Publicidade

Estado de Minas NA INDONÉSIA

Mosquito modificado reduz em 77% os casos de dengue

Especialistas utilizaram a bactéria chamada Wolbachia e fizeram a modificação em 5 milhões de ovos de mosquitos


11/06/2021 11:22 - atualizado 11/06/2021 11:25

Projeto tem um braço no Brasil: testes para conter a chicungunha(foto: Apu Gomes/AFP)
Projeto tem um braço no Brasil: testes para conter a chicungunha (foto: Apu Gomes/AFP)
Pesquisadores da Austrália conseguiram reduzir em 77% a infecção por dengue na Indonésia ao utilizar uma “arma viva”. O grupo de cientistas inseriu em mosquitos Aedes aegypti, espécie responsável pela transmissão da doença, uma bactéria que ocupa, no inseto, o espaço preenchido pelo vírus. A ação impediu que os animais propagassem a doença na região em que foram soltos. Os dados foram apresentados na última edição da revista especializada New England Journal of Medicine.

Os especialistas utilizaram a bactéria chamada Wolbachia e fizeram a modificação em 5 milhões de ovos de mosquitos, que foram inseridos ao redor da cidade de Yogyakarta. “Os ovos foram postos dentro de baldes de água e posicionados nas regiões mapeadas pelo nosso grupo a cada duas semanas, em um período de nove meses”, detalham.

Ao fim do experimento, os casos graves de dengue haviam caído 77%, e o número de pessoas que necessitavam de atendimento hospitalar, 86%. “Esse resultado é inovador. É melhor do que poderíamos esperar”, declarou à rede de televisão britânica BBC Katie Anders, pesquisadora da Universidade Monash e autora do estudo.

No Brasil

Acredita-se que a bactéria altera a fertilidade dos mosquitos — como é transmitida às gerações futuras dos insetos, ela ajudará a substituir os animais que infectam os humanos por insetos sem essa capacidade. A aposta dos cientistas é de que a técnica também possa ser usada para combater outras enfermidades que são transmitidas por esses animais, como o zika vírus e a febre amarela.

A pesquisa australiana faz parte de um programa maior, chamado World Mosquito Program (WMP), que conta com a participação de cientistas da Universidade de Gadjah Mada, na Indonésia, e de pesquisadores brasileiros, da Instituição Oswaldo Cruz. Nos testes feitos no Brasil, foram inseridos mosquitos modificados em cidades do Rio de Janeiro. Os testes preliminares apontam redução de 75% dos casos de chicungunha nas áreas que receberam a intervenção, quando comparadas às sem o Aedes modificado.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade