Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Novo ministro está completamente perdido com a gravidade da COVID no país

Cardiologista Marcelo Queiroga esta deslumbrado com o alinhamento com o governo Bolsonaro


17/03/2021 04:00 - atualizado 17/03/2021 07:22

Marcelo Queiroga disse que vai apenas dar continuidade ao trabalho do general Pazuello(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Marcelo Queiroga disse que vai apenas dar continuidade ao trabalho do general Pazuello (foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)


O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, assume o cargo em meio a um apagão logístico: faltam vacinas, mesmo com a escalonamento da programação, leitos, respiradores, oxigênio, material para intubação, sedativos e pessoal treinado em várias regiões do país.

Em São Paulo, o estado com mais recursos, maior rede hospitalar e principal produtor de vacinas do país, a situação é dramática, com uma morte a cada dois minutos.

Queiroga, ao tomar posse, fez um discurso ambíguo, no qual defende a “política de saúde do presidente Jair Bolsonaro” e, ao mesmo tempo, destaca a importância das “evidências científicas” na condução da pasta, o que é uma contradição.

Bolsonaro é contra as medidas de governadores e prefeitos para conter a propagação do vírus e evitar o colapso do Sistema Único de Saúde (SUS). Queiroga está deslumbrado com o cargo, mas completamente perdido diante da gravidade da situação.

Com a saída de Pazuello, não haverá uma transição, mas continuidade da política que estava sendo implementada por ele. Nenhuma mudança na equipe do ministério, formada por militares, foi anunciada.

O novo ministro assumiu a pasta no dia em que o Brasil registrou 2.842 mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas, recorde absoluto desde o início da pandemia, e 84.362 novos casos, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Com isso, o número de vítimas fatais da doença chegou a 282.128, e o total de casos a 11,603 milhões.

Falta uma coordenação nacional ao combate à pandemia, agravada pelo fato de que o presidente Bolsonaro estimula a desobediência civil e o desrespeito às medidas de isolamento social.

Rio Branco, Rio de Janeiro, João Pessoa, Macapá e Aracaju interromperam a aplicação da primeira dose da vacina porque o estoque acabou. Maceió suspendeu a vacinação programada para ontem. Em Belford Roxo (RJ), milhares de pessoas se aglomeraram nos postos de vacinação sem conseguir se imunizar, todos idosos.

Até agora, o Brasil vacinou cerca de 10 milhões de pessoas, o que equivale a 4,7% da população. É muito pouco, porque a chamada P1, originária de Manaus, já se espalhou por todo o país. Esse vírus mutante é responsável pelo novo perfil da pandemia, com taxa de contaminação mais alta e letalidade maior. Também está hospitalizando pacientes mais jovens, por longo tempo.

Falta de insumos

Em São Paulo, foram 679 novas mortes em 24 horas, a maior taxa desde o início da pandemia. O estado totaliza 64.902 óbitos causados pelo coronavírus. Nessa escalada, será inevitável um lockdown em muitas cidades, pois 90% dos leitos de unidade terapia intensiva (UTI) para COVID-19 estão ocupados.

O índice considera hospitais públicos e particulares. Na Grande São Paulo, a taxa média é ainda maior, 90,6%. Em todo o estado, 69 cidades já alcançaram 100% de ocupação de leitos de UTI. São 24.992 pessoas internadas, sendo 10.756 em UTIs e 14.236 em enfermaria.

No Rio Grande do Sul, foram 502 óbitos nas últimas 24 horas. É o maior registro diário em toda a pandemia. A taxa de ocupação dos leitos de UTIs estava em 109,6%.

Dos 3.461 pacientes internados em leitos críticos, 2.534 são de pessoas confirmadas com COVID (73,2%). Na rede privada, a situação é ainda mais grave, 135% das vagas de UTI adulto estão ocupadas. No Sistema Público de Saúde (SUS), a taxa é de 99%. Falta equipamentos; os profissionais de saúde estão esgotados e adoecendo.

No Mato Grosso, faltam respiradores. Em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, médicos que trabalham na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro Ipase desmontaram estetoscópios para usar a mangueira do aparelho como mangueira de oxigênio, já que o insumo está em falta.

No Ceará, todos os hospitais da rede privada de Fortaleza estão em colapso, com 100% dos leitos de enfermaria e UTI ocupados. No Paraná, 28 hospitais de Curitiba e região estão em colapso, mesmo com o lockdown.

Em Santa Catarina, faltam bloqueadores neuromusculares e anestésicos para a realização de intubação de pacientes em tratamento contra a COVID-19. Acabaram os estoques de medicamentos, como rocuronio, propofol e atracúrio.



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade