Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

O feminismo também é uma questão de raça e classe social

Mantendo a sua estrutura e se apropriando do movimento feminista, o capitalismo fez mulheres se aliarem ao patriarcado e ao sexismo


(foto: Pixabay )
(foto: Pixabay )
O capitalismo tudo absorve e de tudo se apropria. Apesar de ter surgido como um movimento que pedia a reestruturação geral da sociedade com base na igualdade entre os gêneros, com o feminismo não foi diferente.

Em vez de cunhar a construção de uma sociedade fundamentalmente antissexista, o empoderamento feminino passou a ser representado pela ideia de que as mulheres queriam ser como os homens. Faz parte da luta feminista a busca por direitos iguais entre homens e mulheres. No entanto, a minha visão é que nós nos perdemos nesse ponto.

Não é meu objetivo entrar em uma discussão acadêmica, mas vale a pena retomarmos aqui de maneira simples e direta como se deu a primeira onda do feminismo no Brasil. A partir de 1920, as mulheres brasileiras se mobilizaram exigindo o direito de votar e trabalhar sem precisar da autorização dos maridos.

Esse movimento, que se estendeu até a década de 70, se tornou uma articulação pela emancipação feminina que calhou muito bem ao capitalismo. As consequências das duas guerras mundiais e a revolução industrial tardia brasileira criaram condições para que as fábricas necessitassem da mão de obra feminina. 

Dessa forma, a noção de igualdade de gênero no mercado de trabalho passou a ser aceita. O que, infelizmente, não levou ao empoderamento de todas as mulheres. Assim que as mulheres entraram no mercado, acumularam uma jornada tripla de trabalho. Com os cuidados com a casa e com os filhos ainda sob a responsabilidade feminina, a divisão social do trabalho foi mantida e as mulheres apenas acumularam mais uma função. 

Em vez de convocar os homens para dividir as tarefas domésticas e se responsabilizarem pela criação dos próprios filhos, nós designamos essa tarefa para as mulheres negras e periféricas. E foi aí que o movimento feminista se perdeu. A ilusão da mobilidade de classe e uma suposta libertação da dominação masculina por meio do capital (ou seja, do trabalho assalariado), fez com que mulheres brancas explorassem mulheres negras. 

As consequências desse “acomodamento social” que poupou os homens e condenou as mulheres negras a uma situação de subordinação são sentidas até hoje.

Mesmo depois de 100 anos, um levantamento publicado pelo IBGE em 2018 mostra que a divisão social do trabalho ainda não foi superada. Segundo o estudo, as mulheres dedicam 21,3 horas semanais (em média) a afazeres domésticos ou cuidados com familiares. Enquanto os homens dedicam apenas 10,9 horas por semana nesse tipo de tarefa.

Até hoje muitos homens não se responsabilizam pela criação dos filhos. Além do abandono emocional, que nem sempre pode ser medido, segundo levantamento da Central Nacional de Informações do Registro Civil, mais de 5,5 milhões de adultos brasileiros nunca tiveram o reconhecimento do pai na sua certidão de nascimento.

Ao olharmos para o número de lares chefiados por mulheres que vivem sozinhas com seus filhos, constatamos que esse é o desafio de 12 milhões de mães, segundo o IBGE. Quando fazemos o recorte de raça e cruzamos com dados de classe social, a verdadeira consequência aparece: 63% das casas chefiadas por mulheres negras estão abaixo da linha da pobreza no Brasil.

São aproximadamente 7,8 milhões de pessoas vivendo em casas chefiadas por mulheres negras que, em sua maioria, tem renda composta pela terceirização das tarefas domésticas e da criação dos filhos das mulheres brancas.

Mantendo a sua estrutura e se apropriando do movimento feminista, o capitalismo fez mulheres se aliarem ao patriarcado e ao sexismo. Enquanto olharmos para o “Feminismo como noção de poder”, como diz bell hooks (2018), vamos continuar repetindo a lógica capitalista da exploração e opressão de outras pessoas.

O feminismo não é só uma questão de gênero. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade