Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Quando usar ponto e vírgula?

"Nunca o usei e nunca me fez falta", escreveu Luis Fernando Verissimo sobre o sinal mais sofisticado da língua. Mas a duplinha dá clareza ao enunciado


02/12/2020 04:00

(foto: Amanda Perobelli/ESTADAO CONTEÚDO/AE)
(foto: Amanda Perobelli/ESTADAO CONTEÚDO/AE)

A sofisticação da sofisticação
A vírgula é uma parada pequena. O ponto, uma pausa prolongada. As reticências são sonhos, suspiros apaixonados. A exclamação e a interrogação traduzem dúvida ou encantamento. E o ponto e vírgula? É o sinal mais sofisticado da língua. Pode-se viver sem ele, mas, com ele, vive-se com mais requinte.

Passeie os olhos por jornais e revistas. Raramente você verá o casalzinho. Por quê? Poucos sabem empregá-lo. “Nunca o usei e nunca me fez falta”, escreveu Luis Fernando Verissimo. “A Maria Eugênia é uma moça muito inteligente. Ela sabe usar ponto e vírgula”, concluiu Mário Quintana.

A duplinha, o sinal mais charmoso da língua, tem dois empregos – separar termos de uma enumeração e dar banho da clareza ao enunciado. Vamos ao primeiro deles, o mais burocrático.

Primeiro
Separar termos de uma enumeração é arroz de festa de leis, decretos, portarias, medidas provisórias. Até Deus o usou.

São mandamentos do Senhor:
1. Amar a Deus sobre todas as coisas;
2. Não tomar Seu santo nome em vão;
3. Guardar os dias santos;
4. Honrar pai e mãe;
5. Não matar;
6. Não pecar contra a castidade;
7. Não furtar;
8. Não levantar falso testemunho;
9. Não desejar a mulher do próximo; e
10. Não cobiçar as coisas alheias.

Superdica 1
Observe o e no 9º mandamento. Ele vem depois do ponto e vírgula. A concluir a enumeração, o ponto pede passagem. Abram-lhe alas.

Superdica 2
O casadinho fica no meio do caminho. No lugar dele poderia estar a vírgula. Ou o ponto. Por isso, muitos nem se preocupam em lhe dar oportunidade. No aperto, partem pro velho conhecido. E se dão bem como o Verissimo e tantos outros.

Mas, se derem um passo pra frente, se darão muito melhor. Entrarão no time da Maria Eugênia. Que tal? A escolha é sua. Lembre-se antes de bater o martelo: a zona de conforto é boa, mas imobiliza. E água parada, você sabe, cheira mal.

Segundo
Montaigne, há 400 anos, ensinou que o estilo tem três virtudes – clareza, clareza e clareza. A razão é simples. Mário Quintana a expôs num texto divertido. Disse ele: “O autor pensa uma coisa, escreve outra, o leitor entende outra, e a coisa propriamente dita desconfia que não foi dita”.

Clareza
O ponto e vírgula é fã da clareza. Daí a importância de saber empregá-lo e, com isso, facilitar a vida do leitor que se deixará conquistar pelo enunciado fácil e sem ambiguidade. Quer ver? Examine esta frase:

João trabalha no Senado, Pedro trabalha na Câmara, Carlos trabalha no banco, Beatriz trabalha na universidade, Alberto trabalha no shopping.

O período está correto e compreensível. As vírgulas separam as orações coordenadas. Mas há um senão. A repetição do verbo torna-o cansativo e denuncia o autor preguiçoso.

O que fazer? Há uma saída. Pôr em prática uma das regras de ouro do estilo – variar para agradar. A gente mantém o verbo na primeira oração. E mete a faca nos demais. No lugar deles, põe a vírgula:

João trabalha no Senado, Pedro, na Câmara, Carlos, no banco, Beatriz, na universidade, Alberto no shopping.

Ops! Na primeira leitura, o enunciado parece o samba do texto doido. Quem bate o olho no período não entende nada. O jeito é recorrer ao ponto e vírgula. Ele tem lugar – separa as orações coordenadas:

João trabalha no Senado; Pedro, na Câmara; Carlos, no banco; Beatriz, na universidade; Alberto no shopping.

Mais
Chique, não? Veja mais dois exemplos:

Eu estudo na USP; Maria, na UnB.

Alencar escreveu romances; Drummond, poesias.

Carlos e Paulo são jornalistas. Este trabalha no Correio; aquele, no Estado de Minas.

Moral da história
Se o casalzinho ponto e vírgula existe, tem razão para estar no mundo e no texto sofisticado. Ele desempenha dois papéis na frase melhor que vírgula, ponto e travessão. Um deles, estende tapete vermelho e recebe a clareza com banda de música e salva de palmas.

"Não se deve confiar em quem emprega a mesóclise com correção"

Tancredo Neves


Leitor pergunta
Os dias da semana se grafam com inicial maiúscula ou minúscula?
.Rafael Santos, Floripa

Com minúscula: segunda-feira, quarta-feira, sábado, domingo.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade