Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Cruzeiro perde, mas continua líder isolado e absoluto

Nada que venha atrapalhar os planos do time azul, que tem 10 pontos a mais que o Sport, quarto colocado, que joga com o Grêmio hoje


13/06/2022 04:00

Jogo do Vasco com o Cruzeiro no Maracanã
Vasco e Cruzeiro fizeram um jogo muito disputado, mas o time carioca conseguiu marcar e saiu de campo com três pontos (foto: Daniel Ramalho/CRVG)


Maracanã lotado, como nos velhos tempos, parecendo decisão de campeonato. De um lado, um gigante, com milhões de torcedores, o Vasco da Gama. Do outro, o maior ganhador de taças das Minas Gerais, também com milhões de torcedores, o Cruzeiro. Ambos na Segundona, por desmandos de dirigentes incompetentes e ou venais. Não valia a liderança, porque o Cruzeiro já disparou. Como dizem seus torcedores, “segue o vice-líder, pois o líder já disparou faz tempo”.

Mas deu Vasco, 1 a 0, subindo para 24 pontos, diminuindo a distância para o rival. O jogo era tão importante, que a TV Globo o preferiu a uma partida da Série A. Jogo grande, narradores e comentaristas a altura. Gustavo Villani, Júnior Maestro e Fábio Júnior. O árbitro também era de primeira linha, Ânderson Daronco. Fubá comandava a torcida azul, em número bem reduzido, pois o Vasco não disponibilizou a quantidade desejada. Ronaldo Fenômeno, dono do Cruzeiro, vai dar o troco no jogo de volta, no Mineirão.

Claro que a pressão inicial era vascaína. Em casa, queria ditar o ritmo do jogo e marcar logo. Único time invicto na Série B, o Vasco explorava as jogadas aéreas. Mas Edu assustou aos 13min, cabeceando no canto de Thiago Rodrigues. A bola passou perto. O Cruzeiro marcava bem, mas era ansioso na saída de bola. Já o Vasco pecava no último passe. Jajá quase complicou a vida do goleiro vascaíno. Essas saídas de bola, “a la futsal”, matam o torcedor do coração. O jogo era muito igual. E o Vasco marcou um golaço aos 23 minutos. Nenê foi lançado no fundo e cruzou com precisão. Getúlio se antecipou ao zagueiro e fez, de cabeça, 1 a 0. Parecia um chute, tamanha a força e precisão.

Vale lembrar que o erro do Zé Ivaldo proporcionou o contra-ataque do Vasco. Excesso de preciosismo. Quis driblar, quando deveria ter dado o passe. Bidú cobrou falta, Thiago rebateu nos pés de Edu, mas ele perdeu o gol. De qualquer forma, estava em posição de impedimento. O Cruzeiro pressionava, queria o empate e criava situações. O Vasco quase aumenta em chute de Gabriel Pec. As duas equipes desceram para o vestiário com a certeza de que fizeram um ótimo primeiro tempo.

O segundo tempo mostrou a torcida vascaína cantando o tempo todo, na expectativa de mais um gol. Os torcedores azuis não deixavam por menos, e, mesmo em número reduzido, davam um show. Aliás, o Mineirão vai ficar lotado na quinta-feira. Mais de 50 mil ingressos já foram vendidos para Cruzeiro x Ponte Preta, em feriado. É impressionante o torcedor no Brasil. Ele tem comparecido mesmo, em todas as divisões.

Rafa Silva e Felipe Machado entraram. Bidú perdeu um gol incrível em cruzamento de Geovane. O goleiro vascaíno estava batido. O Vasco fez duas mudanças também. Mas era visível que o time cruzmaltino tentava matar o jogo em um contra-ataque. O Cruzeiro propunha mais o jogo, pois queria empatar. E se empatasse, seria justo.

O jogo foi muito igual o tempo todo. Jajá saiu sentindo muitas dores no joelho. Uma preocupação a mais. O tempo passou e o Vasco saiu com os três pontos, manteve a invencibilidade e diminuiu a distância para o Cruzeiro, em quatro pontos. Nada que venha atrapalhar os planos do time azul, líder isolado, com 10 pontos a mais que o Sport, quarto colocado, que joga com o Grêmio hoje. E cá pra nós, o Cruzeiro não vai ganhar todas. Eu já havia falado sobre isso.

Fla briga para não cair

Com uma folha salarial de R$ 35 milhões mensais e jogadores badalados, neste momento, o Flamengo briga para não cair. Uma realidade triste, pois não há dinheiro no mundo que faça um time praticar bom futebol, não se não houver o mínimo de organização e gestão. O rubro-negro precisa de uma renovação geral. Mandar embora vários jogadores que não têm mais condições de render o que rendiam em 2019. Simples assim!

Galo

Ao contrário dos que querem implantar crise no Galo, não vejo motivos para isso. O time mineiro continua brigando pela taça e teve queda de produção por causa de alguns jogadores, que também não estão rendendo o mesmo futebol da temporada passada. Mesmo com esses “problemas”, está a cinco pontos do líder, Palmeiras. Isso pra mim é reclamar de barriga cheia!
 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade