Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

conta-gotas


postado em 17/02/2019 05:09

(foto: Arquivo pessoal )
(foto: Arquivo pessoal )

 

 





Varizes em homens tendem a ser
mais graves do que em mulheres

Engana-se quem acredita que as mulheres são as únicas que sofrem com as varizes, já que, apesar de serem menos frequentes no sexo masculino, atingindo um homem a cada três mulheres, são os homens que geralmente apresentam os casos mais avançados da doença, com varizes mais grossas. Segundo a angiologista Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, em homens, a principal causa das varizes está relacionada à hereditariedade, mas também podem ser causadas por fatores como sedentarismo, e obesidade. “Os homens que têm tendência à formação de varizes geralmente manifestam quadros cirúrgicos quando são jovens adultos. Porém, diferentemente das mulheres, que, em geral, percebem e cuidam do problema mais cedo, os homens, na maioria das vezes, demoram mais para buscar tratamento”, destaca. “O problema é que, quando procuram o médico, a condição geralmente já está em fase avançada, exigindo cirurgias maiores, com tratamento de veia safena para dar fim às varizes”, alerta a angiologista. A boa notícia, no entanto, é que os homens apresentam menos recidivas da doença em relação às mulheres, principalmente se forem tratadas cedo, por isso, a importância de se procurar um médico assim que perceber o surgimento de varizes. “Feito o diagnóstico da doença, os tratamentos e a cirurgia em si tem as mesmas indicações e técnicas tanto para as mulheres quanto para os homens”, afirma a médica.



COMBATE À DESIDRATAÇÃO DAS MÃOS

Além do rosto, uma área muito afetada por fatores climáticos é a mão. Isso porque essa área, que tem pouca produção de hidratação natural, fica geralmente exposta a todos os tipos de agressores, desde o sol e o vento até produtos de limpeza. “A baixa umidade, entre outros fatores, leva à diminuição da função barreira cutânea e ao aumento da susceptibilidade ao estresse mecânico. Além disso, o hábito de tomar banhos quentes e demorados diminui a proteção natural da pele, que fica mais seca e se torna mais reativa aos irritantes e alérgenos”, explica Lucas Portilho, consultor e pesquisador em cosmetologia, farmacêutico e diretor científico da Consulfarma. De acordo com o especialista, uma boa estratégia para combater o problema é abusar dos cremes com rica composição para alta hidratação da pele.


Intestino desequilibrado
gera mau humor

Conhecido como o segundo cérebro, o intestino tem neurônios e aloja trilhões de bactérias, boa parte delas envolvida em processos cruciais ao organismo. Em desequilíbrio, ele interfere na predisposição a várias doenças, além de ser capaz de influenciar o comportamento e as emoções das pessoas. De acordo com Sarina Occhipinti, especialista em clínica médica e em nutrição funcional, do Instituto Sari, em Nova Lima, na Região Metropolitana de BH, a flora intestinal pode ser entendida como um ecossistema, em que habitam milhares de seres vivos. Então, a primeira coisa a fazer para melhorar um ecossistema é tratar o ambiente em que esses seres vivos habitam. Entre as técnicas utilizadas com essa finalidade está a hidrocolonterapia, procedimento de limpeza do intestino grosso, no qual, com o uso de aparelho apropriado, se insere água morna filtrada, purificada e ozonizada por meio do ânus, permitindo a eliminação de fezes acumuladas, além de desinflamar a mucosa e estimular a peristalse, os movimentos fisiológicos do intestino. “O procedimento é indolor, totalmente livre de odores, pois é utilizado um sistema fechado, evitando, assim, qualquer tipo de constrangimento”, destaca Sarina. Ela aconselha que o processo seja realizado por um fisioterapeuta capacitado, que poderá associar os estímulos a exercícios fisioterápicos para otimizar e acelerar a reabilitação das funções intestinais e estabilidade pélvica.


DIA DO ESPORTISTA


Na terça-feira, comemora-se o Dia do Esportista no Brasil. Independentemente da modalidade praticada, exercícios físicos demandam muita disciplina e persistência, afinal, busca-se a superação dos limites do próprio corpo. No entanto, apesar do esforço, a prática esportiva também exige cautela a longo prazo. De acordo Pedro Baches Jorge, ortopedista e fundador da Sou, rede de clínicas médicas especializada em ortopedia, para obter bons resultados com as atividades físicas é necessário evitar o “overtraining”. Pensando nisso, o profissional dá dicas de como manter uma rotina saudável de atividades físicas:

3 Volume de treino adequado: estabelecer uma rotina de volume de exercícios não é uma tarefa simples. É necessário levar em consideração seus limites aos movimentos, repetições e tempo de prática.
3 Alimente-se corretamente: a dieta equilibrada regula os níveis hormonais e é fonte de energia para os exercícios. Portanto, é importante alimentar-se a cada duas ou três horas e antes dos treinos, não pulando nenhuma refeição
3 Repouso é a chave: é recomendado dormir em média sete horas por noite. Além disso, é bom que exista pelo menos um dia de folga entre os dias de atividades.



FEVEREIRO ROXO


As doenças reumáticas fibromialgia e lúpus são o foco de atenção durante o “Fevereiro Roxo”, para alertar a população sobre a importância do diagnóstico precoce para garantir maior qualidade de vida. O lúpus atinge mais de 75 mil brasileiros, conforme dados da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR). O lúpus é uma doença inflamatória crônica autoimune e acomete vários órgãos, como os rins, a pele, as articulações, os pulmões e o coração. A fibromialgia é comum entre os diagnósticos reumatológicos, mas se trata de uma doença silenciosa, não detectável em exames laboratoriais e, na maioria das vezes, não causa qualquer transformação externa. A presidente da Sociedade Mineira de Reumatologia, Viviane Souza, alerta para a importância da campanha, uma vez que, quanto mais precoce o diagnóstico, mais fácil será lidar com o problema e evitar sequelas. “É fundamental promover e ampliar ações de conscientização, pois contribui com um futuro melhor para quem sofre. Precisamos apoiar essa causa e unir forças contra as doenças sem cura e que comprometem a qualidade de vida de milhares de pessoas pelo mundo”, avalia. A campanha, criada em 2014, em Uberlândia (MG), tem como lema “Se não houver cura, que ao menos haja conforto”, aludindo à importância de proporcionar bem-estar aos portadores de doenças crônicas.


Publicidade