Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A PSICANÁLISE

O risco de ter um mais doido que aperta o botão e manda tudo pelos ares

Histórias de guerras causam repúdio, mas, ainda assim, há os que desejam voltar a usar métodos cruéis envolvendo civis que jamais escolheriam tal caminho


13/03/2022 04:00 - atualizado 12/03/2022 04:52

Ilustração mostra pomba da paz vitima de tiro, com sangue escorrendo

Era para ter sido melhor que os outros o nosso século 20. / Agora já não tem mais jeito, /os anos estão contados, /os passos vacilantes, /a respiração curta. 


Era para se chegar à primavera/ e à felicidade, entre outras coisas.

Era para o medo deixar os vales e as montanhas. /Era para a verdade atingir o objetivo/mais depressa que a mentira.

Era para já não mais ocorrerem/algumas desgraças:/a guerra por exemplo, /e a fome e assim por diante.

Este trecho maravilhoso do poema da polonesa Wislawa Szymborska (1923-2021), intitulado “Ocaso do século” (“in Poemas”, Companhia das Letras, 2014), embora tenha sido escrito anos atrás, é muito significativo neste momento.

Desde 1945, o mundo não assistia uma guerra de território como esta, quando a Rússia, no entendimento de seu presidente, considerava a Ucrânia parte histórica de seu país. E não aceitou a liberdade pretendida de se aliar ao bloco continental da Otan.

Invasão perigosa, pois se os EUA compram a pilha e entram na guerra, certamente chegamos mais perto do fim do mundo, pois dois arsenais atômicos podem ser acionados. Sempre correremos o risco, depois das armas poderosas e hiperdestrutivas que foram criadas no mundo, de ter um mais doido que aperta o botão e manda tudo pelos ares.

O próprio criador da bomba atômica de Hiroshima e Nagasaki se matou quando se deu conta do que fez. Mas aí estava feito e não havia como voltar no tempo para anular acontecimento tão extremo que destruiu totalmente duas cidades. Os pouquíssimos sobreviventes narram a experiência de horror.

Nossa civilização já passou por tantos momentos extremos. Histórias contadas e lidas minam em nós absoluto repúdio e, ainda assim, há os que desejam voltar a usar métodos tão cruéis envolvendo civis que, caso consultados, jamais escolheriam tal caminho.

A resolução de invasão foi absolutamente autoritária. E não expressa o desejo da população russa nem sequer ucraniana. Pensem na história da humanidade e em quantas barbaridades fizeram os homens por poder, por narcisismo, por ódio de seu próximo.

A força da violência faz parte de nós, que nascemos com potencial pulsional para a agressividade. As pulsões de vida e morte amalgamadas em nós podem ser polarizadas gerando extremismos perigosos.

Porém, a civilização nos educa e ensina a tolerância, e desde cedo, quando no jardim de infância iniciamos o dia a cantar: 'Olá bom dia! Oh como vai você? Um olhar bem amigo, um doce sorriso, um aperto de mão! E a gente sem saber como e por que se sente feliz se põe a cantar esta alegre canção!!!', há o desejo de uma vida solidária e pacífica em nós.

Também muitos poetas escreveram sobre como desejariam um mundo melhor. O poeta escreve porque sofre as dores de todos os homens. E sabe se expressar com beleza nas palavras e nos tocam. E não apenas nos tocam, são responsáveis pelo que vivemos.

Disse o psicanalista Antonio Quinet: “Lá onde faltou a palavra explodiu a guerra, como um destino da pulsão de morte. O palco da guerra é um sintoma que eclode quando não foi possível ser resolvido o conflito que o determina. Como pacifistas, apostamos na palavra para restaurar uma civilização em que a paz não precise encobrir mais nenhuma guerra com seu manto de hipocrisia.” Disse bem, não?

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade