Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

A CPI vai continuar a monopolizar o país com nova convocação do ex-ministro

O presidente da CPI Omar Aziz ressaltou: 'Talvez um pai não mentisse tanto pelo filho como o general Pazuello mentiu pelo Bolsonaro...'


23/05/2021 04:00 - atualizado 23/05/2021 08:46

No requerimento para novo depoimento, alegação é de que o general Eduardo Pazuello mentiu no depoimento na comissão do Senado(foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
No requerimento para novo depoimento, alegação é de que o general Eduardo Pazuello mentiu no depoimento na comissão do Senado (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Requerimento que pede novo depoimento do ex-ministro da Saúde general Eduardo Pazuello foi apresentado, ontem, pelo presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID, senador Omar Aziz (PSD-AM).

No documento, o parlamentar amazonense alega que o general Pazuello mentiu aos senadores. Só não recebeu voz de prisão porque estava amparado por habeas corpus, que a ele foi dado pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O fato é que o ministro do STF limitou o habeas corpus diante de questionamentos que pudessem incriminar o próprio ex-ministro Pazuello. Só que Omar Aziz alega que ele mentiu para defender o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.
O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco informou ao presidente Aziz que está infectado pela COVID-19. Diante disso, o seu depoimento, que seria na quinta-feira, deve ser adiado.

Ele alega que ainda não se recuperou do coronavírus. Sintomaticamente, né? Melhor então voltar ao que interessa mais. Quem, então, deve comparecer à CPI será o presidente do Instituto Butantan,  Dimas Covas. Antes dele, na terça-feira, quem deve depor é a dra. Mayra Pinheiro. É aquela que defende com unhas e dentes o uso da cloroquina.

O presidente da CPI fez questão de ressaltar que “o Eduardo Pazuello foi lá e defendeu Bolsonaro como se estivesse defendendo o filho dele”. Já era evidente, mas o senador Omar Aziz ressaltou ainda: “Talvez um pai não mentisse tanto pelo filho como o Pazuello mentiu pelo Bolsonaro”.

Já o relator da CPI, o também senador Renan Calheiros (MDB-AL), já deve estar gastando tinta de caneta. A dúvida que ele tem é se o relatório que vai redigir sobre os primeiros 30 dias dos trabalhos será um resumo ou antecipar algumas de suas conclusões.

A estratégia de antecipar algumas conclusões da CPI desagrada ao senador petista Humberto Costa (PE). E faz sentido. Melhor ele próprio argumentar: “Fazer uma coisa antes de terminar vai abrir uma polêmica terrível. Antes é necessário ter todos os dados, 
tudo efetivamente”.

Bastaria, mas o senador pernambucano ressalta: “No meio do relatório, se tiver qualquer imprecisão, o relatório vai ser objeto de verdadeiro espancamento”. Faz sentido o argumento. O que abre, então,  a chance de encerrar por hoje.

Afinal, uma comissão parlamentar de inquérito como essa ainda vai trazer muitas agruras políticas para relatar. Uma boa semana a todos. Se der, não é mesmo?

SUS na agenda

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), foi vacinado, ontem contra a COVID-19, em Belo Horizonte. Diabético, ele faz parte do grupo de pessoas maiores de 18 anos com comorbidades que começaram a ser imunizadas este mês. E fez questão de agendar pelo SUS a vacinação. Agora, vai esperar o intervalo para receber a segunda dose. Mas não perdeu a caminhada para defender a vacina. Ensinou os protocolos médicos, como uso das máscaras faciais, higienização frequente das mãos e o distanciamento social.

Nada saudável

“Não compactuo com casuísmos, sobretudo quando esses representam volumoso impacto orçamentário à União sem contrapartida de benefício à sociedade. Tampouco posso emudecer ante a desfaçatez de um governo que, com uma mão, propõe a supressão de direitos dos servidores públicos com a escusa de acabar com privilégios e enxugar despesas desnecessárias, e, com a outra, recria supersalários para o alto escalão, em favor direto de alguns servidores em particular.” Quem diz é o deputado federal Dr. Mário Heringer (PDT–MG). E olha que ele é médico.

De volta à guerrilha

“A valentia do Bolsonaro só vai até a garganta. Isso é a perfeita definição do Bolsonaro. O presidente Jair Bolsonaro é um homem inseguro, covarde, e que só se equilibra na agressão para esconder a covardia que ele mesmo sabe que ele tem. É uma coisa complexa. Depois que saiu a pesquisa do Datafolha, depois que começou a CPI, o Bolsonaro não passa um dia sem xingamentos e calúnias, por exemplo, contra o Lula.” Quem diz é o ex-ministro da Secretaria de Comunicação no segundo mandato Lula, jornalista Franklin Martins, aquele guerrilheiro do MR–8.

Alerta da fome

Só que aqui no Brasil mesmo. Entidades da sociedade civil voltadas para a segurança alimentar alertaram para o crescimento da pobreza e da fome no período de pandemia da COVID-19. Ontem, os integrantes da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados fizeram um alerta sobre os números do fim do ano passado. Eles mostraram que nada menos que 19 milhões de brasileiros estão em situação grave diante do acesso à alimentação. Quem sugeriu o debate foi o deputado mineiro Padre João. Ele culpou os reajustes das matérias-primas e a alta do dólar.

Para encerrar

É urgente e necessário, muito necessário mesmo, para que fique bem claro. O fato é que, em vários estados, muitos brasileiros não estão, como deveriam, respeitando as medidas de distanciamento social e, em especial, o uso da máscara. Se pode piorar, está havendo uma preocupante queda no ritmo da vacinação. Não é à toa o alerta que vem da Organização Mundial da Saúde (OMS), que dispensa mais avisos, sempre devidamente confiáveis. Se o comportamento não mudar, só vai restar o risco de voltar ao “Fique em casa” de novo.

pingafogo


.Em pleno sábado, o Ministério da Saúde informou, ontem, que a infectologista Luana Araújo não exercerá mais a função de secretária extraordinária de enfrentamento à COVID-19. Ela havia sido anunciada pelo ministro Marcelo Queiroga há exatos dez dias.

.O motivo da desistência da médica Luana Araújo não foi revelado. A nota oficial da pasta da Saúde informou apenas que busca outro nome com perfil técnico e baseado em evidências científicas. O ministério “desejou sucesso na sua trajetória”.

.Em tempo, e ele vem do Padre João: ficaram claros a redução dos estoques dos alimentos básicos e o aumento nos preços. O representante da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), João Dornellas, culpou os reajustes das matérias-primas e a alta do dólar pelos aumentos.

.Antes de encerrar, o governador de São Paulo, João Doria, e o ex-governador Geraldo Alckmin participaram, ontem, da missa de sétimo dia de Bruno Covas (PSDB), que morreu em 16 de maio, vítima de um câncer, doença que enfrentava desde outubro de 2019.

.Sendo assim, vale apenas o registro futebolístico, já que o Clube Atlético Mineiro (CAM) foi campeão. Se futebol e política não se discutem… FIM!















*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade