Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Entre linhas

Bolsonaro escolhe inimigos, Lula busca aliados, Moro sofre ataque

''PT e Centrão se uniram para instalar CPI para investigar a atuação do escritório Alvarez & Marsal , para o qual o ex-juiz trabalhou''


25/01/2022 04:00 - atualizado 25/01/2022 22:06

Lula negocia apoio de tucanos, seus adversários históricos
Lula negocia apoio de tucanos, seus adversários históricos, e amplia estragos na candidatura de Doria (foto: NELSON ALMEIDA/AFP)

 

Erramos – Na edição de hoje, na coluna intitulada Bolsonaro escolhe inimigos, Lula busca aliados, Moro sofre ataques, uma frase truncada atribuiu, indevidamente, o faturamento de 42,5 milhões do escritório Alvarez & Marsal com processos da Lava-Jato ao ex-juiz Sergio Moro, candidato do Podemos à Presidência. Segundo o relatório do TCU, o faturamento foi do escritório norte-americano. A informação foi devidamente corrigida no site do Correio e no Blog, porém, isso não foi possível no jornal impresso, daí a necessidade desta retificação. 


Nada acontece na política brasileira hoje que não mire as eleições de outubro próximo, no governo ou na oposição. Embora a campanha não esteja oficialmente aberta, o calendário eleitoral já está em curso e os pré-candidatos se movimentam para delimitar os territórios nos quais pretendem alavancar suas candidaturas. O presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, ao anunciar os seus vetos ao Orçamento da União, com cortes que chegaram a R$ 3,18 bilhões, fez tudo o que pôde para manter as emendas de relator do Orçamento da União, o chamado “orçamento secreto”, que tudo mundo sabe que servirá para turbinar as campanhas dos seus aliados do Centrão, com verbas que chegam a R$ 16,2 bilhões, e para garantir recursos para o reajuste dos policiais e de outras categorias de seu interesse.

De forma objetiva, com seus cortes, Bolsonaro também demarcou os setores que encara como inimigos: a comunidade de pesquisa científica, os setores ligados à educação e às universidades federais, órgãos e hospitais da área de saúde, quilombolas, trabalhadores rurais, indígenas e defensores dos direitos humanos, principalmente das mulheres em situação de risco. Por incrível que pareça, com o avanço da nova onda da pandemia de COVID-19, cuja rápida propagação está ameaçando pôr em colapso a rede pública de saúde em vários estados, recrudesceu o negativismo do presidente da República e de seus auxiliares, com forte apoio dos setores de sua base eleitoral que fazem campanha contra a vacinação em massa, principalmente a das crianças, nas redes sociais.

Continua a escalada do Ministério da Saúde contra as vacinas, apesar dos problemas que isso pode acarretar ao ministro Marcelo Queiroga, que começa a ser investigado, juntamente com Bolsonaro, por prevaricação na vacinação de crianças, cuja obrigatoriedade é prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente. Denúncia feita pela Rede Sustentabilidade, ontem, foi enviada pela ministra do Supremo Tribunal federal (STF) Rosa Weber ao procurador-geral da República, Augusto Aras, para as devidas providências. Como se sabe, o Ministério Público Federal vem fazendo vista grossa aos desatinos do governo na crise sanitária. Os mais recentes foram a afirmação oficial do Ministério de que a hidroxicloroquina e a ivermectina são eficazes no tratamento precoce da doença e o questionamento da eficácia das vacinas.

Frigideira

 
Enquanto isso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva avança na sedução dos ex-adversários tucanos que se tornaram dissidentes da candidatura do governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Além de manter o nome do ex-governador Geraldo Alckmin como nome mais provável para a vice, apesar da resistência de setores da esquerda petista e do Psol, Lula estava com o ex-ministro de Relações Exteriores e ex-senador Aloysio Nunes Ferreira, expoente dos tucanos paulistas.

Agora, o petista se prepara para um encontro com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que já anunciou a intenção de votar em Lula no segundo turno caso seu adversário seja o presidente Jair Bolsonaro. A candidatura de Doria está sangrando, porque uma ala do partido já negocia apoio à candidata do MDB, Simone Tebet (MS), articulação liderada pelos senadores Tasso Jereissati (CE) e José Aníbal (SP), em exercício.  O senador José Serra (SP), que está licenciado, também andou conversando com Lula.

Eleitoralmente, quem mais vem ganhando com a crise do PSDB, porém, é o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, que ocupou espaço no campo da chamada “terceira via”. O pré-candidato do Podemos pode até mudar de legenda caso as negociações da presidente do partido, Renata Abreu (SP), com a União Brasil (a fusão do PSL com o DEM) prosperem. Nesse caso, Moro migraria para a legenda e Abreu seria sua vice.

Entretanto, o ex-juiz federal de Curitiba, agora, sofre o primeiro grande ataque especulativo à sua candidatura, em razão da quebra de sigilo do processo do Tribunal de Contas da União (TCU) que investiga seu contrato de consultoria com o escritório norte-americano Alvarez & Marsal, que recebu cerca de R$ 42,5 milhões. Sergio Moro prestou serviços para a empresa por 10 meses. A divulgação do relatório do subprocurador da República no órgão, Lucas Furtado, e do conselheiro Bruno Dantas virou uma dor de cabeça para Moro. O PT e o Centrão se uniram para instalar uma CPI para investigar a atuação do escritório nos casos da Lava-Jato.

O escritório Alvarez & Marsal alega que “não existe” qualquer conflito de interesse na nomeação como administradora judicial da Odebrecht ou de outras companhias investigadas pela Lava-Jato e que a contratação do ex-juiz foi efetuada pela área de Disputas e Investigações, um dos braços do grupo, que atua em 29 países.

Moro integrou “um time de consultores externos”, entre ex-agentes do FBI e de forças de segurança, ex-promotores e ex-funcionários públicos de departamentos de justiça. A subsidiária do escritório A&M Administração Judicial atuou na fiscalização de 89 empresas, em 26 processos de recuperação judicial, a pedido de tribunais de São Paulo e do Rio. Entre 2013 e 2021, faturou cerca de R$ 83 milhões na prestação de serviços à Justiça, dos quais R$ 65 milhões em casos de empresas envolvidas na Lava-Jato.
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade