Publicidade

Estado de Minas DICAS DE PORTUGUÊS

'Não existe passagem gratuíta', disse a repórter. Os ouvidos reclamaram

A razão: a pronúncia do ditongo ui. Gratuito rima com circuito. Nada de acento gráfico


22/05/2022 04:00 - atualizado 20/05/2022 23:03

Ilustração de Pacífico mostra ônibus com interrogações na janela, sob céu azul com nuvens

RISCO DE OTITE
“Não existe passagem gratuíta”, disse a repórter da CNN. Doeu. Os ouvidos reclamaram. A razão: a pronúncia do ditongo ui. Gratuito rima com circuito. Nada de acento gráfico.

POR FALAR EM ACENTO...
Na nossa linguinha, as palavras com mais de uma sílaba têm acento tônico. Todas. É a sílaba que soa mais forte. Nas oxítonas, ele cai na última sílaba (tabu). Nas paroxítonas, na penúltima (casa). Nas proparoxítonas, na antepenúltima (lâmpada).

O acento tônico pode ter acento gráfico. (Aí entram aquelas regras que a gente aprende na escola). Em português há dois – o agudo (avó) e o circunflexo (avô). Eles são altamente seletivos. Recaem na sílaba tônica. O agudo informa que o som é aberto (sofá, café, fósforo). O circunflexo fecha o timbre (lâmpada, você, complô).

TIL
O til não é acento. É sinal de nasalidade. O nariz entra na jogada. Ao pronunciar a sílaba, por ele sai parte do ar (compare: Irma, irmã). Se a palavra não tiver acento (agudo ou circunflexo), o til faz a festa. Cai na sílaba tônica. É o caso de coração e cidadã. Com o acento, cessa tudo o que a musa antiga canta. O acento é que indica a sílaba tônica. Órgão e órfão servem de exemplo. A sílaba tônica é ór.

NADA A VER
O acento grave não tem nada a ver com a sílaba tônica. Ele indica a fusão de dois aa (crase): Fui à cidade.

CILADAS
Pronúncias armam ciladas que maltratam os ouvidos. Olho vivo. Pronuncie bem todas as letras. Três armadilhas fazem três vítimas:

R final: cantar, comer, partir.
S final: blusas, bolsas, sapatos.
Ditongos: goleiro, sanfoneiro, primeiro, cabeleireiro.

SEM EXCESSO
Não acrescente sons em fim de sílaba: advogado (não: adivogado), optar (não: opitar), fez (não: feiz), absoluto (não: abisoluto), aficionado (não: aficcionado), beneficência, beneficente (não: beneficiência e beneficiente), prazeroso (não: prazeiroso).

NADA DE TROCA-TROCA
Não troque sons: problema (não: probrema), estupro (não: estrupo), mendigo (não: mendingo), identidade (não: indentidade), subsídio (não: subzídio).

A FORTONA
São oxítonas: Nobel, ruim, recém (recém-casado), mister.
São paroxítonas: pudico, rubrica, ibero, avaro, recorde.
São proparoxítonas: hétero, protótipo, anátema.

LEMBRETE
O acento sempre indica a sílaba tônica: sábia, sabiá.

PIADA
É época de eleição. O candidato dava entrevista à tevê. Estava solto, à vontade, falava sem ser interrompido. Na fala, conjugou sem cerimônia o verbo prometer:
– Prometo dar muitas casa, prometo engordar as cesta básica, prometo aumentar o valor do Auxílio Brasil.
O assessor, preocupado com a concordância, cochichou ao ouvido do chefão:
– Não se esqueça de empregar o plural.
O homem não pensou duas vezes:
– Vou dar emprego pro pai do plural, pro tio do plural e, claaaaaro, pro plural.

LEITOR PERGUNTA
Qual a origem da expressão pão-duro no sentido de avarento?
Maria Cláudia, Ribeirão Preto

Dizem que um mendigo passava todos os dias pela padaria e sentia o cheiro bom do pão quente. Imaginava quão gostoso seria passar manteiga na iguaria. Salivava, mas não comprava. Pedia sempre um pão duro. Anos se passaram. Um dia o homem não apareceu. Correu a notícia de que tinha morrido. Surpresa! Os vizinhos descobriram que ele guardava verdadeira fortuna em casa. A notícia se espalhou. Virou lenda. E pão-duro virou sinônimo de avarento.

>>>
 
É correto dizer “os pró e os contra”?
Carlos Gama, lugar incerto

O artigo substantiva qualquer classe de palavra, que se flexiona normalmente: o vestir (os vestires), o zê (os zês), o aqui (os aquis), o pró (os prós), o contra (os contras).

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade