Publicidade

Estado de Minas O FATO EM FOCO

Tragédia de Brumadinho: 'A morte deles não pode ter sido em vão'

Helena Taliberti perdeu filhos, nora e neto no rompimento da barragem em Brumadinho e busca superar a dor no trabalho social ao lado do marido


28/01/2022 09:23 - atualizado 28/01/2022 11:20

Família Taliberti
(foto: Arquivo pessoal )
Três anos após o rompimento da barragem de Córrego Feijão, em Brumadinho, casal que perdeu filhos, nora e o neto que ainda estava na barriga da mãe relembra o drama daquele dia 25 de janeiro de 2019,  fala sobre o legado dos filhos, e sobre o instituto que leva o nome deles.

Camila era filósofa e advogada,  e Luiz Taliberti arquiteto. Eles e a esposa de Luiz, grávida de Lorenzo, estavam hospedados em uma pousada na região, quando a barragem B1 se rompeu.  A lama de rejeitos de minério interrompeu a vida deles e a viagem para conhecer o Museu de Inhotim se transformou em pesadelo para a família.

Após a morte dos irmãos , amigos das vítimas criaram o Instituto Camila e Luiz Taliberti . A presidente é Helena Taliberti, mãe de Camila e de Luiz.  Vagner Diniz é diretor da instituição e padrasto dos dois.

Oficialmente 272 pessoas morreram em consequência do rompimento da barragem da mineradora Vale. Seis corpos ainda não foram encontrados, apesar dos esforços dos bombeiros, que continuaram a longa procura. Além dos mortos, a  tragédia também resultou em danos ambientais gigantescos e deixou parentes em situação de choque e luto que ainda persistem para muitos.

Em entrevista a O Fato em Foco, o casal  Vagner e Helena revela como supera a saudade a cada dia, e o que o Instituto Camila e Luiz Taliberti tem feito para mudar vidas e homenagear as vítimas da tragédia.  Confira:







*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade