Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Estresse ataca a pele e causa envelhecimento, mas há tratamentos


19/09/2020 04:00

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco avaliou 16,4 mil pessoas e observou que 73% das pessoas que participaram da pesquisa relataram algum nível de estresse devido ao isolamento social e à pandemia. Além dos impactos psicológicos e para a saúde, o estresse é responsável também por um envelhecimento acelerado da população.

O estresse, quando se torna crônico, além de aumentar o risco de problemas cardiovasculares, como hipertensão e infarto, e afetar o sistema imunológico, também traz efeitos negativos na pele. De acordo com um estudo publicado na revista científica Inflamm Allergy – Drugs Targets, a liberação crônica de cortisol, o hormônio do estresse, causa atrofia cutânea, diminuição do número de fibroblastos, colágeno e elastina e também está associado ao aparecimento de rugas.

A cirurgiã plástica que atua na área de rejuvenescimento facial Ana Carolina Chociai, explica que os fibroblastos são as células responsáveis pela síntese de colágeno, proteína que confere elasticidade aos tecidos."A diminuição de fibroblastos e do colágeno também reduz a resistência, não só da pele, mas também dos demais tecidos, que se tornam flácidos", explica a médica. Segundo ela, as pálpebras são as áreas mais afetadas do rosto devido à sua anatomia, já que a pele mais fina do corpo está na pálpebra.

Picos de estresse podem ser o gatilho para o surgimento ou agravamento de problemas como a dermatite atópica, psoríase, urticária, vitiligo, acne e até mesmo enfraquecimento e queda de cabelo. No cabelo, por exemplo, o cortisol em excesso promove a vasoconstrição das raízes, encurtando a fase de crescimento capilar devido à falta de sangue e nutrientes para os fios, um processo conhecido como eflúvio telógeno. É em picos de estresse que também ocorrem danos permanentes às células produtoras de melanina (pigmento do cabelo) e a perda da cor dos cabelos pode ser permanente, segundo pesquisa conduzida em Harvard e publicada na edição de janeiro na Nature.

"Neste momento, trabalhamos em equipe para a manutenção integrada da saúde do paciente. No caso dos cabelos, o primeiro passo quando se verifica sua queda é marcar uma consulta com o médico dermatologista, que fará a tricoscopia e o diagnóstico, já que muitas doenças podem resultar na queda dos fios", comenta a especialista. Com o avanço da tecnologia e da medicina voltada à beleza, hoje é possível buscar tratamentos para prevenir o envelhecimento e buscar o rejuvenescimento com aspecto natural. Entre os procedimentos utilizados com esse objetivo existem as já conhecidas aplicações de ácido hialurônico, bioestimuladores de colágeno e também tecnologias novas como os lasers de ultraperformance.

De acordo com a médica Ana Carolina, o ideal durante uma consulta é realizar uma avaliação minuciosa de todas as camadas da face, desde a estrutura óssea até a pele. "Atualmente, temos várias opções de tratamento de rejuvenescimento e mesmo estratégias pré-envelhecimento, chamadas de beautification ou pose agingitiv. A indicação depende de cada caso e dependerá da avaliação médica", completa.

A cirurgiã é também pesquisadora e precursora de uma técnica lançada neste ano, que busca o rejuvenescimento da região das pálpebras sem cirurgia. O estudo, apresentado e publicado na revista científica Lasers in Surgerydicin and Mee, servirá como base para aplicação da técnica, batizada de Eyelift, em todo o mundo. Com o envelhecimento natural, e agora impulsionado pela pandemia, a perda de colágeno da região dos olhos promove um aspecto flácido das pálpebras que pode ser corrigido e postergar uma blefaroplastia.

"O procedimento prevê uma abordagem completa dos tecidos moles periorbitários (olheiras), tratando, além da pele, músculos e ligamentos, que também perdem a elasticidade e a firmeza durante o processo de envelhecimento", explica a especialista. "Uma blefaroplastia entre os 40-50 anos implicará em necessidade de um novo procedimento ao longo da vida, tendo em vista que a expectativa de vida só aumenta e a recidiva de flacidez é certa. O laser permite um tratamento seguro e eficaz contra a flacidez das pálpebras", completa a cirurgiã.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade