Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas TIRO LIVRE

Lisca Doido, carismático e competente: por que o técnico do América é o personagem da semana

O jogo contra o Corinthians é um capítulo, sim, a ser enaltecido, sobretudo pelas circunstâncias, mas não se encerram nele os méritos do treinador


29/10/2020 20:27 - atualizado 29/10/2020 20:47

Lisca tem contrato com o América até fevereiro de 2021(foto: Marcello Zambrana/AGIF/CBF)
Lisca tem contrato com o América até fevereiro de 2021 (foto: Marcello Zambrana/AGIF/CBF)
Ninguém merece mais os holofotes nesta semana que o treinador do América, Lisca. Em um espaço de poucos dias, ele justificou o apelido pelo qual é conhecido no futebol, mas foi além disso – deu provas de sua competência na função, o que deveria até mesmo ser mais badalado que o admirável carisma. No fim das contas, Lisca é tudo isso: doido (quem não o é?), carismático e competente.

De antemão, é bom destacar: a eficiência dele como técnico não deve ser atrelada tão somente à propalada vitória sobre o Corinthians por 1 a 0, no Itaquerão, na quarta-feira, pela Copa do Brasil.

Desde que chegou ao América, no início do ano, para substituir Felipe Conceição, Lisca tem mostrado serviço. A regularidade da equipe sob o comando dele é visível, marcante até.

Essa história começou lá atrás, já no Campeonato Mineiro. O time americano foi sendo encorpado, técnica e taticamente, ao longo desse período, e o resultado é o que estamos vendo aí: a boa campanha na Série B do Campeonato Brasileiro, da qual é vice-líder e um dos candidatos ao acesso, e a vantagem sobre o Corinthians nas oitavas de final da Copa do Brasil.

O jogo contra a equipe paulista é um capítulo, sim, a ser enaltecido, sobretudo pelas circunstâncias, mas não se encerram nele os méritos de Lisca. E olha que foram muitos.

Mas vamos respeitar a cronologia da semana para listar os motivos de o treinador do Coelho merecer o posto de principal personagem do futebol brasileiro dos últimos dias.

Essa retrospectiva começa no sábado, quando o América conquistou a quinta vitória seguida na Segunda Divisão, ao bater o Confiança por 2 a 1, no Independência.

Naquela noite, o Coelho ampliava para oito sua sequência de partidas invictas no campeonato. O time sergipano, bom frisar, vinha de seis jogos sem derrota e vendeu caro aquele revés.

De alto-astral e com moral elevado, o treinador logo tratou de aproveitar o momento para mandar um recado bem-humorado para a diretoria do Coelho a respeito de uma renovação contratual – ressalte-se, com toda razão.

Bem naquele estilo maroto dele, soltando uma sonora e doida gargalhada no final, Lisca passou a mensagem. Se havia um momento adequado para que ele fizesse isso, era agora mesmo.

Os dirigentes do América deveriam aproveitar a deixa e também tratar o assunto com a seriedade e a leveza que ele merece. Afinal, não é por acaso que a equipe tem desempenhado um bom papel. Também não é aleatoriamente que o técnico tem atraído o interesse de times como Cruzeiro e Coritiba.

Lisca recusou sondagem de ambos, alegando que tudo tem a hora certa e respeito ao vínculo assinado com o Coelho, válido até fevereiro do ano que vem, quando se encerram as competições nacionais.

Em entrevista em rede nacional na véspera do duelo em São Paulo, o treinador arrancou elogios e mais elogios de colegas da imprensa, que destacaram, entre outras coisas, a lucidez das análises feitas por ele sobre o momento do futebol brasileiro, a presença de técnicos estrangeiros e o duelo com o Corinthians.

A racionalidade com que Lisca tratou essas questões foi muito comentada nas redes sociais.

Aí veio o jogo em si e a reunião de todas as facetas dele: doida, carismática e competente. Um indício disso foi quando, aos 42min do segundo tempo, Lisca mandou a campo Neto Berola e Marcelo Toscano, e justamente os dois protagonizaram a jogada do gol americano, aos 44.

Quem está no meio do futebol sabe que jogador não gosta muito de entrar nos minutos finais de partida – e os minutos finais, nesse caso, foram no sentido literal. A gana de Berola e Toscano naquele pouco tempo que teriam para atuar foi outro efeito direto do trabalho do treinador.

Esse 1 a 0 histórico sobre o Corinthians não só dá ao Coelho uma bela vantagem na decisão da vaga nas quartas de final, no Horto. Foi mais um atestado de qualidade de Lisca. E uma qualidade que tem desembocado no caixa alviverde.

Somadas todas as etapas da Copa do Brasil, o clube já acumula R$ 7,29 milhões de premiação. Se passar das oitavas, embolsará mais R$ 3,3 milhões. A partir daí, é dinheiro para fazer os olhos de qualquer um brilhar: vaga na semifinal valerá mais R$ 7 milhões e, na final, ao campeão estão reservados R$ 54 milhões e ao vice R$ 22 milhões.

Aí o Lisca, além de doido, carismático e competente, ainda pode se tornar um grande aliado financeiro para o América. Mais do que isso até: um senhor investimento!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade