Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Temporada do Nobel é também época de tropeço na língua

Muita gente erra na pronúncia da palavra oxítona, cuja sílaba tônica é a última, como papel


07/10/2020 04:00 - atualizado 06/10/2020 22:27

Pesquisa com buracos negros deu o Nobel de física aos cientistas Roger Penrose (Reino Unido), Reinhard Genzel (Alemanha) e Andrea Ghez (EUA) (foto: European Southern Observatory/AFP)
Pesquisa com buracos negros deu o Nobel de física aos cientistas Roger Penrose (Reino Unido), Reinhard Genzel (Alemanha) e Andrea Ghez (EUA) (foto: European Southern Observatory/AFP)

Respeito, senhores
A história se repete todos os anos. Pra lá de bem-vinda, a temporada da premiação mais respeitada do mundo começou esta semana. Três cientistas receberam o Nobel de Medicina: Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice.

Viva! O fato, claro, vira notícia. Rádios e tevês o anunciam com o respeito que merece. Mas desrespeitam a língua. Esquecem que Nobel se pronuncia como papel e Mabel. Oxítona, a sílaba tônica é a última.

Por falar em pronúncia
Outras vítimas da pronúncia que figuram na boca de gregos, romanos e troianos são subsídio e gratuito. Vale lembrar: o s de subsídio se pronuncia como o s de subsolo. O ditongo ui de gratuito se diz do mesmo jeitinho que o ui de circuito.

Criaturas comuns
Harvey, Michael e Charles vão dividir a bolada de 10 milhões de coroas suecas. O valor corresponde a R$ 6,3 milhões. Eles descobriram o vírus da hepatite C, que inflama o fígado e pode causar câncer. Ao falar no assunto, vale trazer à tona pormenor linguístico. Nome de doença é vira-lata. Escreve-se com a inicial pequenina: gripe, covid-19, leucemia, labirintite, enxaqueca.

Mesmo time
Moeda joga no mesmo time de doença. Grafa-se com inicial pequenina: real, dólar, euro, lira, peso.

A frase e a máquina
“A prosa vigorosa é concisa. A frase não deve ter palavras desnecessárias pela mesma razão que o desenho não deve ter linhas desnecessárias nem a máquina partes desnecessárias. Isso não quer dizer que o autor faça breves todas as suas frases, nem que evite todos os detalhes, nem que trate seus temas só na superfície: apenas que cada palavra conta.” (William Strunk Jr.)
 
Dramalhão 
Valha-nos, Deus! A volta às aulas deixou de ser novela. Virou dramalhão mexicano. O governo autoriza o retorno. A Justiça desautoriza. O governo recorre. A Justiça libera. Professores recorrem. A Justiça acata a reivindicação. Ufa! Uma palavra traduz as idas e vindas. É vaivém. Ou vai e vem.
 
Por via das dúvidas 
Bolsonaro fez cirurgia na semana passada. Tirou cálculos da bexiga. Na segunda, voltou ao hospital pra avaliação. Fez ultrassom. Trouxe às manchetes o prefixo ultra-. Ele pede hífen quando seguido de h ou a. No mais, é tudo colado (ultra-higienizador, ultra-armado, ultravioleta). Quando seguido de palavra começada por s ou r, dobra a letra pra manter a pronúncia: ultrassom, ultrarrápido.
 
Guerra de egos
E o povo do andar de cima, hem? É uma brigalhada sem fim. Marinho bate em Guedes, que bate em Rodrigo Maia, que atira pra todos os lados. Ufa! Nem parece que vivem em país mergulhado na pandemia que exibe realidade preocupante, cuja face mais cruel são 13 milhões de desempregados.

Os confrontos trouxeram uma palavra ao cartaz. É ególatra. Ela vem de longe. De ego nasceu eu. E deu origem a conhecida prole. Egoísta é um de seus membros. Egocêntrico, outro. Ególatra, mais um. Todos têm os dois olhos postos no próprio umbigo.
Adorar a si mesmo é tão velho quanto o céu e a Terra. A mitologia grega tem até um deus pra representar a egolatria. É Narciso. O mancebo era o belo entre os belos. As ninfas não resistiam aos seus encantos. Batiam o olho nele e caíam de amor. O moço não estava nem aí...
 

"O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade; o otimista vê oportunidade em cada dificuldade"

Winston Churchill



Leitor pergunta 
Com crase ou sem crase: à zero hora ou a zero hora?
. Gláucia Sena, BH
 
A locução adverbial formada de palavra feminina pede o acento grave: à zero hora, às claras, às escuras, às apalpadelas, à meia-noite.
Quer um macete? Substitua hora por meio-dia. Se na troca der ao, não duvide. Ponha o grampinho: O avião decola à 0h (ao meio-dia). A aula começa às 14h (ao meio-dia). Estou no aeroporto desde as 4h (desde o meio-dia).

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade