Publicidade

Estado de Minas

Como acabar com os cravos?

Problema continua sendo desconforto estético para muitas pessoas, que utilizam as mais diversas técnicas para se ver livres de poros entupidos de sebo e óleo


postado em 05/09/2019 04:00 / atualizado em 04/09/2019 18:23


Lá pelos primórdios dos anos 1960, a reunião das mulheres badaladas na sociedade não ocorria em salões de chá ou em encontros privados: o local onde todas se juntavam de manhã era no apartamento de Luca Marçola, que era a maior craque da época em limpeza de pele. Luca deixava o rosto das madames todo limpinho. Depois de tirar os raros cravos, aplicava máscaras, a pele ficava nova. E as conversas rolavam na informalidade de um encontro em que todas estavam de cara lavada e sem nenhum luxo. Os encontros eram o maior barato, mas, aos poucos, a idade foi chegando para todas, inclusive para a profissional, e a época de limpeza de pele passou. Mas pelo que soube há pouco tempo, Luca não tira mais cravos, mas tem uma substituta que ela acompanha cuidadosamente.

E se o programa acabou para aquele grupo de mulheres, os cravos continuam sendo um desconforto estético para muitas pessoas, que utilizam as mais diversas técnicas para se ver livres destes poros entupidos de sebo e óleo. O problema é que, às vezes, os cravos acabam, após a sua remoção, voltando em algumas semanas, ou até mesmo dias, o que pode provocar angústia em quem está sofrendo com isso.

''Encontro para tirar cravos era bom programa''



Porém, segundo a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, cravos que surgem sempre no mesmo lugar não são uma ocorrência incomum, ocorrendo, na verdade, na pele de grande parte das pessoas. “O motivo de isso ocorrer ainda é incerto, mas uma possível explicação para este fenômeno é o fato de existir neste local de constante incidência de cravos um aglomerado de glândulas sebáceas, ou até mesmo bactérias, que constantemente causem uma inflamação”, explica.

Existe a possibilidade também de estes pontos pretos que surgem em sua pele não serem exatamente cravos. Poros abertos, por exemplo, são comumente confundidos com os comedões, principalmente quando estes surgem no nariz. “É comum também que os cravos sejam confundidos com uma condição conhecida como tricotasia espinulosa, caracterizadas por pontos pretos que surgem no nariz e são, na verdade, uma combinação de pequenos pelos, bactéria e óleo”, afirma a médica.

Mas, tratando-se realmente de cravos, como dar fim ao problema? A primeira alternativa a que muitos recorreriam seria, provavelmente, as tiras adesivas que prometem remover cravos. Mas, segundo a especialista, é preciso ficar atento ao uso destes produtos. “Estas tiras adesivas aderem aos comedões, puxando-os quando são retiradas. Porém, a capacidade de esses produtos limparem os poros da oleosidade acumulada é um fator variável, não funcionando em todas as pessoas”, ressalta. “Além disso, pessoas com a pele sensível devem evitar o produto, já que as tiras adesivas podem machucar a pele. Por isso, mesmo que você não sofra com sensibilidade do tecido cutâneo, é importante ter cautela ao remover o produto.”

A dermatologista esclarece que essas tiras adesivas não são capazes de resolver o problema dos poros permanentemente, apenas ajudando então a manter a pele com uma aparência mais lisa e macia. Logo, se você quer ver sua pele realmente livre dos cravos, o ideal é focar na prevenção e tratamento através de uma rotina diária de cuidados com a pele. “A pele que tem tendência a cravos e espinhas está constantemente formando estas alterações, mesmo quando nós não conseguimos enxergá-las. Por isso, precisa de tratamento contínuo para se manter saudável. O recomendado é utilizar cosméticos formulados com ativos como ácido azeláico, retinoides e ácido salicílico. A limpeza da pele duas vezes por dia e a esfoliação semanal também são passos que ajudam a prevenir o aparecimento de cravos e espinhas”, completa a especialista.

Além disso, sessões de limpeza de pele com profissional capacitado são fundamentais para a extração dos cravos já instalados na pele. Existem também medicamentos orais que podem acabar definitivamente com o problema em casos mais graves. Porém, Paola Pomerantzeff ressalta que cada paciente deve ser examinado e avaliado individualmente para que o melhor tratamento seja indicado. Dessa forma, caso você sofra constantemente com cravos e espinhas, o ideal é consultar um dermatologista.


Publicidade