Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Rasgando o verbo

A Nasa se curvou diante da cartilha politicamente correta

A agência espacial americana vai revisar os possíveis nomes preconceituosos dos planetas, estrelas e galáxias. Uma boçalidade


24/08/2020 04:00

Recentemente, a Nasa anunciou que revisará os possíveis nomes preconceituosos dos planetas, das estrelas e das galáxias. Mas como assim, leitor? A agência espacial americana não usará, por exemplo, o nome “Nebulosa Esquimó” para fazer referência à nebulosa NGC 2392. A causa? O termo esquimó, que, inicialmente, significava “comedor de carne crua”, ainda seria uma afronta aos povos indígenas árticos. Não que eu me importe com as nomenclaturas relativas ao espaço. Nada disso. Preocupo-me, verdadeiramente, com a histeria coletiva, cujas consequências resvalam no irresponsável cancelamento vocabular, como se as palavras não tivessem importância.
 
Bem, vamos lá. O raciocínio é simples. Quando usamos a palavra “esquimó”, não pensamos na origem dela, na ideia do “comedor de carne crua”. Para nós, esquimó diz respeito ao povo mongólico que habita as regiões setentrionais da Groenlândia, do Canadá e do Alasca. Logo, se o preconceito em questão não reside no vocábulo mais, por que modificar o que já está consolidado? A mesma coisa ocorre com a palavra “judiar”. Faz anos que tentam retirar a coitada dos dicionários. Ora, quanta bobagem. Por mais que judiar, no passado, tenha feito referência pejorativa à situação dos judeus, ninguém – absolutamente ninguém – utiliza, hoje, o vocábulo em questão para denegrir o povo judeu.

A Nasa também afirmou que especialistas em diversidade, inclusão e igualdade prestarão consultoria nessa brilhante iniciativa. Já posso imaginar o estrago... Será que vão expandir as modificações para o Buraco Negro também? Como ficará? Buraco preto? Buraco escuro? Qual eufemismo será utilizado, mais uma vez, para evitar algo que nada tem a ver com palavras, mas com atitudes?

A verdade, leitor, é que até a Nasa se curvou diante da cartilha politicamente correta. Uma boçalidade... Ops! Meu Deus! Não posso usar a palavra “boçal” porque esta já foi utilizada para designar alguns negros recém-chegados da África. Entretanto, “boçal”, antes disso, significava outra coisa: do latim bucca, ou seja, boca, designou, inicialmente, “aquele que ainda tem buço”, isto é, aquele que é inexperiente. Devo desconsiderar isso? Devo julgar uma palavra pela origem, pelo uso pejorativo caído ou pelo emprego atual? Mas a patrulha do novo modo de falar nem chega a pensar nisso. O importante mesmo é parecer bonzinho. Como os membros da Santa Inquisição, que de santa também nada tinha, vituperam vocábulos e bradam aos quatro ventos: somos todos corretos. Sei... Nem aqui, nem em outro planeta.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade