Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Série Crashing brinca com a vida do comediante Pete Holmes

Na terceira temporada da atração da HBO, o humorista finalmente consegue fazer sucesso, depois de penar horrores em Nova York


postado em 08/02/2019 05:06

Pete Holmes faz graça inspirado em sua própria trajetória (foto: HBO/DIVULGAÇÃO)
Pete Holmes faz graça inspirado em sua própria trajetória (foto: HBO/DIVULGAÇÃO)

 

Loser. Não há como melhor definir Pete Holmes. Trinta e muitos anos, casado, nem bonito nem feio, um cara comum, mas com muita fé cristã. Só que Pete tem um sonho: quer ser comediante de stand up. Enquanto não alcança seu objetivo, vive com a mulher nos subúrbios de Nova York – e é sustentado por ela, pois não consegue mais do que subempregos. Abruptamente, a vida resolve tirá-lo do marasmo. Certo dia, Pete volta para casa mais cedo e, clichê dos clichês, encontra a mulher na cama com outro.
Crashing, sitcom da HBO, apresentou dessa maneira Pete Holmes, personagem do comediante... Pete Holmes. O projeto foi criado pelo próprio em parceria com Judd Apatow (diretor de O virgem de 40 anos e Ligeiramente grávidos; produtor das séries Love e Girls).


Pois foi fazendo graça com seu alter ego e colocando a própria trajetória na televisão que Pete Holmes conseguiu emplacar sua história nos palcos de clubes nova-iorquinos de stand up. Na série semibiográfica, em que personagens reais aparecem como eles próprios, a vida dos comediantes é passada a limpo de maneira nada glamourosa, mas inteligente e, por vezes, deveras engraçada.


Já em sua terceira temporada – os oito episódios inéditos são exibidos aos domingos no canal pago –, Crashing deu uma guinada. No primeiro ano, acompanhamos Pete tentando se reinventar. Ao sair de casa após a traição, é jogado na noite nova-iorquina sem um tostão no bolso e tem que se virar. Isso inclui pôr a cara (um tanto inocente demais) para bater e tentar, madrugada após madrugada, alguns minutos no palco de um clube de comédia.

CRISTÃO A despeito dos percalços, Pete, cristão fidelíssimo, enxerga tudo com muita positividade – o que pode ser um tanto irritante para visões mais pragmáticas do mundo. A segunda temporada tem início com Pete vivendo na garagem do homem que se tornou o amante de sua mulher, trabalhando numa sorveteria em que é obrigado a cantar uma música ridícula e distribuindo folhetos de um clube de comédia de Manhattan para conseguir subir ao palco. E sem esmorecer, vale dizer. Sua visão deveras positiva do mundo é colocada à prova quando um cara que conhece coloca sua fé em xeque.


A felicidade que Pete tanto almeja só começa a dar as caras no terceiro ano de Crashing. Depois de uma turnê de dois meses, ele volta a Nova York. Estabelecido como comediante (são no palco os melhores momento da série), arruma uma namorada que o estimula a ser mais agressivo na carreira. O que virá a seguir?


Publicidade