Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas TIRO LIVRE

As críticas ao trabalho do Turco Mohamed no Atlético

Zaracho é, possivelmente, a maior vítima do desacerto atleticano. Não está achando mais seu lugar em campo. É um vaga-lume com lampejos de luz


12/05/2022 19:44 - atualizado 13/05/2022 00:21

Turco Mohamed, técnico do Atlético, no banco de reservas em jogo no Independência
Turco Mohamed está há cinco meses treinando o Atlético (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
O Atlético está certíssimo em sair em defesa do técnico Antonio Turco Mohamed. Institucionalmente, esse é o papel a cumprir. Os dirigentes têm mesmo de passar segurança ao treinador, prestigiá-lo (sem aspas), pois foi o profissional escolhido por eles para comandar o alvinegro no ano seguinte à temporada mais vitoriosa do clube.

Quem está no futebol há um tempo razoável sabe que toda essa pressão enfrentada pelo argentino hoje era esperada. Mais do que isso: diante das atuais circunstâncias, totalmente justificáveis.

Criticar o Turco não significa, necessariamente, pedir a cabeça dele. Há cinco meses na Cidade do Galo, o argentino já viveu os dois lados da moeda, dentro daquela métrica superdimensionada que caracteriza o futebol: foi abraçado por boa parte da torcida em sua chegada, mesmo sendo pouco conhecido no cenário brasileiro. Com os resultados iniciais, foi exaltado por setores da imprensa. Agora, com o revertério, testemunha a outra face.

Fato é que, a cada jogo, o Atlético se distancia mais e mais da herança de Cuca. Isso, naturalmente, ocorreria. O Turco vai implementar as ideias dele, pouco a pouco. Bem ou mal, é o caminho a seguir.

Essa transição, no entanto, cobra um preço. E o Galo está pagando alto, com atuações instáveis e problemas visíveis, como (principalmente) a falta de compactação e a vulnerabilidade defensiva. Praticamente com os mesmos jogadores do ano passado.

Até aqui, muitas das virtudes mostradas pelo alvinegro são intuitivas, tipo força do hábito. Fruto da forma com que os jogadores se acostumaram a atuar. Por se conhecerem tão bem, eles sabem como cada um joga, o tempo de bola, o estilo, esses detalhes que acabam por fazer a diferença em uma partida. 

Também não foram poucos os jogos decididos graças à qualidade individual dos atletas. Ninguém nega que o Atlético tem, em tese, o grupo mais forte do Brasileiro, rivalizando talvez somente com o Palmeiras. Mas o sentido de unidade está se perdendo. Resgatá-lo é uma das missões do Turco Mohamed.

Tudo isso pode ser medido por um índice bem particular: o IZA – Índice Zaracho de Atuações.

O meio-campista argentino foi um dos destaques do futebol brasileiro no ano passado, quase unanimidade. Onipresente, pintava de vermelho todo mapa de calor. Não bastasse isso, era extremamente efetivo, produtivo. Passes certos. Velocidade. Em poucos segundos, desarmava e saía para o ataque. Aparecia até para concluir jogadas.

Por enquanto, essas cenas, são lembranças. Zaracho é, possivelmente, a maior vítima do desacerto atleticano. Não está achando mais seu lugar em campo. É um vaga-lume com lampejos de luz.

Uma ala da torcida começou a dizer que o problema é Nacho: os dois não poderiam atuar juntos, como se um anulasse o outro. Balela. Um pode muito bem complementar o outro. O Atlético não pode abrir mão do talento de nenhum dos dois - e é para isso que tem um treinador. 

Nacho que tem sido a grande válvula de escape alvinegra nesses tempos instáveis. Carrega o time nas costas, no setor do meio-campo, mesmo perseguido pelos adversários. Contra o Bragantino, foi o alvo principal, levou pancada de todo jeito. Levantou e caiu dezenas de vezes. Balançou a rede.

Importante dizer: os gols são um plus. Nacho vai além deles.

Outra questão que pode acabar desviando o foco do ponto primordial são as contestações à arbitragem. Os árbitros erram sim, mas não têm sido o calcanhar de Aquiles alvinegro em 2022.

Quem se atém somente às decisões do apito corre o risco de cometer o mesmo erro de quem balizou a campanha da conquista do Brasileiro'2021 pelos 11 pênaltis marcados para o Galo, deixando de lado a performance da equipe.

O Atlético não vem jogando bem. Isso é um fato. A sequência de quatro jogos sem vitória não é por acaso ou obra da arbitragem. Os lances de gols têm sido muito mais fruto de ações individuais e/ou do automatismo conseguido por um time que atua junto há algum tempo. 

O Turco ainda precisa mostrar serviço, dizer a que veio. E não é exagero nenhum apontar os problemas da equipe e cobrá-lo por isso. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade