Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Um oftalmologista em 'Hollywood'

Para se adequar à nova rotina, Breno de Mello Vitor passou a usar máscara, gorro e capote, como se vê em filmes de ficção científica. No 'Diário da quarentena', médico revela o seu dia a dia


postado em 12/05/2020 04:00

Diário da quarentena  
Na linha de frente

Breno de Mello Vitor
Oftalmologista

"O encontro com a nova realidade me fez sentir em um filme hollywoodiano,usando capote, óculos,máscara e gorro"


Festas e fogos foram o prenúncio de um 2020 cheio de oportunidades.

As notícias sobre o coronavírus começaram a circular na mídia, mas parecia algo tão distante... Aquele pensamento brasileiro – somos mais abençoados do que os demais – tomava conta do país.

Minha agenda profissional a pleno vapor, com cirurgias, atendimentos e, claro, encontros com os amigos. Tudo na maior tranquilidade. Até que, em março, um agente invisível me tirou da zona de conforto.
O coronavírus chegou...

Por causa dele, em pouco mais de 36 horas cancelei procedimentos de rotina, reuniões, estudos. Foi preciso definir o fechamento ou não de parte do hospital do qual sou um dos diretores. Novos protocolos se tornaram urgentes, viraram rotina. O encontro com a nova realidade me fez sentir em um filme hollywoodiano, usando capote, óculos, máscara e gorro para atender o paciente em quarentena. Universo comum aos infectologistas, eu sou oftalmologista. Mas todo cuidado vale, especialmente no caso de um vírus facilmente transmissível.

Firme, sempre lembrando o juramento feito na formatura em medicina, supero medos, inseguranças e, com serenidade, sigo para meus plantões e atendimentos, que agora têm outro nível de exigência.

O frio na barriga existe. Não há como negar! Mas vamos utilizando estratégias de controle emocional de forma a seguir com a nossa missão. Atualmente, tenho atendido somente urgências, e meu tempo livre aumentou. Li quatro livros em menos de 10 dias. Há anos não fazia isso. Bons autores conseguem nos levar para outra realidade, confortando a mente e alimentado a alma. Restante do tempo dividido entre Netflix, lives médicas e sertanejas, farra virtual com amigos. Foi diferente para nós, acostumados a encontros nas baladas quase sempre lotadas, mas deu um alento.

Há poucos dias, comemorei meu primeiro aniversário isolado, com meus pais, em casa. Um bolo surpresa deles foi o auge da festa aparentemente simples, que me deixou muito feliz.

Não deixo de pensar também na crise econômica e nos que estão à margem do sistema. De alguma forma, tento colaborar e minimizar o sofrimento de alguns. Tenho esperança de que sairemos desta mais fortes, mas, por incrível que pareça (rs...rs), quero a minha rotina de volta.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade