Publicidade

Estado de Minas

Ovos de codorna ganham mercado cada vez maior

Crescimento do número de aves chega a 745,83% em 20 anos. Diferença frente ao plantel de galinhas fica menor


postado em 09/11/2015 06:00 / atualizado em 09/11/2015 07:58

Clientela da Granja Loureiro aprovou o prazo maior de conservação do produto(foto: Granja Loureiro/Divulgação)
Clientela da Granja Loureiro aprovou o prazo maior de conservação do produto (foto: Granja Loureiro/Divulgação)
De produto exótico a ingrediente popular no prato dos brasileiros, a trajetória do ovo de codorna na culinária nacional é exemplo da quebra de barreiras de um item que antes sofria resistência. Nas últimas décadas, o ovinho conquistou de vez a cozinha dos quatro cantos do país. Prova disso é a multiplicação do volume produzido. O aumento está diretamente associado ao empreendedorismo da indústria, que, ao contrário de entregar dúzias e dúzias de ovos in natura, forçando a contratação de pessoal para descascar cada unidade, passou a processá-los e distribuí-los para restaurantes e supermercados também em conserva.

Atualmente, o produto processado já corresponde a mais da metade do total vendido no país, dizem os empresários. Granjas antes focadas na produção de ovos passaram por adaptações para também processá-los. “É uma tendência de consumo. O mercado se inverteu, o de processados é muito melhor. Nenhum restaurante vai comprar para descascar. Só coloca na ilha de alimentação e pronto”, afirma o proprietário da Granja Naju, em Itanhandu, no Sul de Minas, Evandro Carvalho.

Apesar do aumento da demanda, o empresário reclama do baixo retorno do produto. Com a queda nas vendas por causa da crise econômica, o item acaba sendo vendido pelo preço aproximado do ovinho in natura.

Na maior unidade de processamento do país, Granja Loureiro, em Perdões, no Centro-Oeste do estado, com 160 toneladas ao ano, 90% dos ovos em conserva são refrigerados. Trata-se de um produto com sabor mais parecido ao do natural, com validade curta. O outro produto, refrigerado, é um tipo de picles, com oito meses de duração. O primeiro é distribuído principalmente no Sudeste, enquanto a conserva segue para a Região Sul do país. “O ovo de codorna deixou de ser um alimento de fundo. As pessoas foram criando hábito de consumo”, afirma o veterinário da empresa, Paulo Renê.

Ao observar a série histórica do rebanho de codornas no país percebe-se incremento significativo nas duas últimas décadas. Em 1995, eram 2,4 milhões de animais. No ano passado, o total subiu para 20,3 milhões, crescimento de 745,83%. Enquanto isso, o plantel de galinhas cresceu 20,33%. Com isso, a proporção de codornas para galinhas, que, antes era de uma para 64,9, passou para uma codorna frente a 11,1 galinhas.

Os ovinhos da Granja Naju são selecionados e vendidos para restaurantes do estado(foto: Granja Naju/Divulgação)
Os ovinhos da Granja Naju são selecionados e vendidos para restaurantes do estado (foto: Granja Naju/Divulgação)
A maior parte do efetivo concentra-se na Região Sudeste (78,2%). São Paulo representa mais da metade do total produzido no país. Juntos, três municípios respondem por quase metade do rebanho nacional – Bastos e Lacri, em São Paulo, e Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo. Além de ter o maior rebanho, os produtores paulistas também respondem pela maior produção de ovos de codorna do país (59,3% do total). Espírito Santo (11,5%) e Minas Gerais (9,6%) vêm logo em seguida.

Em meio à crise econômica, o preço médio da dúzia do produto ficou em R$ 0,80, igual ao registrado há um ano. O problema, segundo os produtores, é que em igual período o custo de produção sofreu forte aumento, com reajustes de energia e de outros insumos. Neste ano, a variação cambial é um complicador. O dólar mais caro, segundo Renê, impacta no valor da soja e do milho. “A ração corresponde a 70% do custo da produção”, afirma.

DESPERDÍCIO Sem abatedouros especializados em codornas, as aves criadas em granjas da Região Sudeste são descartadas depois de aproximadamente um ano de produção. A situação releva o descaso com a carne exótica e valorizada, que acaba desperdiçada.

O proprietário da Granja Naju, Evando Carvalho, afirma que a fiscalização dos órgãos sanitários impede a venda dos animais para abatedouros sem o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF). Hoje, não há unidade de abate certificada na região. O uso de um local para frangos, compartilhado com codornas, exigiria a aquisição de equipamentos específicos. No mais, segundo Carvalho, as aves produzidas em Minas Gerais deveriam ser abatidas no estado, segundo normas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Apesar de toda a dificuldade, ele diz ter conversas em andamento para a construção de uma unidade em Minas. Inicialmente, as aves seriam repassadas por um ano para o abatedouro sem custo para o empresário. Mas a crise na economia dificulta este e outros projetos para ampliar a capacidade de produção das granjas.

Segundo o veterinário da Granja Loureiro, Paulo Renê, no caso da carne, o desafio, além da questão do abate, é criar o mesmo hábito de consumo que se deu com os ovos, o que contribuiria para “dar um destino mais nobre [às aves], evitando o desperdício”. Uma ressalva importante é que, apesar de a codorna de postura poder ser aproveitada como proteína, o animal próprio para corte tem outras características, sendo maior e mais rico em carne.

Outra dificuldade para o setor é a exportação de ovos. Nesse caso, segundo Carvalho, os empresários esbarram em burocracias e na liberação de conservantes e rotulação no Mapa. A empresa chegou a ter proposta para vender para a Itália, enviou exemplares para degustação, mas não conseguiu dar fôlego ao fluxo. Renê destaca que o consumo da carne de codorna é mais comum na Europa, enquanto Japão e China são grandes consumidores dos ovos. “No Japão, o ovo é servido até mesmo na merenda escolar”, afirma.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade