Publicidade

Estado de Minas BOLADAS E BOTINADAS

Passou do ponto


postado em 06/08/2019 04:00



Depois de perder o clássico, o Cruzeiro terá que juntar os cacos e buscar a montagem de um time para encarar o Internacional de Porto Alegre. O jogo será tão complicado quanto o de domingo, porque exigirá concentração e competitividade. Será jogo para atleta em perfeita forma. Um dos problemas do time do Mano tem sido a utilização de jogadores contundidos. Está na cara que Thiago Neves e Robinho estão jogando no sacrifício. Não adianta tentar jogar com o nome, não adianta tentar ganhar jogo em rede social. Tem que lutar pelo resultado dentro de campo. Então, que a comissão técnica faça um balanço, converse com cada jogador. Quem não estiver bem, que fique de fora.

E AGORA FRED?
Mano Menezes fez o mais correto. Depois das reclamações do camisa 9, o escalou para o clássico. Mas ficou bem evidente que se de um lado a bola não chega, por outro o jogador não vive um bom momento técnico. O diálogo com a bola não rola. A canela tem jogado mais que o pé. Então, não há como definir de quem é a culpa. Os atacantes que chegaram não formam um conjunto, atuam de forma individual. O perfil de cada um não completa o do outro. 

SISTEMA
Todo treinador corre um certo risco. Até quando se rende aos palpiteiros, ele sabe que, em caso de derrota, ficará sozinho. Mano vai por outro caminho, investe no que pensa, no que acha correto. Tem personalidade. Mas acaba tendo que carregar o peso pela fase ruim. E convenhamos, é muito tempo sem vencer no Brasileirão.

DÚVIDA
Mano Menezes disse que colocou a diretoria à vontade para liberá-lo. Só não disse sob quais condições, só não disse com que diretor conversou. Afinal, o diretor que manda está suspenso. E, cá pra nós, pedir o boné às vésperas de uma decisão contra o Internacional me parece aquele tipo de pegadinha. Se o clube embarca nessa, assume a responsabilidade em caso de tropeço. Já vi esse filme...

O MELHOR
Mas, se de um lado o Cruzeiro teve seus problemas, por outro o seu adversário do último domingo contribuiu em muito para que o time da Toca se complicasse. Com uma zaga eficiente e um time com o espírito que o torcedor esperava. Jair deu personalidade ao meio-campo. Combate, toma a bola e completa o serviço com passes perfeitos. O treinador Rodrigo Santana foi muito bem quando manteve o Vinicius na equipe, mesmo com a volta do Cazares. Outro que foi muito bem foi o Ricardo Oliveira. Vivendo um momento de seca no que diz respeito aos gols, ele mostra serviço ajudando na marcação e fazendo assistências. Sabe da sua importância.

VAR COM V DE VUADEN...
Certa ou errada, a decisão precisa ser mais ágil. E agora o árbitro está com mania de dizer que o aparelho não está funcionando. Um vexame. No lance em que o Atlético pediu pênalti no Chará, realmente o Réver fez carga sobre o Henrique. Mas ficaram um tempão tentando uma solução para o caso. Desse jeito, a coisa se complica. Pelo menos coloquem um show durante o pedido de VAR. Porque não chamam logo o juiz da partida para rever o lance. Mas a polêmica do Vuaden com a telinha não é de hoje. Ele se complica em campo e na cabine. Parece ter um jeito estranho de ver o jogo.

NOVIDADE
Agora comentaristas de arbitragem descobriram uma maneira de deixar sua decisão no ar. Em vez de dizer se foi ou não pênalti, o cidadão diz: “Eu não daria”. Ou “Eu daria...”. Mas, foi ou não foi?

QUE COISA
Aí alguém vai à coletiva e pergunta ao Scolari se é verdade o boato sobre a sua possível saída do Palmeiras. Caramba! Se é boato, é boato!

SUPERMERCADO DA BOLA
O futebol vai se transformando num mundo distante da nossa realidade. Palmeiras e Flamengo iniciaram a corrida do ouro. Gastaram os tubos com equipes que pareciam bem acima da maioria das que disputam o Brasileirão. Agora, o São Paulo investe em Daniel Alves, que custará um dinheirão. O problema é que tais investimentos só se justificarão diante das conquistas. Por mim, acho que temos poucos títulos para muitos caixas eletrônicos. E, para falar a verdade, acho que, mesmo com suas falhas, o VAR é um obstáculo para quem pretende se impor através de figurinhas caras e carimbadas.

GARFARAM O COELHO
E por falar em arbitragem, o que fizeram com o América no Paraná foi covardia. Pênalti claro no final do jogo, mas o apitador tremeu. Um absurdo.


Publicidade