Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA HIT

O infectologista Carlos Starling e a palavra símbolo da epidemia

O 'Diário da quarentena' chega à sua 100ª página. Vídeos com alguns dos registros podem ser acessados no instagram do 'Estado de Minas' (@estadodeminas)


postado em 24/06/2020 04:00


Carlos Starling
Infectologista

Como, de fato, ouvir e entender bem as palavras?! Decifrando o símbolo que se esconde na essência de cada uma delas. As palavras, assim como os gestos e atitudes, expressam bem mais do que aparentam. Sigmund Freud e Carl Jung dedicaram boa parte de suas carreiras acadêmicas e profissionais descortinando os símbolos para entender o que se passa no íntimo das pessoas.

Dissecar os símbolos é como ver e traduzir o mundo de outra maneira. É como olhar do outro lado do muro... Termos e expressões com os quais não éramos familiarizados passaram a dominar os noticiários e gerenciar nossas vidas.

Vejamos a palavra quarentena, que na atual epidemia não significa 40 dias de isolamento, mas 14 dias de reclusão. Uma heresia matemática. Tecnicamente, corresponde ao período em que a doença pode ficar incubada e o indivíduo infectado pode transmiti-la para outros. Mas, certamente, quarentena, vem de quarenta – simbolicamente, o número da espera, da preparação, da provação ou do castigo, segundo o Dicionário de símbolos, de Jean Chevalier e Alain Gheerbrant (editora José Olympio), ao qual recorri para debulhar 
o assunto.

Os escritores bíblicos marcam a história da salvação dotando os acontecimentos principais com esse número. Jesus prega por 40 dias; o ressuscitado aparece a seus discípulos durante os 40 dias que precedem a ascensão; os hebreus infiéis são condenados a errar 40 anos no deserto (Números 32,13); 40 dias de chuva punem a humanidade pecadora (Gênesis 7,4); a quaresma dura 40 dias.

De acordo com historiadores, esse número marca a realização de um ciclo que deve chegar não a uma simples repetição, mas a uma mudança radical, passagem a uma outra espécie de ação e de vida. Esse número desempenhou papel bem particular nos rituais fúnebres de grande número de povos. Segundo algumas crenças, este é o tempo que marca o fim do luto. O tempo que a viúva está liberada para procurar um novo parceiro.

O costume da quarentena provém dessa crença, segundo a qual o número 40 simboliza um ciclo de vida, ou de não vida.

Para nós, epidemiologistas e infectologistas, quarentena é o número que significa o fechamento do ciclo em que o indivíduo deixa de transmitir uma doença. Ou seja, fica pronto para voltar à vida e ao trabalho.

Curioso como esse ciclo de 40 dias era necessário em nossa vida e não sabíamos. Nem que seja para limpar gavetas, fazer uma faxina na alma e voltar a perceber os cantinhos das nossas casas. Redescobrirmos nossos filhos, discos antigos, CDs, fotos guardadas e poesias esquecidas. Sim, precisávamos deste tempo e destas 40 linhas para nos reencontrar.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade