Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Conta-gotas


postado em 13/01/2019 05:06

(foto: Pixabay/Divulgação)
(foto: Pixabay/Divulgação)

Benefícios do
ÔMEGA 3 DHA PARA IDOSOS

Uma das estratégias adotadas pelos nutricionistas para ajudar a melhorar a saúde dos pacientes na terceira idade é a prescrição de suplementos nutricionais voltados às necessidades desse público – nutrientes que podem não constar da forma adequada na dieta. Entre os principais, para quem já passou dos 60 anos, está o ômega 3 DHA, ácido graxo de cadeia longa da classe dos ômegas 3, que atua de forma relevante na proteção do sistema nervoso central. Segundo atestam diversas pesquisas científicas, o consumo regular desse lipídio por idosos pode prevenir e controlar o avanço de diversas doenças, comuns nesse período da vida, e ainda afastar o risco de desenvolver certas morbidades. “O DHA atua no desenvolvimento da bainha de mielina, estrutura que envolve as células do cérebro, estimulando as sinapses (comunicações entre os neurônios.) Quanto mais protegido o cérebro está, mais sinapses ele faz e, assim, melhora o seu próprio desenvolvimento”, afirma Maria Inês Harris, consultora científica de OmegaPURE, da Biobalance. Além dessa participação na estrutura cerebral, o ômega 3 DHA também é capaz de prevenir o acúmulo de substâncias tóxicas no cérebro e os processos inflamatórios causados por elas, amenizando perdas celulares e, consequentemente, processos neurodegenerativos que levam a patologias senis, como Alzheimer, Parkinson e demência.

EMAGRECER COM SAÚDE
Pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada pelo Ministério da Saúde, constatou que a obesidade afeta 18,9% dos brasileiros, com mais da metade da população (54%) vivendo no sobrepeso. Entre os jovens, a incidência aumentou 110% entre 2007 e 2017. Esse índice foi quase o dobro da média nas demais faixas etárias (60%). O crescimento foi menor nas faixas de 45 a 54 anos (45%), 55 a 64 anos (26%) e acima de 65 anos (26%). A pesquisa foi feita com maiores de 18 anos em 26 capitais e no Distrito Federal. Diante de um cenário como esse, fica evidente, cada vez mais, a importância de se manter uma dieta balanceada como peça-chave na melhoria da qualidade de vida. Veja algumas dicas da especialista em clínica médica e nutrição funcional Sarina Occhipinti:


>> Emagrecer não é fácil, mas é possível: quem já foi obeso sabe como emagrecer é complicado! Você precisa abrir mão de comer muitas coisas de que gosta e optar por outros alimentos saudáveis. É preciso engatar em um projeto com dedicação, prática de atividades físicas e boca fechada. Assim, conseguirá rapidamente perder peso.
>> Procure acompanhamento profissional: usar dietas de amigos ou de celebridades não é uma boa opção. A genética, os hormônios, o metabolismo e até mesmo os aspectos psicológicos de cada um são fatores importantes e individuais. Ou seja, pessoas diferentes têm reações diferentes, por isso, é fundamental uma dieta personalizada.
>> Mantenha a mente sadia e equilibrada: utilize métodos de hábitos e recompensas com atitudes magras. Dessa forma, seu cérebro busca prazer e, ao ficar bem treinado, optará por alimentos saudáveis.
>> Treine progressivamente: para emagrecer, a prática de atividades físicas precisa ser sempre desafiadora. Se você parar de treinar, vai engordar. Se treinar sem progressão, vai engordar. Por isso, desafie seu corpo a se superar constantemente. Mais uma vez, tenha o acompanhamento para realizar atividades físicas, para evitar problemas de saúde.
>> Queira emagrecer de verdade: emagrecer depende de disciplina e, acima de tudo, de desejo interno. Lembre-se também de que todo excesso é ruim. É preciso manter o equilíbrio para garantir uma vida saudável e prazerosa. Isso significa até mesmo que você pode sair da dieta, às vezes, só não vale deixar de lado sua felicidade.

LIVRO MOSTRA OS DESAFIOS DO TDA


Nada dura para sempre, somente o amor de uma mãe. É com essa frase que a escritora Margarete A. Chinaglia resume o enredo do seu livro Transtorno do déficit de atenção – TDA: sob o ponto de vista de uma mãe. A autora diz que pretende ajudar outras famílias que passam pelo mesmo problema, revelando todos os desafios que enfrentou com a sua filha desde o diagnóstico na infância até a fase adulta. Margarete conta que descobriu que sua filha tinha TDA aos 9 anos. Ela diz que a luta foi grande. A família buscou apoio em médicos, psicólogos, psicopedagogos e parentes. Mas ninguém conseguiu diminuir as angústias e os medos que sentia. “Desde o diagnóstico, minha vida foi obter conhecimento, estudar e aprender a lidar com o diferente para ajudar minha filha com um único objetivo: que ela seja feliz.” A vivência a incentivou a escrever o livro com o propósito de ajudar outras pessoas que vivem o mesmo drama.

EXERCÍCIOS PARA FORTALECER A LOMBAR

Andar, correr, dirigir, descer e subir escadas, sentar, fazer faxina e carregar peso, entre outros movimentos cotidianos, são ações que acionam diretamente a lombar. Devido ao uso excessivo dessa região do corpo, localizada no fim da coluna vertebral, é fundamental pensar no seu fortalecimento. É comum as pessoas sentirem dores na lombar; por isso, o professor da Smart Fit Edelmans Gomes do Nascimento reforça a importância do alongamento e do aquecimento, além de exercícios específicos, que contribuem na prevenção de possíveis lesões. Ausência de aquecimento e alongamento antes da prática de atividade física, execução dos exercícios de forma inadequada, respiração incorreta, uso de cargas e pesos não prescritos pelo professor ou em excesso são alguns dos fatores que podem causar ou piorar dores e lesões na lombar”, explica Gomes.

CUIDADOS DURANTE O VERÃO

Os cuidados com a pele são importantes o ano todo, seja na praia, seja no escritório, mas neste período de sol intenso é preciso redobrar a atenção. “Todos sabem que devem usar protetor solar, por exemplo, mas muitos desconhecem a forma mais adequada de fazê-lo”, ressalta o dermatologista Bruno Vargas, da Clínica Bruno Vargas. Ele lembra que a falta de proteção, além de causar reações imediatas, como vermelhidão e ardor, também pode levar a consequências a longo prazo. O primeiro ponto que se deve observar é o tipo de protetor solar. “Independentemente do tom de pele, o fator de proteção solar (FPS) mínimo deve ser 15. A melanina produzida na pele é uma defesa natural do organismo à incidência de luz. Quanto maior a exposição, mais melanina e, consequentemente, maior o bronzeado. Por isso, quem tem a pele mais clara está mais exposto”, explica Vargas. Por isso, para cada cor e tipo de pele há o filtro mais indicado. O dermatologista recomenda que pessoas claras e com sardas usem FPS30 ou mais forte, já os homens e mulheres morenos conseguem proteção com FPS15. Indivíduos de qualquer tom de pele e idade, que tenham manchas causadas por motivos diversos, devem utilizar produtos com FPS50 ou 60. Crianças abaixo de 12 anos também precisam de mais cuidado, com FPS no mínimo 40, mas bebês de até seis meses não podem usar protetor solar e, por isso, recomenda-se que tomem apenas 10 minutos de sol por dia, antes das 9h da manhã. Para quem utiliza regularmente hidratantes, bases e cremes anti-idade, o mais recomendado é optar pelos que contêm filtro. Na praia, areia e sal potencializam o efeito dos raios ultravioleta (UV), o que exige ainda mais cuidado.

DIFICULDADE PARA ENGRAVIDAR


Dores intensas e dificuldades para engravidar. Essas são as principais consequências de quem sofre com a endometriose, uma das principais causas de infertilidade no sexo feminino. Cerca de 7 milhões a 10 milhões de mulheres sofrem com o problema no Brasil, segundo especialistas. Apesar de a infertilidade ser uma das principais consequências da doença, nem toda mulher com endometriose será infértil. “Algumas mulheres têm o problema e não apresentam dificuldade para engravidar. Porém, de 50% a 60% das pacientes com endometriose podem desenvolver a infertilidade”, alerta a ginecologista Cláudia Navarro, diretora clínica da Life Search. Comum em mulheres em idade fértil, principalmente entre 20 e 30 anos, a endometriose é uma doença que se caracteriza pela presença do endométrio – camada que reveste o interior do útero – fora do órgão, podendo acometer vários órgãos, entre eles a bexiga, os ovários e o intestino. O sintoma mais comum é a cólica forte e prolongada, muitas vezes interpretada como um sinal comum da menstruação. “Por isso, pouca gente decide investigá-la. Em alguns casos, a doença também pode vir acompanhada de dor durante a relação sexual ou na hora de evacuar. Porém, nem sempre há sintomas e muitas mulheres só descobrem a endometriose quando começam a investigar a infertilidade”, lembra.

CURSO DE IOGA

A professora e mestra Maria José Marinho abriu inscrições para o cursos de formação de professores de ioga e  mestrado. Durante as aulas, serão ensinados a pedagogia do ioga, a história, os grandes mestres do ioga, os ramos, as diferentes escolas, as disciplinas verdadeiras e profundas, o desenvolvimento individual e transmitido, além de matérias práticas como anatomia e fisiologia aplicadas ao ioga, respirações e posturas, relaxamento e meditação. O objetivo da professora é aplicar os seus conhecimentos adquiridos em 55 anos de vivência no ioga, os verdadeiros ensinamentos que recebeu dos mestres na Índia, do Tibete e do Nepal, ensinando como viver com mais qualidade de vida em todos os sentidos: emocional, mental e físico. Mais informações: (31) 99145-7178 e (31) 3225-4222


Publicidade