Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA HIT

De volta ao hospital, depois de 200 dias de confinamento

Aluna de medicina da PUC Minas, Camila Lanza narra, no 'Diário da quarentena', como foi o reencontro com colegas e professores neste novo mundo, às voltas com a COVID-19


06/10/2020 04:00

Diário da quarentena

"Médicos, enfermeiras, estudantes transitando pelos corredores com todos os equipamentos de proteção %u2013 a troca se fazia pelo olhar"


De volta ao hospital

Camila Cardoso Lanza
estudante de medicina da PUC Minas

Depois de 200 dias desde o início do meu confinamento, retorno às atividades práticas em um hospital.

O sexto período era muito esperado, as expectativas eram altas, pois pela primeira vez iria com maior frequência a um hospital, estando mais em contato com a realidade da profissão que escolhi seguir.

Entretanto, em março, o isolamento social foi priorizado como uma medida mais rígida para impedir o avanço do coronavírus – dessa forma, tudo acabou sendo adiado. Encontrar meus amigos diariamente, atender o paciente, passar de quarto em quarto com o preceptor, atravessar a rua e já chegar à faculdade, coisas simples que eram rotina subitamente foram retiradas da minha agenda.

Logo quando foi decidida a paralisação das escolas e universidades, minha faculdade já iniciou as aulas em regime remoto, dando continuidade ao semestre. Assim, precisei me adaptar a esse novo meio de ensino e me surpreendi positivamente, as aulas teóricas foram muito bem trabalhadas pelos professores, sempre dispostos a ajudar em caso de dificuldade. Não era o ideal, mas o melhor que poderia ser feito. Aos poucos, a familiarização com o sistema será ainda maior, possibilitando, assim, perspectivas para que o método tecnológico caminhe com o ensino presencial em um mundo pós-pandemia.

Hoje, após sete meses, aconteceu o meu retorno ao hospital. O cenário de meses atrás ainda permanece o mesmo. Nesta manhã, acordei animada e bem cedo para o recomeço após o longo período. Às 5h já estava pronta para partir. O frio na barriga era o mesmo dos primeiros atendimentos no ciclo básico. Durante o caminho, fui conversando com meu pai, que também estava com grandes expectativas, assim como todos ao meu redor, pois sabiam o quão importante era para mim este retorno.

Ao chegar, observei que o movimento no hospital parecia tranquilo: médicos, enfermeiras, estudantes transitando pelos corredores com todos os equipamentos de proteção – a troca se fazia pelo olhar.

Meu grupo foi conduzido ao auditório, onde seriam repassadas as informações sobre a nossa volta. Foi explicado que ao entrar no quarto de um paciente com COVID-19, devemos manter as medidas de higiene e proteção individual adotadas para o influenza, o vírus da gripe, o que envolve vestir avental, máscara e luvas. Com um diferencial: o uso dos óculos de proteção e faceshield para evitar a infecção através dos olhos. Depois de todas as orientações e de conhecer a equipe, senti que estávamos prontos e seguros para prosseguir o nosso estágio.

Os atendimentos estão recomeçando, temos novas informações, nos reestruturamos e nos adaptamos ao novo contexto. Aos poucos, vamos retornando à nossa rotina, diferente de meses atrás, mas com a certeza de que essa experiência será muito proveitosa e importante para nossa formação pessoal e profissional.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade