Publicidade

Estado de Minas

Amcham/BH reúne lideranças para discutir a retomada da economia

Evento contou com palestras de Rubens Menin, da MRV Engenharia, de Hélio Magalhães, presidente do Conselho do Banco do Brasil, e de Leandro Caldeira, presidente da rede Gympass


postado em 22/08/2019 04:00

O presidente do Conselho do Banco do Brasil, Hélio Magalhães, entre o coordenador da Amcham/BH, Matheus Vieira Campos, e Alexandre Demasi, da Amcham/Brasil, no Buffet Catharina (foto: Marlon Rodrigues Xavier/Divulgação)
O presidente do Conselho do Banco do Brasil, Hélio Magalhães, entre o coordenador da Amcham/BH, Matheus Vieira Campos, e Alexandre Demasi, da Amcham/Brasil, no Buffet Catharina (foto: Marlon Rodrigues Xavier/Divulgação)

AMCHAM/BH
GENOMA DA INCERTEZA

“O genoma da incerteza – O DNA da economia brasileira” foi o tema da reunião promovida no início da semana pela Câmara de Comércio Americana de BH (Amcham/BH), no Buffet Catharina, contando com 200 conhecidos empresários mineiros de vários setores. Os palestrantes da segunda edição da série CEO Dinner foram três figuras de prestígio do mundo empresarial: o engenheiro Rubens Menin, da MRV Engenharia, o executivo Hélio Magalhães, presidente do Conselho do Banco do Brasil, e Leandro Caldeira, presidente da rede de academias de ginástica Gympass.

***

Enquanto Magalhães falou sobre a atuação do Banco do Brasil na retomada do crescimento da economia, Menin e Caldeira focalizaram as atividades de sucesso de suas empresas na conjuntura nacional. O coordenador regional da Amcham/BH, Matheus Vieira Campos, anfitrionou o encontro.

JK
43 ANOS DA MORTE

O tempo passa, o tempo voa. Completam-se hoje 43 anos da morte de Juscelino Kubitschek, o construtor de Brasília, um dos maiores presidentes da história republicana do país. Ocorrida em 22 de agosto de 1976, em desastre na rodovia Presidente Dutra, até hoje ela ainda não foi esclarecida devidamente. Embora os anos esmaeçam as lembranças históricas da agitada vida política de JK, sua memória persiste. A começar pela presença perene de Brasília, a cidade que ele construiu em tempo recorde (quatro anos apenas), façanha superior aos feitos dos faraós, do czar Pedro, o Grande e de outros grandes realizadores de obras monumentais.

ENCONTRO GASTRÔ
O MELHOR DE BH

A edição de 2019 do Encontro Gastrô – O melhor de BH, promoção da revista Encontro e do jornal Estado de Minas realizada há 16 anos com a finalidade de apontar os destaques anuais da atividade gastronômica na capital, está marcada para 27 de agosto, dentro de seu ritual costumeiro, que tornou o evento a maior festa de premiação da área no estado. O local será o Centro de Inovação Unimed, na Rua Inconfidentes, na Savassi. A escolha dos melhores se deu por votação on-line. A abrangência da premiação é total. São 40 categorias – do boteco de prestígio ao restaurante mais sofisticado. A festa começa às19h30 e termina à meia-noite.

CAFÉ
A ÁSIA REAGE

Boa notícia para os produtores de café do planeta foi o crescimento do consumo da bebida registrado durante o ano cafeeiro 2018/2019 em países da Ásia, notadamente na China, que foi de 3,6%. Embora pareça modesto, o aumento representou o consumo de 35,91 milhões de sacas dentro da produção mundial total de 164,84 milhões de sacas. De modo geral, houve crescimento total do consumo de café em todos os continentes. A Europa continua o maior consumidor global, com 53,97 milhões de sacas. O consumo nos Estados Unidos foi de 30,61 milhões de sacas. Os cafeicultores do Sul de Minas e da região do cerrado agradecem.

MRV
DESTAQUE NA CONSTRUÇÃO

A MRV, maior construtora da América Latina, recebeu na última segunda-feira, em São Paulo, o Prêmio Destaque Construção – Cadeia de Suprimentos Sustentável Conectada, concedido pela Associação Brasileira das Empresas de Engenharia e Profissionais das Telecomunicações e Infraestrutura (Aberimest). Realizado no Instituto de Engenharia, o evento reuniu 700 convidados. Como se vê, a MRV continua a colecionar distinções no exercício de suas atividades.

DAVID FEFFER
LIBERDADE EMPRESARIAL

O empresário David Feffer, presidente da Suzano Holding, segunda maior empresa produtora de papel e celulose do mundo, virá a Belo Horizonte em 23 de setembro especialmente para receber o Prêmio Liberdade Empresarial, que lhe será entregue durante o 10º Fórum Liberdade e Democracia, no Palácio das Artes. O evento é promovido pelo Instituto de Formação de Líderes de BH, que apoia lideranças empresariais empreendedoras. A Suzano foi a pioneira no Brasil no aproveitamento do eucalipto para a produção de papel, evitando a derrubada de espécimes preciosos.

MUSEU MINEIRO
SER TÃO GERAIS

Foi concorrida e pitoresca a sessão de autógrafos do livro Ser Tão Gerais, de autoria do fotógrafo Alexandre Guzanshe, nosso companheiro aqui do Estado de Minas, realizada na segunda-feira, no Museu Mineiro, com detalhes que a tornaram ligeiramente diferente das tradicionais noitadas de lançamento. Guzanshe autografou os exemplares embalado pela música de um sanfoneiro, colocado o lado de sua mesa. Outro detalhe foi a exibição constante em um telão das fotos reunidas no livro. Valeram também os adendos da decoração sertanista. O autor fez uma verdadeira odisseia para registrar a rota do escritor mineiro Guimarães Rosa em suas andanças pelo sertão. Guzanshe percorreu 176 quilômetros a pé. Uma façanha movida por sua paixão por Guimarães Rosa.

AMIGOS DO BALEIA
LOTAÇÃO ESGOTADA

Com todos os convites vendidos, será realizado hoje, no Mix Garden, o 18º Jantar dos Amigos do Baleia, a esperada promoção anual da Fundação Benjamin Guimarães destinada a angariar recursos para o Hospital da Baleia. Uma das atrações será o show do Jota Quest, que promete revelar novidades do videoclipe que acaba de gravar, Todas as janelas, rodado no Edifício Acaiaca. Outra atração da festa será o bufê de Cristina Misk, com destaque para a mesa de fruits de mer. A função começa cedo, às 20h.

SOTHEBY'S
CASA VALIOSA

A tradicional casa de leilões Sotheby's, sediada em Nova York, foi vendida por US$ 3,7 bilhões para o norte-americano Patrick Drahi, transação que provoca protestos por parte de acionistas menores da empresa, pois eles acham que ela vale mais de US$ 7 bilhões. A nota aqui vai porque ninguém supõe que uma casa de leilões de objetos de arte, antiguidades e raridades fosse valer tanto dinheiro. Dizem que a Sotheby's, que funciona desde 1720, acumulou uma fortuna incalculável em objetos de arte. Só pode ser.



Publicidade