Publicidade

Estado de Minas

O Dia da Pátria e a folga em seguida


postado em 08/09/2019 04:00 / atualizado em 07/09/2019 21:11

''Se a data relembra o grito de independência de dom Pedro I, é claro que tem também o Grito dos Excluídos. E neste, sim, o vermelho esteve presente''




Jair Bolsonaro acompanhou o desfile com a mulher, Michelle, e o vice-presidente Hamilton Mourão (foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL)
Jair Bolsonaro acompanhou o desfile com a mulher, Michelle, e o vice-presidente Hamilton Mourão (foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL)


Sílvio Santos vem aí? Não, o dono do SBT  foi prestigiar o 7 de Setembro em Brasília. O bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), também esteve lá. O vice-presidente, general Hamilton Mourão, obviamente, esteve. Afinal, assume o comando da nação. Será rapidinho, a previsão é de alta em três dias e pode ter uma esticadinha em casa. E claro, a primeira-dama Michele para embelezar o palanque.

Discurso oficial, que é praxe no Dia da Pátria, não teve. A conversa com os convidados ilustres ocorreu, de fato, na sexta-feira, com direito a jantar no Palácio da Alvorada. A transmissão oficial ao vivo e em cores foi apenas na TV Brasil.

As demais emissoras continuaram com os seus programas, não interromperam as transmissões. Não mostraram nem mesmo a caminhada do presidente Bolsonaro em direção ao palanque oficial. Aquela em que ele acenou para o público. E ficou nisso.

Os ministros presentes, como o ex-juiz da Lava-Jato Sérgio Moro, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e ainda o chefe da Casa Civil da Presidência da República, Onix Lorenzoni, acompanharam Bolsonaro na caminhada. E o presidente deu sinais de prestigiar Moro, que tem sido fritado. Pelo jeito, a frigideira deve esfriar.

O detalhe é que ninguém usou o vermelho, nem nas gravatas e nem nos vestidos. A cor só apareceu no desfile dos Dragões da Independência, o Primeiro Regimento da Cavalaria de Guardas e o vermelho que traja é oficial.

Se a data relembra o grito de independência de dom Pedro I, é claro que tem também o Grito dos Excluídos. E neste, sim, o vermelho esteve presente. Teve ainda, junto com a cor vermelha, o preto do luto, dos manifestantes ligados às universidades federais em defesa da escola pública, gratuita e de qualidade.

Voltando ao início, contrariando o prazo inicial para a permanência do vice-presidente Hamilton Mourão no exercício da Presidência da República, foi esticado um pouco. Seria só de três dias, mas ele ficará no cargo até quinta-feira, somando cinco dias.

E claro que os ministros bolsonaristas de carteirinha ficarão de olho, já que da outra vez esteve soltinho, soltinho. Temem que ele possa, mas não assumem o temor, repetir a primeira vez em que esteve no comando do país. É improvável desta vez, mas que será devidamente vigiado, pode escrever, será de fato.

Sendo assim, em pleno domingo, o melhor a fazer é relaxar e aguardar os próximos capítulos políticos e os boletins médicos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Uma boa semana a todos.

Linhas no horizonte

Era esse o lema da tradição feminina do bordado, passada de mães para filhas em várias gerações, que se reúnem para, ponto a ponto, costurar grandes faixas e cartazes sobre os grandes temas que mobilizavam o Brasil. Chegaram até Dilma Rousseff (PT), que ganhou uma colcha, e ao presidente Lula, embora o presente fosse para dona Marisa, mas não deu tempo. E foi o impeachment de Dilma que fez o grupo nascer. O que interessa é que o vereador Reimont do Rio de Janeiro – só o nome – se inspirou nas bordadeiras mineiras para criar as “Linhas do Rio”. Ele aprendeu a bordar e por isso quer ajudar pessoas a exercer o ofício. O tema a ser (a)bordado será sobre educação.

(foto: JEFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO )
(foto: JEFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO )

Quer voltar?

Setembro vai ferver, prevê o ex-senador Lindbergh Farias (foto), mostrando que não está distante assim da política, embora sumido há algum tempo. “Não tenho dúvida de que uma reação forte virá dos estudantes. Esse é um setor mais dinâmico, que vai se posicionar, porque as universidades vão fechar.” Não sei como vai se virar economicamente para as manifestações. Para lembrar, os gastos dele no Senado somaram menos de R$ 19 mil, certamente um recorde. Mas continua no ataque: “Acredito que a educação será o estopim dos protestos, que devem vir no mesmo nível de 2013”.

Aposta nova

O secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, aposta em uma alíquota que alcance toda a população: a CPMF. Isso mesmo, a antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira. Já foi registrado aqui, mas ele insiste, não desiste, muito antes pelo contrário. Só que no meio do caminho tem outra proposta de reforma tributária. O autor é o deputado Baleia Rossi (MDB-SP) e está em estágio avançado na Câmara dos Deputados. Ela tem aceitação maior entre os congressistas, mas não entre os contribuintes. A do MDB é aquela que, além da União, atinge estados e prefeituras.

Alvo mineiro

Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Reunião Deliberativa Ordinária – 11/9/2019. Instauração do Processo nº 06/19, referente à Representação número 07/2019, do Partido Solidariedade em desfavor do deputado André Janones (Avante–MG) e sorteio da lista tríplice para escolha do relator. Para lembrar, é por causa daquela frase pronunciada em plenário em que Janones diz: “Esse bando de vagabundo e safado. Agora, eu, infelizmente, faço parte disso aqui, desse tanto de lixo humano”. Será quarta-feira agora, ainda em local a ser definido. Ah! E como sempre, a Câmara dos Deputados registra que a pauta está sujeita a alterações.

Por fim…

“Estamos em 2019 e dirigentes políticos têm como alvo o físico de uma mulher também ativa politicamente. Vocês acreditam que isso existe ainda? Ah, sim.” Bastam apenas três frases e um cartaz. Vieram de Tiphaine Auzière, filha de Brigitte Macron, a primeira-dama francesa, que foi atacada, depois do próprio presidente Bolsonaro, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

pingafogo

Dia7DePretoNaRua. O @uneoficial como título na divulgação Ato rolando em São Paulo! Os caras-pintadas estão de volta para mostrar que somos maiores que Bolsonaro e que não vamos entregar nosso país para ser destruído pelo governo! Deixa rolar para lá…

(foto: NELSON ALMEIDA/AFP)
(foto: NELSON ALMEIDA/AFP)

E o site assumidamente petista não desiste, ao contrário, insiste. O alvo nos últimos tempos e haja tempo é o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que, quando ainda era juiz, condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (foto) (PT).

Ainda longe das campeãs Boeing e Airbus, a Embraer é a única brasileira entre as cem maiores empresas do setor aeroespacial do mundo em 2018. A empresa aparece em 28º lugar. Há notícias que ressaltam assim.

Melhor então fazer uma tradução simultânea. É que nem deram um tempo para ver o desempenho que terá agora com o avião multimissão KC-390, lançado poucos dias atrás, para colocá-la, pelo menos, com 
esta ressalva.

Ah! Fizeram sim, o levantamento foi feito com base em dados de 2018, do ano passado, para deixar bem claro. Sendo assim, melhor ficar por aqui. Hoje é domingo, o dia tão lindo, melhor esperar o KC-390 levantar mais voos.



Publicidade