Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

Só pacto e humildade farão o Cruzeiro sair de sua grave crise

As correntes internas precisam se unir e formar um círculo de proteção em nome do bem maior, que é nossa paixão celeste


14/01/2021 04:00 - atualizado 14/01/2021 10:10

Não há espaços para divisão: ou os cruzeirenses tomam a iniciativa de pactuar a reconstrução do clube ou amargaremos um prolongado pesadelo(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Não há espaços para divisão: ou os cruzeirenses tomam a iniciativa de pactuar a reconstrução do clube ou amargaremos um prolongado pesadelo (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Não resta à instituição Cruzeiro Esporte Clube outro caminho que não a resiliência. Não há cura milagrosa, vinda de um único benzedor, para um gigante com feridas tão expostas, ainda mais em meio a uma horda ávida por sua morte. É preciso muito cuidado a cada movimento para não lhe causar ainda mais danos à saúde. Ao mesmo tempo, é preciso humildade para entender essa missão como uma tarefa coletiva, desprendida de vaidades ou ranços. Se eu pudesse fazer um pedido a cada cruzeirense, principalmente aos de grande influência, seria: “que tal vocês se darem as mãos para o que realmente interessa?”.

Deixando de lado (dentro da cadeia, se possível) os sabidamente criminosos e seus cúmplices de 2019, o instante clama por um círculo em torno das cinco estrelas. Mesmo porque, esta –diretoria, a anterior – temporária – ou nenhuma outra será capaz de gerir tamanho quadro de destruição se não aceitar a necessidade de capitanear um movimento gigante de proteção à instituição. Não há aqui juízo de valor, mas, sim, a leitura de uma realidade muitas vezes esquecida a cada 90 minutos de jogo. Para mim, dane-se o resultado da peleja contra o Oeste!

O quadro atual do Cruzeiro vai muito além de medir competência, experiência ou inovação. Ele passa por compreender o tamanho do desafio de reerguer o único gigante de Minas Gerais. Advém de recordar sobre como só foi possível extirpar o câncer da gestão Wagner Nonato Pires Machado de Sá ao final de 2019 porque houve o enlace entre pontas antes opostas, tanto de atores da política do clube quanto das arquibancadas.

É preciso lembrar sempre, torcida e diretoria... Estamos vivendo o auge dos efeitos pandêmicos daquela gestão criminosa e organizada, que, infelizmente, não foi esmagada na raiz até hoje. O corpo já vinha doente há décadas, é bem verdade, mas nenhum grande clube nacional, em quase 150 anos de futebol no Brasil, teve um episódio de lapidação dos patrimônios financeiro e moral tão rápido como o vivido pelo Cruzeiro entre 2018 e 2019.

Esperar dos órgãos do poder público uma atitude capaz de devolver ao clube a tranquilidade e o dinheiro roubado é deitar-se em berço esplêndido. Se internamente, dentro do Conselho Paquiderme Deliberativo, não houve força (nem ao menos vontade) para limpar definitivamente o clube dessa escória, não sejamos inocentes de imaginar que isso virá de instituições públicas, sendo a maioria delas comandada pela mesma oligarquia que alimenta ódio contra a nossa instituição desde os tempos do Palestra Italia.

Temos na Prefeitura de Belo Horizonte um indivíduo que já declarou publicamente ser seu objetivo “destruir o Cruzeiro”. Existem chefes de importantes instituições mineiras que infantilmente se negam a segurar objetos da cor azul. São traumas claros nos mostrando como devemos seguir a nossa história multicampeã, escrita com superação de preconceitos e desigualdades, sem delegar a terceiros responsabilidade pelos problemas ou a solução deles.

Dito isso, restam dois caminhos aos grandes cruzeirenses: digladiarem até o fim ou humildemente tomarem a iniciativa de formar o círculo de proteção ao bem maior chamado Cruzeiro. Não há mais tempo para o meio-termo. A encruzilhada está à nossa frente.

O momento de barbárie pede, novamente, o encontro de todos que se juntaram ao final de 2019. O futuro do time amado por todos nós está aí, à espera de mãos cruzeirenses estendidas mutuamente: umas pedindo ajuda, e outras, oferecendo. Assim nasceu o Palestra. Desse modo deve ser reerguido o Cruzeiro.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade