Publicidade

Estado de Minas

Pequi sem espinho é replicado em universidade mineira

Versão da fruta plantada na Universidade Federal de Uberlândia possui muito mais polpa


postado em 12/12/2015 07:00 / atualizado em 12/12/2015 09:04

(foto: Universidade Federal de Uberlandia/divulgacao )
(foto: Universidade Federal de Uberlandia/divulgacao )

Os goianos que nos perdoem, mas o pequi da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) é especial: sem espinho e com muito mais polpa. As mudas plantadas pelo professor Warwick Estevam Kerr na estação experimental da fazenda Água Limpa em 2005 cresceram e, das 10 árvores, quatro começaram a dar frutos. A espécie foi descoberta no Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso. Em 2004, o então prefeito de São José do Xingu, Helio do Carmo da Conceição, contou ao professor Kerr e ao técnico de laboratório Francisco Raimundo da Silva, do Instituto de Genética e Bioquímica (Igeb/UFU), sobre a iguaria de lá.

Kerr e Francisco visitaram o Xingu, com auxílio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e conheceram o pequi sem espinho por intermédio do fruticultor Bdijai Tchucarramae, da aldeia indígena Tchucarramae. Dos 300 pequizeiros (Caryocaraceae) que havia na localidade, um produzia os frutos diferentes.

“Na primeira vez que fomos lá, trouxemos sementes, galhos e começamos a fazer a propagação aqui. Plantamos sementes e também descobrimos uma forma de fazer enxertia”, relembra Francisco, saudoso da convivência com o professor Kerr, que hoje está com 93 anos e aposentado. A enxertia é feita na muda de um pequizeiro convencional, chamado de cavalo, quando o seu caule atinge o diâmetro de um lápis, aproximadamente.

“O pequi sem espinho produz em menos tempo e tem uma quantidade enorme de polpa: 35 vezes mais que o pequi convencional. É mais macia, mais adocicada e dá para comer crua”, explica o técnico. A expectativa é de que os estudos iniciados pelo professor Kerr, que já foram tema de tese de doutorado na UFU e publicados na Revista Brasileira de Fruticultura, sejam continuados por outros pesquisadores. Com o desenvolvimento dos experimentos e a produção de mais mudas, a espécie chegará à comunidade e o pequi sem espinho estará nos pratos da culinária do cerrado. Para alegria dos goianos e dos mineiros.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade