Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Em dia com a psicanálise


postado em 20/01/2019 05:08


Se há uma coisa que devemos temer são os perversos. Muita gente acredita que não existe maldade. Talvez não exista maldade pura, mas um tipo de maldade e bondade amalgamada com peso para um dos lados, sim. Todos temos uma parcela de afetividade e isso inclui a agressividade. Somos mesclados em bondades e maldades. Altruísmo e egoísmo. Generosidade e crueldade. O medo nos protege de excessos de ousadia. Fé cega é faca amolada. A fé cega nos lanha. Só não podemos nos deixar paralisar por medo.

Quando a vontade de gozo perverso se desembaraça de outras pulsões, ganhando território e se expandindo, é de doer. E quando misturam tudo com a fé na religião, a receita é infalível. Pode aprisionar a alma na escravidão, mascarada na promessa de solução para todos os problemas. As pessoas buscam na religião um sentido para a existência. E encontram esse sentido nas religiões. Adotam a crença e a fé apoiadas na promessa de proteção de um pai poderoso. Um convite sedutor para os perdidos de si mesmos. Amparam-se de seu próprio desamparo ali, naquela sombra frondosa. Aquele descanso pode durar toda a vida ou 20 anos. Pode ser um organizador e orientador para muitos que ali escolhem permanecer, acreditando que podem encontrar a paz e permanecer felizes diante das fontes de sofrimento que nós, humanos, somos forçados a enfrentar.

As fontes de sofrimento são comuns a todos. Uma delas é a dissolução do corpo, que envelhece e morre. Ninguém fica para semente. Pode até durar muito mais do que precisava, mas não temos hora para partir. Só nos cabe esperar o dia em que seremos levados desta para melhor. Será?

A religião resolve a angústia diante da morte, que, então, deixa de ser o nosso fim. Para uns, é a espera até o Juízo Final. Para outros, a espera da reencarnação. Tamanha fé não é experimentada por todos. Há quem encare a finitude. Outra fonte de sofrimento são as ameaças vindas da natureza. Catástrofes, tempestades, furacões que abalam nossa “segurança”. Coisa ilusória, porque qualquer um desses acontecimentos nos arranca o teto – e foi-se a proteção. Sem esquecer guerras, violência urbana e outras deformidades da cultura.

Enfim, sofremos mais do que tudo na convivência. Ah! É o maior tormento, pois não tem solução. Quando pensamos ter alcançado a paz, o amor, vem o real irromper e abalar totalmente a frágil estabilidade. Pois o real nunca anda bem. Pior, nunca sai de cena. E não existe relação perfeita que possa ser inabalável ou sem rachaduras e conflitos. A agressividade humana vem de cedo, é a primeira manifestação de defesa do prematuro ser sobrevivente pelas mãos do outro. A melhor defesa é o ataque.

O estranho é ameaçador. O eu é o bom. O que desconheço é ruim. Assim, vamos nesse roça-roça difícil e atribulado, nos virando como podemos. A carência de cuidados e amor ecoa para sempre em nós, que nos tornamos presa fácil do perverso. Ele promete nos completar! E caímos como patinhos... Ninguém pode dar tudo o que desejamos, pois nem nós mesmos sabemos do nosso desejo. A credulidade deve ter limites.

Temos um inconsciente, um estranho em nós. Crer num desses João de Deus oferecendo-se é sinônimo do perigo de cair objeto-dejeto dos perversos, que têm apenas vontade de gozar do outro, aproveitar-se da fantasia do outro e de seu corpo sem limites. Ai de nós, os carentes de salvação!!!


Publicidade