Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Para que casar?

Aceitar as diferenças enriquece o encontro, desenvolvendo nossa paciência, nossa humildade e nossa capacidade de amar'


postado em 08/03/2020 04:00





“Sou obrigada a me casar? Será possível ser feliz a dois? Superar as diferenças do outro?”

Ana Paula, de Belo Horizonte


Quantas pessoas têm filhos sem se casar e quantos casais não têm filhos. Quantas pessoas levam vida própria fora da família, sem estar casadas. Ninguém e nenhuma instituição fornecem segurança. Pelo contrário, o casamento costuma aumentar a insegurança das pessoas. O sexo, principalmente hoje, não exige um casamento para ser praticado.

Afinal de contas, para que casar? Vamos por partes. O grande objetivo de qualquer um de nós, de maneira consciente ou não, é ser feliz. Esse impulso para o bem-estar é natural e é a grande vocação de tudo que existe ou que é inventado. Somos impelidos de todas as maneiras para a felicidade, muito embora façamos inúmeros esforços para sofrer, pois nos ensinaram isso desde a infância. Para ser felizes, porém, temos de ter nossas necessidades satisfeitas, principalmente as necessidades naturais. O casamento é uma instituição, dadas as suas características, capaz de contribuir, em muito, para esse caminho.

O grande objetivo do casamento é administrar a alegria do casal, pois nos fornece elementos fundamentais para isso: companheirismo, afeto e sexualidade, construção de objetivos comuns, incluindo filhos, validação social, amizade, perspectiva de futuro, proteção etc. Definir o casamento dessa forma, como instituição da alegria, vai nos ajudar a corrigir inúmeras distorções na forma de operacionalizá-lo. Quando essa visão não é clara, o casamento acaba sendo fonte de dor e sofrimento.

Estabelecido como instituição apoiadora da felicidade do casal, o casamento não pode, por exemplo, aprisionar a individualidade, não pode ser visto como palco de renúncias. Ao contrário, é um espaço de crescimento dos seus componentes. Casar é aprender o prazer de um relacionamento baseado na liberdade, na brincadeira, no prazer e na alegria.

Casamento é uma equipe cooperativa para o fim último de cada um de nós. Quanto mais sadia for a relação, mais casados estaremos. Aceitar as diferenças enriquece o encontro, desenvolvendo nossa paciência, nossa humildade e nossa capacidade de amar. Para que casar? Para colocar a nosso serviço uma instituição cujo objetivo é administrar a alegria do casal.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade