Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas BEBEL SOARES

Homens, tomem partido!

'O patriarcado continua nos limitando, nos oprimindo, nos objetificando. Precisamos combater o machismo estrutural'


13/03/2022 04:00 - atualizado 13/03/2022 08:24

Ilustração
(foto: Depositphotos)

 
Em pleno século 21, ainda vemos muitos homens que, ocupando posições de poder, ainda tratam mulheres como objetos de consumo, até no meio de uma guerra.
"As ucranianas são fáceis porque são pobres." 
 
No meio de uma guerra, vendo as mulheres fugindo, ele pensa em turismo sexual e compartilha com os amigos, sem o menor pudor. Destila machismo e misoginia. Será que foi a primeira vez que ele fez comentários assim sobre mulheres? Objetificando-as como se fossem um produto a ser consumido.
Alguém diz que a fala foi asquerosa e não merece comentários. Acontece que, anos antes ele havia dito a uma mulher: "Só não te estupro porque você é feia". Ele também já defendeu turismo sexual no Brasil, e salários menores para mulheres.
 
 
A mensagem é a mesma: mulher bonita merece ser estuprada. As feias são estupradas, mesmo sem merecer. A expressão do machismo estrutural.
 
O caso recente, os áudios sexistas de Arthur do Val tiveram uma repercussão maior. Ele falava de mulheres ucranianas, loiras de olhos azuis, fugindo da guerra. Aqui no Brasil, quando se fala algo do gênero sobre brasileiras, passam um paninho e fica tudo bem. Afinal aqui no Brasil não tem só deusas loiras de olhos azuis (contém ironia). Arthur falou sobre turismo sexual para pegar loira. Ele pensa assim, e muitos homens pensam assim. Agem como o Arthur e acham natural.
 
Homens, a gente precisa que vocês tomem partido! Dia das mulheres passou, ainda tem muita gente que acha que é uma data para dar parabéns para mulheres. Não é! Dia das mulheres não é uma data festiva. Não é uma data para ganhar uma flor, embora ganhar uma flor que foi cortada do pé para murchar e morrer diante dos nossos olhos tem algum significado.
 
Como essa flor que tenta desabrochar e morre, é assim que a gente se sente quando lê a notícia de mais um feminicídio, mais uma mulher estuprada, mais uma mãe desempregada, mais um pai ausente, mais uma mulher tentando se livrar de um relacionamento abusivo. Quando nos lembramos de uma criança de 10 anos sendo chamada de assassina por fazer um aborto legal depois de anos sendo violentada pelo próprio tio.
 
Não podemos permitir que homens se sintam confortáveis ofendendo a dignidade feminina. Não normalizem condutas machistas, mesmo se estiverem só entre homens. O machismo impacta muito nas nossas vidas. Não basta não rir, ou não comentar, ficar calado frente a essas falas te torna conivente com elas. Nós precisamos de homens decentes do nosso lado!
 
O patriarcado continua nos limitando, nos oprimindo, nos objetificando. Precisamos combater o machismo estrutural. Combater o racismo estrutural, afinal, comoção só acontece quando mulheres loiras de olhos azuis são tratadas como objetos, quando a mulher é preta a sociedade acha normal.
 
Nós somos muito capazes, somos fortes, mas é muito difícil tirar forças todos os dias para suportar homens que pensam como “Mamãe Falei”. Para encarar a notícia de que uma mulher foi parar na delegacia por fazer topless na praia, porque homem também tem mamilos, mas apenas os mamilos femininos são sexualizados. Mulher não pode nem amamentar em público, mas pode ficar nua num desfile de carnaval. É muito difícil ter que pensar na roupa para sair de casa, porque, mesmo num calor escaldante, se a gente coloca um short, já consideram um convite, mas é só calor.
“A diferença entre guerra e paz para as mulheres, é que na guerra, elas são estupradas por desconhecidos.” - Mia Couto

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade