Publicidade

Estado de Minas

Aposta em novo talento da literatura infantil

Ricardo Valadares Gontijo Valle, o Cacá, de 10 anos, é autor de O bestiário das criaturas e Negromance e a conquista do planeta dos dragões, com prefácios de Afonso Borges e Olavo Romano, respectivamente. Escritor mirim participará da Bienal do Rio


postado em 30/08/2019 04:00 / atualizado em 29/08/2019 16:32

Como leitora infantil das histórias em quadrinhos do Príncipe Valente, de Hal Foster, que estão sendo reeditadas com sucesso, adorei quando chegou às bancas de jornal a edição datada de 1945 – que li menina ainda. Com isso, fico só pensando que lembranças da infância terão essas crianças que passam o tempo todo de olho nos games e mídias digitais, nos celulares e, de vez em quando, em desenhos que passam na TV. Mas o Mickey Mouse já não é mais o personagem esperado, não atrai a meninada de hoje. Então, esta semana, tive uma surpresa animadora, cheia de alegria. Recebi na redação dois livros escritos por uma criança de 10 anos. Na realidade, são duas obras de arte de autoria de Ricardo Valadares Gontijo Valle, o Cacá.

O primeiro livro é O bestiário das criaturas e tem prefácio de Afonso Borges, que se espanta com o talento do autor. “Esse Bestiário traz o perfil que se aplica aos métodos de uma árvore genealógica. São surpreendentes, mas familiares: são aterrorizantes, mas doces. Todos os personagens parecem ter remédios, parecem ter cura para os próprios malefícios.”
(foto: Reprodução )
(foto: Reprodução )

O segundo livro, Negromance e a conquista do planeta dos dragões é prefaciado por não menos que Olavo Romano, presidente emérito da Academia Mineira de Letras. “Cada novo escritor deveria ser recebido com festa, foguete, banda de música, repique de sino. Cacá merece mais: antes de completar 11 anos, já está no segundo livro. O primeiro, O bestiário das criaturas, respondeu ao desafio de registar alguns dos seres fantásticos que ele descrevia com tanto realismo. É um conjunto de bizarras personagens que transitam por um mundo estranho e vivem aventuras inimagináveis. Esta realidade intriga e espanta, é o cenário por onde se movem figuras incomuns, repletas de mistérios e surpresas.”

Pode? Pois é, o autor, Cacá para os amigos, agradece à avó e à mãe que o interessaram pelos livros de história. Então, ele responde a isso com dois livros incríveis, não só pelo imaginoso conteúdo como também pelas magníficas ilustrações de Ghost Jack, que dizem ser influenciadas pelo escritor e ainda com perfeito projeto gráfico de Lu Nacif. Os livros vieram acompanhados por um cartão da orgulhosa mãe do escritor, Ana Carolina R.V. Gontijo Couto – e por aí fiquei sabendo que ela é mulher de Alair Gonçalves Couto Neto, que conheci criança, filho de Fátima e Alairzinho, como Alair Neto e é padrasto de Cacá.

A produção do livro é tão cuidadadosa e diferente que o volume vem envolvido em um cartaz que, uma vez aberto, pode servir como decoração para qualquer quarto de criança imaginosa, um belo achado que completa a excelência de todo o projeto. Os livros me deram a esperança de que nada está perdido, que a leitura sobrevive a todos os avanços tecnológicos e, é claro, duram mais, porque o papel sobrevive ao tempo e aos modismos.

Completando a aura do jovem autor, Cacá participará da 22ª Bienal do Livro do Rio de Janeiro, autografando seus livros no próximo domingo (1º de setembro) e segunda-feira (2). E o lançamento do livro, Negromance na capital será em 27 de outubro, na Galeria Selma Albuquerque.




Publicidade