Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Antônio Roberto

As emoções dolorosas, chamadas de negativas, nos convidam a uma mudança de rota. As positivas nos mostram o caminho certo


postado em 28/04/2019 05:06

O sentido da vida

 “Antônio Roberto, há algum tempo, estive em uma palestra sua sobre o sentido da vida. Você poderia me enviar um resumo dela? Obrigada!”
Marilene, de Betim

Inúmeras pessoas se queixam da falta de sentido na vida. E essa reclamação só ocorre em momentos de sofrimento, desilusão, depressão e estresse. Nunca nos perguntamos pelo sentido da vida quando estamos felizes, usufruindo algum prazer, em estado de graça. A vida, no entanto, não tem em si mesma nenhum sentido. É nascer, viver e morrer. Essa afirmação, no entanto, não guarda nenhum pessimismo ou frustração. Ao mesmo tempo, é justamente pelo fato de a vida não ter nenhum sentido, que podemos criar um sentido para a nossa vida: escrever os próprios sonhos, criar os nossos caminhos, construir uma existência própria.
Duas condições são base para um sentido à nossa vida. Primeiramente, não aceitar a pressão social para um sentido padronizado da vida. Cada um de nós é um indivíduo e, por isso, singular. Cada um tem sua particularidade, seus gostos, suas opções e a construção vital deve obedecer a essa singularidade. A sociedade tende à padronização e estabelece regras que nos farão felizes. A autonomia humana, ao contrário, estabelece que a felicidade é pessoal, intransferível e inalienável. A felicidade ou o sentido da vida é personalizada. Quando muito, posso apenas partilhar esse sentido com o sentido da vida de outras pessoas.
A segunda condição é saber que não adianta procurar fora de nós o rumo da existência. Não podemos pegar carona na vida de outras pessoas. Os pais, cujo sentido existencial está nos filhos, o marido ou a mulher, cuja graça de viver depende totalmente do outro, as pessoas que depositam todo o valor da vida no sucesso social, no dinheiro, no poder, no domínio e controle de outrem estão fadados, mais cedo ou mais tarde, a um vazio e à perda do sentido da vida.
O contrato consigo mesmo, o amar a si próprio e a aceitação de si mesmo nos fazem ter sintonia com nosso coração, intuição e desejos, que determinarão o nosso rumo na vida. Como a vida só existe no momento presente, o seu sentido é também sempre agora. O contrato presentificado com nossos sentimentos, com nosso corpo é o alicerce seguro para que nossa cabeça planeje a entrada. Na mesma proporção do autoamor, deve ser considerado o amor às outras pessoas. É impossível aprender, significativamente, o amor sem o partilhamento, sem soltar as amarras do coração e deixar que nossa luz envolva quem se aproximar.
A inteireza, a totalidade, o envolvimento com o outro são sinais de rumo, de significado. Dizia o Pequeno Príncipe: “Só se vê bem com o coração”. A lógica, a racionalidade, o pensar, desvinculados da emoção, nos conduzem a um sentido da vida superficializado, periférico, sem sustentação em longo prazo.
A vida é emocional. Somos aquilo que sentimos. As emoções, por outro lado, são uma bússola. Elas nos dizem se estamos no rumo errado. As emoções dolorosas, chamadas de negativas, nos convidam a uma mudança de rota. As positivas nos mostram o caminho certo. Um outro aspecto relevante do sentido da vida é sua relação com a aceitação ou não da realidade.
Certa vez, fui procurado por um jovem deprimido, de 24 anos, que apresentava a seguinte questão: “Que sentido tem a vida humana tão cheia de atribulações e sofrimentos? Para que estudar, se um dia vou morrer?”
Nós não escolhemos nascer, não escolhemos morrer. A única escolha que nos sobrou foi “como viver”. Se aceitarmos a realidade tal qual ela é, com seus altos e baixos, seus verões e seus invernos, nossa vida terá a totalidade dos opostos e sentiremos um imenso prazer no fato de estar vivos. Se, ao contrário, de maneira onipotente, queremos uma vida idealizada e perfeita, sem erros, sem perdas, sem dor, nossa existência se torna um recuo, uma fuga, um medo de viver.
O grande problema humano não é a perda, a doença e a morte, mas o medo dessas coisas. Aceitar a fragilidade humana, não resistir à realidade, nos faz participantes da melhoria do mundo e protagonistas ativos dessa brincadeira que é viver. Há coisas que estão sob nosso controle e outras que não estão.
A vida é mistério para ser vivido e não um enigma a ser decifrado. Enquanto nossa cabeça tenta explicar o mundo, de onde viemos e para onde vamos, perdemos o Sol, as cores, o afeto, o gosto, o tato, os sons oferecidos ao nosso corpo. A vida é apenas para ser saboreada.


Publicidade