Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Para não dizer que não falei da viagem do ex-presidente Lula à Europa

Não será surpresa se a próxima investida do petista for em direção à China, que tem sido espicaçada por Bolsonaro


18/11/2021 04:00 - atualizado 18/11/2021 07:34

O ex-presidente Lula em viagem à Europa
Pré-candidato ao Palácio do Planalto em 2022, Lula está em viagem pela Europa (foto: JULIEN DE ROSA/AFP)
A viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Europa está sendo um sucesso. O petista foi recebido calorosamente em todos os lugares, com destaque para a ovacionada passagem pelo Parlamento Europeu, no qual falou comum um player da política mundial e foi aplaudido de pé, e pela pomposa recepção de chefe de Estado que lhe foi oferecida pelo presidente francês Emmanuel Macron, desafeto do presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Eliseu, em Paris. No domingo, em Berlim, Lula havia se reunido com o futuro primeiro-ministro da Alemanha, Olaf Scholz, do SPD (partido social-democrata alemão), que articula o novo governo, como sucessor da chanceler Angela Merkel.

Lula aproveitou-se do enorme distanciamento existente entre o presidente Jair Bolsonaro e a maioria dos líderes do Ocidente. De certa forma, com suas duras críticas ao atual governo brasileiro e o lastro de um veterano na diplomacia presidencial, o petista se recolocou na cena política mundial como vítima de perseguições políticas e grande líder democrata do país, para aprofundar o isolamento internacional de Bolsonaro, cuja eleição, em 2018, se deu num cenário completamente diferente. Àquela época, o presidente norte-americano Donald trump|; o ministro do Interior italiano Matteo Salvini; o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o primeiro-ministro húngaro Victor Orban, o único que permanece no cargo (desde 2010), eram as referências de Bolsonaro na política internacional.

Tudo mudou, mas engana-se quem imagina que a política externa de Bolsonaro passou por alteração profunda. Perdeu o histrionismo e a narrativa reacionária e rebuscada do ex-chanceler Ernesto Araújo, chauvinista e bolsonarista-raiz. O novo chanceler Carlos Alberto Franco França, mais sofisticado e competente, opera de forma mais suave um novo eixo de relações reacionárias, mas que são modelos de modernização autoritária dos mais eficientes da atualidade, como ficou evidente nessa viagem de mascate aos emirados de Dubai, do Bahrein e do Catar. São países que operam um modelo econômico capitalista pós-economia do petróleo, em bases tecnologicamente avançadas, porém, alicerçadas em sistemas políticos autocráticos, muito repressivos, injustos do ponto de vista social e reacionários quanto aos costumes.

A corrida mundial

Um modelo completamente diferente do Estado de bem-estar social construído na Europa de pós-guerra, com base na democracia representativa, que enfrenta uma crise de representação desde a década de 1980, mas que sobreviveu a todas as tempestades econômicas e políticas até agora, quando nada porque a memória de duas guerras mundiais, em particular do Holocausto, não foi olvidada.

Quando Lula fala da necessidade de governança mundial para enfrentar a questão ambiental e as desigualdades sociais e nacionais, isso é música para a União Europeia. Ao contrário, quando Bolsonaro afirma que o Brasil vai muito bem, obrigado, e faz contrainformação ao falar da nossa economia e da Amazônia, declara guerra à opinião pública europeia, cada vez mais influente nessas questões.

Existe uma corrida mundial para reinventar o Estado, em função das aceleradas mudanças tecnológicas que ocorrem no mundo. Países asiáticos, como a China e Cingapura, lideram essa corrida, enquanto as democracias ocidentais patinam na aprovação e execução de reformas com objetivo de acompanhar o desenvolvimento econômico desses países. Na mudança de eixo do comércio mundial do Atlântico para o Pacífico, cuja hegemonia é disputada pelos Estados Unidos e pela China, as autocracias do Oriente Médio, principalmente do Golfo Pérsico, passaram a ter uma posição ainda mais estratégica, em termos de logística e operações financeiras.

É natural que o Brasil esteja conectado às economias desses países árabes, como grande produtor de commodities de alimentos e minerais, e que também procure aumentar a complexidade da nossa balança comercial, exportando também produtos industrializados nos quais ainda temos competitividade, como é o caso dos aviões produzidos pela Embraer. Mas esse não pode ser o eixo principal da nossa política externa, pois, historicamente, estamos no campo das democracias do Ocidente, ainda que tenhamos passado por ciclos autoritários de 1930 a 1945 (Vargas) e de 1964 a 1985 (regime militar).

O fato de a China ser o principal parceiro comercial do Brasil é uma contradição em termos, porque o pragmatismo da diplomacia de Pequim releva as diferenças ideológicas e políticas, ainda que elas existam e sejam profundas. Nesse aspecto, Bolsonaro também abre o flanco para o ex-presidente Lula, ao espicaçar o governo chinês regularmente, como se o gigante asiático dependesse mais de nós do que nós dependemos dele, o que não é o caso. Os sinais de que o presidente Xi Jiping “replanteou” a política chinesa em relação ao Brasil de Bolsonaro são mais evidentes. Não será surpresa se a próxima investida do ex-presidente Lula na política internacional for em direção à China. O paradigma a ser considerado são as excelentes relações com os governos da Argentina, Venezuela, Nicarágua e Cuba.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade