Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Teoria da Relatividade, elaborada por Einstein, completa 105 anos

A revolucionárias descoberta da física moderna modificou os conceitos da Teoria de Newton, com a ideia de espaço-tempo unificada


postado em 20/03/2020 04:00

Albert Einstein em sua visita ao Brasil, em 1925, com o cientista mineiro Carlos Chagas (C, de terno escuro). Disse que o mineiro merecia o Prêmio Nobel de Medicina(foto: Fiocruz/Divulgação)
Albert Einstein em sua visita ao Brasil, em 1925, com o cientista mineiro Carlos Chagas (C, de terno escuro). Disse que o mineiro merecia o Prêmio Nobel de Medicina (foto: Fiocruz/Divulgação)

EINSTEIN
TEORIA DA RELATIVIDADE

Completam-se hoje 105 anos da publicação oficial da teoria da relatividade pelo físico Albert Einstein. Realizada em 20 de março de 1915, complementou a teoria da relatividade especial, que o cientista alemão havia divulgado em 1905. A teoria da relatividade, que foge à compreensão clara dos leigos, tornou-se uma das mais revolucionárias descobertas da física moderna, modificando os conceitos da teoria de Newton com a ideia de espaço-tempo unificada.

• • •

O espaço-tempo, na relatividade, consiste de uma variante diferenciável de quatro dimensões, três especiais e uma temporal – a quarta, dotada de uma métrica ligada à definição da Integral do cientista Bernhard Riemann, quando surge a noção da velocidade da luz sem variações. No princípio da relatividade, os efeitos da gravidade são ignorados. Na teoria geral da relatividade, os efeitos da gravitação são integrados quando surge a incrível noção do espaço-tempo curvo. Enfim, só mesmo os craques no assunto percebem o significado e a importância da descoberta de Einstein.

ANONIMATO
VÍTIMAS INCÓGNITAS

As mortes provocadas pelo coronavírus não param de aumentar. O mais doloroso é que devido à quantidade de óbitos, os nomes dos mortos não são divulgados, como é de praxe nos obituários. As vítimas passam a ser meros números. O cidadão vira estatística, perde a individualidade. E os obituários ficam restritos a dados matemáticos.

FIEMG
PRESIDENTE DE QUARENTENA

O presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, que participou da comitiva do presidente Bolsonaro na viagem aos Estados Unidos, um dos dois mineiros do grupo contaminados pelo coronavírus, ontem estava à espera do resultado do segundo exame, que espera ser melhor do que o primeiro, que deu positivo. Flávio está de quarentena em sua residência. Telefonemas indagando sobre sua saúde não param, tanto na sede da Fiemg quanto em sua casa. Ele está enfrentando o processo com destemor e bom humor (de leve). O outro mineiro da comitiva contaminado é Robson Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria.

10 TENORES
EM NOVEMBRO

Estava programado para hoje, no Palácio das Artes, o show do Ten Tenors, grupo vocal norte-americano com portfólio de mais de 2,5 mil apresentações em todo o mundo. Com preços variando de R$ 200 a R$ 480, o espetáculo, obviamente, acabou cancelado devido à pandemia. A nova data é 8 de novembro.

ARAXÁ
GRANDE HOTEL

A direção da Rede Tauá de Hotéis começou ontem a divulgar junto a agências de viagens, fornecedores e à clientela que todas as suas unidades estarão fechadas temporariamente a partir de hoje. O famoso Grande Hotel de Araxá também. Inaugurado em 1944 pelo então presidente Getúlio Vargas, é a primeira vez que o hotel encerra suas atividades temporariamente. Os outros resorts da rede são o de Atibaia, o Hotel Alegro e o de Caeté.

CONFLITO
QUEM SERIA O CULPADO?

O presidente Trump só chama a peste do coronavírus de “o vírus da China”. Com isso, o governo de Pequim queimou no golpe. No contravapor, diz que ele foi levado para a China por tropas norte-americanas. A briga esquentou. E piorou mais ainda (de leve) com as declarações do deputado Eduardo Bolsonaro de que a China é culpada pela irrupção da pandemia no mundo. O embaixador chinês no Brasil queimou no golpe. Cá entre nós, Trump e Bolsonaro não deixam de ter razão. Afinal de contas, onde é que o coronavírus nasceu? Pelo que se sabe, foi na China.

IMPOSTO DE RENDA
PRORROGAÇÃO DO PRAZO

O senador Antonio Anastasia, agora exercendo a presidência do Senado, pois o presidente David Alcolumbre está internado devido ao coronavírus, enviou na quarta-feira ao ministro da Economia, Paulo Guedes, ofício no qual solicita a prorrogação do prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda por parte da pessoa física. Ontem, a coluna fez indagação a respeito, pois, devido à confusão geral provocada pela pandemia, eventos de todos os tipos estão sendo adiados ou cancelados. A restrição de movimentos imposta à população impede que os contribuintes se desloquem para a obtenção de documentos e tomem as providências necessárias para apresentar a declaração em tempo hábil.

ABRASEL
EXAGERO?

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o mineiro Paulo Solmucci, face à crise da COVID-19, anunciou que se houver aumento da disseminação da doença, seguida de medidas duras das autoridades, o fato pode provocar a demissão de 3 milhões de trabalhadores nos próximos dois meses. No momento, essa declaração pode ser considerada meio exagerada. Solmucci solicitou ajuda do governo para solucionar o grave problema. Chegou até a pedir pagamento dos salários, outro exagero. O segmento de bares e restaurantes emprega cerca de 6 milhões de pessoas.

CRUZEIROS
NAVIOS-HOSPITAIS

Boa ideia vem de um leitor carioca. Como a rede de hospitais brasileira não vai dar conta do recado caso o número de infectados pelo coronavírus cresça de maneira desmesurada, uma solução seria o governo alugar o maior número possível de navios de cruzeiro para serem transformados em navios-hospitais. A maioria dessas embarcações pode abrigar de 2 mil a 3 mil pessoas por vez, com grande conforto. Basta levar equipamentos médicos a bordo e adaptá-los. Evidentemente, a alternativa não serve para Minas Gerais, que não tem porto de mar. E também não serviu para a província de Huwan, onde surgiu o vírus, que fica no interior da China. Aqui em BH, só se ancorar um navio no Arrudas.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade