Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Vozes do Brasil

Mulheres se destacaram no campeonato estadual de slam. Feminismo, preconceito racial e o dia a dia da periferia inspiram poemas de jovens poetas reunidos em coletivos artísticos


06/11/2018 05:08

"Minhas poesias tratam do que acontece na periferia. Falo da motivação da mulher negra de continuar na luta" (Gislaine Reis,Slammer e professora de teatro) (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

A palavra inglesa slam entrou para o vocabulário dos jovens das periferias brasileiras. O sentido original é bater, mas ela assumiu outros significados ao ser associada à poesia (poetry slam): espaço de protagonismo, competição entre poetas, lugar de apresentação de dilemas do cotidiano das metrópoles, onde ressoam versos de protesto. O Slam Minas foi realizado sábado (3), no Sesc Palladium, reunindo 16 competidores de todo o estado.

“Oxum, cante em mim/ Para que toda preta que ouvir saiba que estamos aqui/ Aqui/ Somos correnteza forte dessa mata”, entoou Gislaine Reis, de 25 anos. Os versos autorais garantiram à jovem vinda de Ibirité, na Grande Belo Horizonte, o segundo lugar na disputa estadual. Em dezembro, ela vai representar Minas na competição nacional que será realizada em São Paulo. Quem vencer concorrerá à Copa do Mundo do Slam, em Paris, na França.

O primeiro lugar ficou com Piêta Sousa, do Slam Clube da Luta. “Foi incrível, uma experiência transformadora. Foi a realização de um sonho, a reafirmação do meu potencial”, diz Piêta. Para a campeã, poesia significa “a força transformadora do pensamento, do comportamento e do futuro da juventude.”

Paralelamente à final do Slam Minas, foi realizada a final nacional do Slam Interescolar, com estudantes de Minas, São Paulo e Espírito Santo. As eliminatórias mineiras ocorreram em 40 escolas, em São Paulo foram 50, e no Espírito Santo, 30. O vencedor foi Ícaro Renault.

COLETIVO Gislaine Reis começou a escrever poesia este ano, incentivada por amigos do coletivo Terra Firme (Fark e K-dabra) e do Slam Trincheira (João Victor e Leandro Zere). Ela conquistou a vaga para a disputa como representante do Slam das Manas. Na final, recitou quatro poemas autorais que falam do cotidiano a partir da perspectiva de mulher negra. Foram três rodadas regulamentares e outra necessária para o desempate entre ela e Piêta.
“Minhas poesias tratam do que acontece na periferia. Falo da motivação da mulher negra de continuar na luta”, diz Gislaine. É uma forma de dizer coisas que não se permitem dizer no dia a dia, explica. “Às vezes, as pessoas não querem ouvir o que temos pra falar. A poesia marginal entra para cumprir esse papel: apresentar o grito que tentam silenciar.”

Os versos da mineira remetem ao feminismo negro, trazem elementos das religiões de matriz africana e denunciam a opressão sofrida por jovens nas periferias. Porém, Gislaine não se limita a temas. Escreve sobre tudo, inclusive amor. “Sou professora de teatro. Há 10 anos estou nessa área. Porém, a sensação de recitar é totalmente diferente. Na poesia, você tira todas as máscaras. É como se estivesse nua, mostrando o seu verdadeiro eu”, afirma.

Idealizador do Clube da Luta, Rogério Coelho destaca que slams são espaços da poesia marginal, por excelência. “É a fala de quem está à margem, nas periferias. Voz de denúncia social, contra a exclusão, contra o racismo, o fascismo, o machismo e a LGBTfobia. A voz da afirmação da identidade de gênero”, diz.

Na competição realizada em BH,  o julgamento coube a cinco jurados escolhidos entre o público. A plateia pode se manifestar quando não concorda com a nota do júri. “Quando o público discorda, ele fala credo. As pessoas se movimentam e protestam, mas é um clima bom”, explica Coelho.

O Slam Clube da Luta é pioneiro em Minas. Criado em 2014, é coordenado por Rogério Coelho, do Coletivoz – Sarau de Periferia. Em 2015, João Paiva, do Bairro Olaria, na região do Barreiro, representou o Clube da Luta na Cope du Monde de Poésié, em Paris.

Além do campo artístico, integrantes de slams assumem o papel de formadores de jovens, participando de congressos e palestras em faculdades e escolas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade