Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Antes que o mundo acabe

"Meu sentimento era de que a estupidez humana estaria próxima de destruir o planeta com o simples apertar de um botão"


09/04/2022 06:00

Beija flor
(foto: Pexels )

O beija flor beija,
O sol lambe o horizonte
As pessoas pegam os filhos na escola
Alguém olha a tarde cair pela janela.

Alguém toma uma cerveja na esquina que não mais existirá,
Mas, um minuto antes estará lá,
Na mesma esquina onde brotava poesia.

O mundo aquecerá e esfriará,
Enquanto botos e tubarões se esconderão entre rochas nas profundezas do mar.

Não haverão olhos para o nascente, nem para poente,
O sol, solitário, procurará quem o admire nas tardes sem nada a ser visto.

O mundo inóspito,
Não terá esquinas nem músicas
Apenas o silêncio.

Antes que o silêncio nos abrace,
Quero o som do surdo treme terra,
O grito da cuica,
A sutileza do violino e o agudo do Bituca.

Antes que tudo acabe peço perdão
pelos dias não vividos e o humor árido que não sabia que o dia terminaria.

Antes que o mundo termine,
Quero lhe abraçar e dizer,
Poderia não terminar.
Mas, já que terminará,
Que seja com o seu olhar.

Há alguns dias escrevi essa poesia.

Meu sentimento era de que a estupidez humana estaria próxima de destruir o planeta com o simples apertar de um botão.

Errei!

A estupidez é ainda mais cruel.

A morte deverá ser lenta e com agonia sufocante.

O planeta sangrará e sufocará inclusive seus algozes.

Não há mais tempo hábil para frear a locomotiva desgovernada.

A imbecilidade humana fará o que nenhum vírus conseguiu fazer.

Vendo os corpos espalhadas pelas ruas de Bucha alguém tem dúvida de que estamos à mercê de loucos?! Nossa loucura.

Não precisa ir tão longe, basta olhar à nossa volta.

Olhe para a sua dispensa. Para o seu lixo, para suas roupas e sua gaveta de remédios.

São os nossos corpos espalhados pelo mundo.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade