Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Você é um falso magro? Transforme gordura visceral em massa magra

Gordura abdominal pode apresentar risco à saúde e ser mais perigoso do que ter o peso elevado


postado em 03/06/2020 04:00

Gordura abdominal pode apresentar risco à saúde e ser mais perigosa do que ter o peso elevado (foto: internet/REPRODUÇÃOT)
Gordura abdominal pode apresentar risco à saúde e ser mais perigosa do que ter o peso elevado (foto: internet/REPRODUÇÃOT)
Você já escutou o termo “falso magro”? O falso magro, geralmente, é aquela pessoa que come bastante e parece apresentar boa forma. Porém, basta levantar ou tirar a camisa que acaba revelando que tem certa saliência abdominal. Mas como pode uma pessoa acumular gordura abdominal e ser magra no restante do corpo? “Pessoas com esse tipo de corpo, apesar de não aparentar, podem estar com percentuais de gordura acima da média e isso pode ser um risco à saúde”, afirma Marcella Garcez, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Quando estamos por avaliar a nossa forma e a nossa saúde, é muito comum nos ater apenas ao que mostra a balança – quando muito, fazemos o cálculo do índice de massa corpórea (IMC). No entanto, hoje se sabe que essas duas medidas não refletem de forma efetiva a qualidade da nossa forma física. Por exemplo, os “falsos magros” não são denunciados pela balança nem pelo cálculo de índice de massa corpórea. “O acúmulo de gordura abdominal pode ser mais perigoso do que ter o peso elevado, pois a gordura visceral – essa, localizada na barriga – é responsável por diversos problemas relacionados ao nosso metabolismo e à saúde cardiovascular.  Estudos já comprovaram que, mesmo que você esteja dentro dos parâmetros normais de IMC (com até 24,9), pode apresentar problemas por conta de altos níveis de colesterol, triglicérides e glicose”, alerta a nutróloga. Um indicativo desse problema é dado pelo exame de biompedância, que consegue identificar a disposição de gordura e músculos em regiões como tronco, membros superiores e membros inferiores. “Com relação aos índices de colesterol, triglicérides e glicose, o ideal é passar por um médico, que pedirá um exame de sangue”, afirma.

Segundo a especialista, essa gordura funciona, para o seu corpo, como uma energia reserva, ou seja, um “estoque”. Portanto, quanto mais calorias consumimos (sem queimá-las), mais gordura estocamos. Mas, qual é a causa desse acúmulo? A médica explica que isso é causado, basicamente, por dois fatores: sedentarismo e má alimentação. Como um falso magro quer perder apenas barriga e não peso como um todo, terá que unir uma boa dieta alimentícia a exercícios físicos. “Para sair do sedentarismo, o objetivo, nesse caso, é trocar gordura por músculo, e não perder peso. Então, o ideal é investir em exercícios de ganho de massa muscular e em atividades aeróbicas de muito volume e baixa intensidade para manter a queima de gordura sem emagrecer demais. Quanto mais massa magra tiver, mais fácil ficará queimar a gordura localizada”, explica.

E quanto à alimentação? “A pessoa que possui essa condição deve evitar os alimentos que aumentam os níveis de glicose e insulina, como o açúcar e carboidratos refinados, além dos alimentos ricos em gorduras saturadas, gorduras trans e aqueles que têm uma quantidade de nutrientes e fibras que aumentam a fermentação e, consequentemente, a distensão abdominal”, afirma. Segundo ela, o álcool, devido às calorias e ao gás resultante da fermentação, pode também contribuir para o aumento da distensão abdominal e, se o consumo de grandes volumes for frequente, pode acarretar em aumento da gordura visceral. “Dê preferência às proteínas magras, aos vegetais e aos carboidratos e gorduras de boa qualidade. Alimentos que ajudam a acelerar o metabolismo também podem ser benéficos, como canela, gengibre, chá-verde e pimenta vermelha, entre outros”, complementa.

Por fim, a médica alerta para duas coisas importantes: ficar atento aos exames sanguíneos e realizar um acompanhamento nutrológico. “Exames sanguíneos como o de glicose, colesterol e triglicérides podem ajudar a sinalizar problemas relacionados a esse acúmulo de peso na região abdominal. O nutrólogo, por sua vez, saberá como elaborar um plano de alimentação para controlar essas alterações metabólicas e indicar a dieta ideal para a transformação dessa gordura visceral em massa magra”, finaliza.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade