Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas coluna do jaeci

Se jogarem tudo que sabem, Galo e Hulk confirmam o título na Bahia

Regularidade projeta um Atlético já campeão brasileiro nesta quinta-feira em Salvador, diante de um adversário desesperado


02/12/2021 04:00

Artilheiro do Brasileirão, Hulk comemorou como Reinaldo na vitória diante do Fluminense, de punho cerrado
Artilheiro do Brasileirão, Hulk comemorou como Reinaldo na vitória diante do Fluminense, de punho cerrado (foto: JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS)

O presente que o atleticano pediu a Papai Noel está vindo em conta-gotas, mas pode ser resolvido hoje, caso o Galo vença o Bahia em Salvador. Com 78 pontos, até o empate deve servir, desde que somado a mais um contra Bragantino ou Grêmio, pois o Flamengo, vice-líder, só pode chegar a 79 pontos, caso vença seus três últimos jogos. Pela regularidade, consistência e pelo que os jogadores estão fazendo, é grande a possibilidade de o time mineiro vencer as três últimas partidas. Porém, para não haver mais dúvida, ganha logo do Bahia hoje, praticamente rebaixa o adversário e corre para o abraço.

A diretoria programa uma grande festa na Praça da Savassi, no domingo, logo após o jogo com o Bragantino, no Mineirão, que vai estar entupido de gente, o que virou rotina nos jogos do Galo. Fico imaginando quando o Estádio Presidente Elias Kalil estiver pronto. A casa do Galo, tão bem idealizada por Daniel Nepomuceno, que convenceu cada conselheiro pela aprovação do projeto, será uma grande aliada do clube. Ter a casa própria é sempre bom, e tudo o que girar em torno do espetáculo irá para os cofres do clube. Daniel Nepomuceno era visionário e lutou por realizar esse sonho.

Voltando ao jogo contra o Bahia, o Galo tem todas as condições de conseguir um grande resultado, quem sabe, até uma goleada. Mas o torcedor, tão sofrido nos últimos 50 anos, tão revoltado com arbitragens, quer até uma vitória por “meio a zero”. Não importa! Quer comemorar, pôr duas estrelas na camisa e gritar a plenos pulmões que, finalmente, o bicampeonato chegou.

Imagino como estão Luisinho, Cerezo, Éder, Reinaldo, Paulo Isidoro e tantos outros craques que não conseguiram levantar um título brasileiro pelo Atlético. Os motivos são vários, como erros crassos de arbitragem. Que o digam também Guilherme e Marques, que em 1999 viram o título escapar por um erro crasso do árbitro que não deu a penalidade que o zagueiro Índio cometeu ao pôr a mão na bola dentro da área. Realmente, o Galo foi muito prejudicado ao longo da história, mas eu penso que chegou o momento de comemorar, que as mágoas sejam esquecidas e que o amor dê lugar ao ódio. Éder trabalha com a comissão técnica e vive esse momento de perto, assim como o Rei, que é comentarista da TV Galo. Domingo, nós vimos a emoção do maior jogador da história do Atlético, o gênio da bola, Reinaldo, ao chorar quando Hulk, o melhor jogador do campeonato, ergueu o punho e comemorou o segundo gol contra o Flu, como fazia o Rei, em protesto contra a ditadura no Brasil, gesto imitado do movimento dos Panteras Negras, que lutavam por mais direitos civis nos Estados Unidos.

Artilheiro do Brasileiro, Hulk faz história com a camisa alvinegra e já é um dos maiores ídolos da Massa. Deu a volta por cima, depois de um péssimo começo e uma briga, via imprensa, com Cuca e tornou-se esse grande jogador. Para ele, esse título deverá ser o mais importante da carreira, pois no Porto foi campeão, mas, como todo o respeito ao time europeu, acho que o título brasileiro vale mais que o do Campeonato Português. É apenas a minha opinião. Como jogou no Zenit, da Rússia, e na China, Hulk não tem um currículo recheado de títulos memoráveis. Esse Brasileirão, com certeza, vai entrar para sua galeria como o mais importante da sua vida.

No mais, é o Galo fazer sua parte hoje e já retornar no avião, de volta para BH, com champanhe e brindes. E a Praça Sete deverá ficar lotada. Sendo campeão hoje, BH vai ficar pequena para a torcida, que, tenho certeza, irá comemorar desta quinta-feira até o dia 9, data do último jogo do Galo na competição. Lembrando que três dias depois, começa a decisão da Copa do Brasil contra o Athletico. O Galo pode ser bicampeão brasileiro e da Copa do Brasil. Um ano mágico, que, com certeza, jamais será esquecido pela fanática e fantástica torcida alvinegra. Sempre lembrando que, para mim, os fantásticos e fanáticos torcedores são os anônimos, que pagam ingressos, sofrem e comemoram com o seu time do coração. Solte o grito torcedor! “É bicampeão”!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade