram crianças – Sandy tinha 6 anos e Júnior, 5 –, com uma apresentação no programa Som Brasil, em 1989. Cantaram Maria Chiquinha. O começo da carreira foi dedicado ao sertanejo e ao country. A partir de Tô ligado em você, seu terceiro álbum, lançado em 1993, a dupla encarou vários estilos e se firmou mesmo no pop.



Sandy & Júnior não são o primeiro exemplo de uma dupla formada por uma voz feminina e outra masculina a fazer sucesso no Brasil. Leno & Lílian alcançaram a fama na década de 1960, cantando o hit Pobre menina, versão do clássico Hang on sloopy, gravado em 1965 pelo grupo norte-americano The McCoys. Gileno Osório Wanderley de Azevedo, hoje com 70 anos, é natural de Natal (RN) e Sílvia Lília Barrie Knapp, de 71, nasceu no Rio de Janeiro. A dupla começou cantando no programa Jovem Guarda, que era apresentado por Roberto Carlos. Eles fizeram sucesso também com outras versões, como Não acredito, do grupo pop norte-americano The Monkees, e com a canção Devolva-me, de Lílian e Renato Barros, cantor e guitarrista, líder da banda Renato e seus Blue Caps. Devolva-me voltou às paradas em 2000, na voz de Adriana Calcanhotto, e virou tema da novela global Laços de família.



Já na década de 1970, o casal Jane Moraes e Herondy Bueno emplacou o sucesso Não se vá, versão de Tu t’en vas, do cantor e compositor francês Alain Barrière. Lançada em 1977, a canção é lembrada até hoje, principalmente nas casas de karaoquê. Nessa época Jane & Herondy eram presença constante em programas de TV. Hoje, o casal continua fazendo shows pelo país, mas com uma agenda bem mais restrita. Jane, que antes era integrante de Os Três Moares, que interpretava sucessos da MPB e bossa nova, continua fazendo shows solo.



TRILHA Além de Sandy & Júnior, a década de 1990 viu também Luan & Vanessa caírem no gosto popular com Quatro semanas de amor, versão da música Sealed with a kiss (Peter Udell e Gary Geld), que entrou na trilha da novela Gente fina (TV Globo) e se tornou uma das 10 canções mais tocadas no país. Gravada originalmente pelo grupo norte-americano The Four Voices, em 1960, Quatro semanas de amor fez mais sucesso no Brasil. Vanessa de Carvalho começou sua carreira no grupo Trem da Alegria, ao lado de Patrícia Marx, Juninho Bill e Luciano Nassyn, que estavam no auge entre 1986 e 1988. Hoje, o casal Vanessa de Carvalho, de 40, e Luciano Chaves de Carvalho, de 42, mora nos Estados Unidos e mantém a produtora Gospa Music, no Texas.

Quando Frank e Nancy Sinatra gravaram juntos em 1967 Something stupid, canção composta no ano anterior por Carson Parks, transformaram-na num sucesso instantâneo. No Brasil, com o nome de Coisinha estúpida, uma versão da música foi gravada pela dupla Leno & Lílian, em 1968. Os irmãos norte-americanos Kare e Richard Carpenter, lançados na década de 1970, também emplacaram diversos sucessos, exportados para muitos países. Um dos maiores hits do The Carpenters, que chegou a vender mais de 90 milhões de discos, é Close to you, de Burt Bucharach.

Outra dupla que conquistou sucesso internacional foi a sueca Roxette, formada por Marie Fredriksson e Per Gessle. Famosos sobretudo entre o fim dos anos 1980 e meados da década de 1990, o duo se manteve ativo por 30 anos e vendeu mais de 75 milhões de álbuns no mundo todo. O nome foi escolhido por causa de uma música homônima de 1974, feita pela banda britânica Dr. Feelgood, que era um dos grupos favoritos de Per.


Publicidade