Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DE JAECI CARVALHO

Cruzeiro perde quatro pontos em casa e se distancia do acesso


20/11/2020 23:42

Time de Felipão não evoluiu depois de vários dias de treinamento na Toca(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D. A Press)
Time de Felipão não evoluiu depois de vários dias de treinamento na Toca (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D. A Press)
Felipão continua invicto no comando do Cruzeiro, mas, em 6 jogos disputados, dois deles em casa, perdeu 4 pontos importantes. Para o Guarani e para o Figueirense, no jogo desta sexta-feira, com o empate em 1 a 1. O técnico teve tempo para ajustar o time. Foram 11 dias de treinamentos, desde o empate com o Guarani, mas pouca evolução foi vista.

Eu não entendo os dirigentes. Os torcedores estão impedidos de irem aos jogos, por causa da pandemia do novo coronavírus. Então, por que esse horário indecente de 21h30, numa sexta-feira? Não seria melhor usar o bom senso e realizar o jogo à tarde ou no começo da noite? Aliás, eu sempre fui contra a volta do futebol nesta temporada. 

Quem vai comemorar título com mais de 170 mil mortos pela Covid-19 no Brasil e mais de 1 milhão no mundo todo? Acho um absurdo, mas sei que, para essa gente insensível, o que importa é o dinheiro. Os dirigentes do nosso futebol estão se lixando para as vidas.

O primeiro grande lance foi do Cruzeiro. Boa trama pela direita, Airton chutou e o goleiro salvou a escanteio. Rafael Sóbis fazia sua reestreia, já que voltou ao clube depois de duas conquistas das Copas do Brasil. Ao lado de Marcelo Moreno, com certeza daria mais opções ao flecheiro azul. Pela esquerda a boa jogada foi com Jadson, mas ele cruzou mal e a zaga aliviou. Na cobrança errada, Guilherme Teixeira lançou para Léo Arthur, que ganhou da zaga, e tocou por cima de Fábio. Um golaço. Foi o primeiro ataque do time de Santa Catarina. Figueirense 1 a 0. 

O Figueirense se empolgou. Num escanteio, Guilherme Teixeira subiu e cabeceou para fora. Ele acabou dando uma cotovelada involuntária no zagueiro Manoel, que sangrou bastante. O gol esfriou um pouco o Cruzeiro, quando se esperava uma reação. Patrick tabelou com Lucas Barcelos e chutou, já dentro da área. A bola foi para fora. 

O Cruzeiro não conseguia sair. O time azul dava espaços, e o Figueirense era melhor. Lucas Barcelos arriscou mais uma. A bola foi por cima do gol. Os jogadores do Cruzeiro não chutavam. Sidão não se preocupava. 

Mas, aos 35, o Cruzeiro acertou. Airton foi levando para a entrada da área e tocou por cobertura. Um golaço: 1 a 1. Um gol para aliviar, pois o Figueirense era melhor. O Figueirense quase virou em bela bicicleta de Diego Gonçalves, que Fábio fez grande defesa. O Figueirense criou mais chances, mas o empate foi o resultado do primeiro tempo.


O segundo tempo começou com uma chance para cada lado. Moreno pediu penalidade. O árbitro mandou seguir o jogo. Bruno Michel chutou para fora, depois de Léo Arthur fazer grande jogada. Marcelo Moreno quase marcou, em boa defesa de Sidão.

Matheus Pereira, que entrou na vaga de Patrick Brey, melhorou a marcação no setor esquerdo. O Cruzeiro teve 11 dias para treinar. Houve uma evolução no quesito organização, mas, tecnicamente, não vi nada. 

O Figueirense era um time muito bem treinado, que sabia o que deveria fazer com a bola. Matheus Pereira fez boa jogada e cruzou. Arthur Caíke cabeceou fora. Léo Artur chutou no canto e Fábio salvou. 

Felipão pôs Welinton, buscando velocidade pela direita. Foi a sua última tentativa. Claro que o torcedor do Cruzeiro tem esperanças em vitórias, mas, é muito difícil uma equipe ganhar todas. 

A permanência na Série B, ano que vem, vai se tornando uma realidade a cada rodada. Nas duas últimas, em casa, contra Guarani e Figueirense, o Cruzeiro perdeu 4 pontos.


RENOVAÇÃO COM SAMPAOLI


O candidato de consenso Sérgio Coelho se reuniu com os 4 Rs - Rafael e Rubens Menin, Ricardo Guimarães e Renato Salvador - e o técnico, Jorge Sampaoli, para definir a extensão do contrato dele. A reunião foi feita via conferência, mesmo porque o argentino está com Covid-19. 

Vejam que o atual diretor de futebol não foi convidado para a reunião, o que confirma que na gestão de Sérgio Coelho e José Murilo Procópio, ele será demitido. Como Coelho já disse que Renato Salvador será o homem forte do futebol, não há necessidade de gastar uma fortuna por mês com alguém sem função no clube. 

Aliás, os homens que comandam o Galo não gostaram da intervenção de empresários na contratação de Vargas. Segundo eles, bastava uma ligação de Sampaoli para o atacante e um contato com Renato Salvador para fechar o acordo financeiro. Não havia a menor necessidade da participação de agentes, que, é claro, terão comissão.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade