Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

Essa falta de Cruzeiro vai passar

Em meio ao isolamento, um cruzeirense apaixonado vem enchendo as esquinas de Belo Horizonte com música


postado em 08/04/2020 04:00

Jadir Ambrósio criou o hino celeste em 1965 e, durante a pandemia de COVID-19, João Vianna leva música, ao som de seu trompete, para as ruas de BH(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press - 10/11/2009 e Arquivo Pessoal)
Jadir Ambrósio criou o hino celeste em 1965 e, durante a pandemia de COVID-19, João Vianna leva música, ao som de seu trompete, para as ruas de BH (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press - 10/11/2009 e Arquivo Pessoal)


A abstinência de Cruzeiro tem me levado a criar rituais curiosos. Um deles instituí após ler sobre a falta de Vitamina D nestes dias de isolamento social. Acordo, passo os olhos pelo manto sagrado na poltrona e vou até o fundo do apartamento. Lá está a única fresta de sol matutino. Abro a janela, como se estivesse rodando a catraca do Mineirão. Coloco o corpo para fora e solto a voz! Canto o nosso hino por 6+1 vezes, enquanto raios ultravioletas me enchem de vitamina. Tente! Faz bem aos pulmões, à pele, aos anticorpos e à alma cruzeirense.

Sempre me emociono ao cantar essa música magistral, composta em 1965. Seja nas arquibancadas ou como solista ao lado do varal de roupa. Ela é a obra-prima do saudoso maestro Jadir Ambrósio. Quando ainda criança, sua família se mudou para Belo Horizonte na década de 1920. Tornou-se um fervoroso palestrino. Trabalhava na capina de ruas. O pouco tempo de sobra dedicava à paixão pela música. Único estudante negro do conservatório, sofreu com a discriminação.

Do trombone ao violão e à poesia, Jadir tornou-se um dos maiores músicos de uma Belo Horizonte boêmia, azul e estrelada. Após as noites de seresta, entre as idas ao estadinho do Barro Preto, viu o seu Palestra se alcunhar Cruzeiro.
***
Nos idos de 1940, Pedro Vianna dedilhava o piano com a mesma maestria de um Niginho Fantoni conduzindo a bola. Por algumas vezes, dividiu o palco do cabaré Montanhês Dancing, no Centro da cidade, com músicos geniais. Entre eles, Jadir Ambrósio. Ao fim do expediente, à meia-noite, o pianista tirava o calção da mochila, descia até a linha de trem e corria quilômetros até o Bairro Calafate. Era seu treino para o segundo emprego. Pedro tentava a sorte atuando como jogador do Cruzeiro.

Nem fama e tampouco dinheiro. Naquele tempo, futebol não pagava conta. No máximo, um prêmio, como o guarda-roupas doado por um comerciante ao escrete após uma vitória. Brilho e vil metal para Pedro só mesmo com a música. Por décadas, tocou na Casa do Baile, na Pampulha, onde sempre recebia o cumprimento de um frequentador ilustre, cruzeirense e amante da música Juscelino Kubitschek.

A família do pianista de coração celeste crescia. E, quem nascia, recebia uma camisa azul de estrelas bordadas. Batismo era algo sagrado. Assim foi em 1969, quando veio ao mundo o neto João. O menino cresceu e tornou-se companheiro do avô. Fosse para lhe escutar ao piano ou para ouvir os relatos dos tempos de Cruzeiro. Assim, as duas paixões rompiam gerações.

Em 1977, Vô Pedro e João assistiram atarantados ao azarão Cruzeiro aplicar 3 a 0 sobre o favorito Atlético de Lourdes. O garoto comemorava seu primeiro título. Deixou o Mineirão revivendo cada detalhe dos gols do uruguaio “REIvetria”. Apertando a mão do avô, foi cantarolando o nosso hino. Existia sim um grande time na cidade, que morava dentro do coração de João, Pedro e Jadir.
***
Belo Horizonte está em silêncio. João veste sua camisa do Cruzeiro. Busca na memória o dia em que contou a Vô Pedro o desejo de seguir a carreira de músico. Pega o trompete, ajeita o chapéu à cabeça e desce à rua vazia.

A pandemia de COVID-19 e a cidade enclausurada. Desde então, o músico cruzeirense João escolhe uma esquina, saca o instrumento e oferece música às pessoas nos prédios. Cadenciadas pelas melodias, as janelas vão se enchendo como o Mineirão em dia de Cruzeiro. O som baila como drible de um ponta faceiro. O último acorde traz o centésimo de segundo silencioso do pré-gol. Uma explosão de aplausos. João Vianna tem feito da música o seu ritual diário de dizer a todos: “Vai passar”.

Lembrei-me dele hoje, na minha dose de Vitamina D à janela. Senti vontade de olhar para a rua e vê-lo lá embaixo. Camisa azul com as cinco estrelas no peito, sacando o trompete e enchendo a rua com o hino que o maestro, negro e palestrino Jadir Ambrósio nos ensinou a amar. Se acontecesse, eu fecharia os olhos e me confortaria: “Ouça. Essa falta de Cruzeiro vai passar”.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade