Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas CARLOS STARLING

A volta do chicote e a poeira que nos cega os olhos

Impossível não lembrar de cenas de filme de terror. A múmia do Saara veio morar no Brasil


09/10/2021 06:56

Cidade de Franca é coberta por nuvem de poeira
Nuvem de poeira cobriu Franca (SP) (foto: Redes sociais)


Uma das cenas que não me saem da memória é a dos tufos de poeira que saíam da traseira dos carros nas estradas de terra entre Ibiá e Araxá.

Estradas de terra poeirentas e esburacadas.

A poeira vinha pela frente, por trás e penetrava nas frestas mal vedadas das portas. Os carros chegavam completamente empoeirados, e nós também.

Escrever e desenhar na poeira encrustada na lataria e vidros dos carros era uma diversão certa. Valia tudo, até desenhos e frases obscenas.

Outra diversão era lavar o carro e deixá-lo brilhando.

Melhor ainda era o bombom Sonho de Valsa pelo trabalho de lava-jato.

Assim, a poeira era fascínio infantil, diversão e um saboroso lucro. Tudo resolvido com água, sabão e imaginação.

Esta semana uma nuvem gigante de poeira cobriu cidades em diferentes regiões do Brasil.

Impossível não lembrar de cenas de filme de terror. A múmia do Saara veio morar no Brasil.

O planeta febril derrete geleiras, inunda cidades e faz um mundo cada vez mais seco. A poeira de hoje expõe a cegueira de nossa consciência ecológica.

O que vem pela frente é doença, miséria e guerras por recursos hídricos, básico para nossa sobrevivência.

Aço, frango, boi e nossos chuveiros secam nossas vidas e tornam o futuro um deserto sombrio.

Afundamos na lama de nossa própria irresponsabilidade ambiental. Somos uma tragédia esterilizante e autodestrutiva. Suicídio coletivo por inconsciência.

A poeira de hoje, nada tem haver com aquela da minha infância.

A cegueira do pó que invade nossas entranhas é a pá de cal no futuro coletivo.
 Sepulcro cavado pelas nossas próprias mãos.

Mais uma vez, nós, vítimas de nós mesmos.

Açoitamos a natureza com a volúpia de colonizadores extrativistas. A volta do chicote em nossas costas é inevitável. Gerações futuras, se houver futuro, saberão quem foram os lambões que destruíram a própria moradia.

A poeira que cega olhos e consciências deixa um rastro histórico marcado pela ganância e irresponsabilidade de toda uma geração.

O ar falta aos pulmões. A poeira obscurece o destino e os sonhos.

A feminina natureza sangra, assim como as meninas na menarca, cujo absorvente lhes foi sonegado pela insensibilidade de um troglodita travestido de Messias.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade