Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Bichectomia, a cirurgia plástica nas bochechas, exige cuidados

O procedimento, se for indicado incorretamente, pode acarretar envelhecimento precoce da pele e flacidez


postado em 01/01/2019 04:00


 
Ao reduzir o volume da parte inferior do rosto, a bichectomia é uma cirurgia plástica cada vez mais procurada por pacientes que querem retirar a gordura das bochechas para conquistar um contorno facial mais definido. “Realizada por meio de um pequeno corte no interior da boca, a bichectomia consiste na retirada total ou parcial das duas bolsas de gordura presentes em cada um dos lados da boca, entre o maxilar e a mandíbula, chamadas de bolas de Bichat”, explica o cirurgião plástico Paolo Rubez, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em cirurgia de enxaqueca pela Case Western University.
 
O problema é que o procedimento, se for indicado incorretamente, pode acarretar em mais problemas do que soluções, incluindo envelhecimento precoce e flacidez. Isso porque, de acordo com o médico, a bola de Bichat tem grande importância para a manutenção da estrutura facial. “O rosto é formado por diversos compartimentos de gordura, como as bolas de Bichat, responsáveis por manter a sustentação da pele e dos músculos. Conforme envelhecemos, esses compartimentos de gordura, assim como os ossos, são reabsorvidos, diminuindo a sustentação dos tecidos”, afirma. “Logo, se esses compartimentos importantes são retirados propositalmente, acelera-se o processo de envelhecimento, pois ocorrerá a diminuição da sustentação da pele, levando ao aparecimento de flacidez.”
 
Ou seja, mesmo que a cirurgia seja bem-sucedida, existe a chance de a retirada da bola de Bichat causar alterações na anatomia da face, o que pode gerar certo desconforto estético nos pacientes depois de um tempo. Porém, o problema pode ser facilmente evitado por meio de uma conversa com o cirurgião plástico antes do procedimento. Ele poderá avaliar a anatomia do rosto e dizer se a bichectomia é realmente a cirurgia mais aconselhável.
 
“Geralmente, ela é indicada quando o paciente apresenta lesões devido a mordidas na parte interna das bochechas. Porém, realmente, é mais realizada com fins estéticos, o que não é um problema, desde que o paciente tenha indicação e o cirurgião retire apenas o excesso de gordura na região de modo que o rosto não adquira um aspecto esquelético”, destaca o especialista.
 
É claro que, caso ocorra a retirada excessiva das bolas de Bichat com o consequente envelhecimento precoce da pele, o paciente pode recorrer a outros procedimentos para corrigir isso, como o preenchimento com ácido hialurônico, bioestimuladores, enxerto de gordura e fios de sustentação. “Porém, nada disso será necessário se você discutir com o médico as opções disponíveis para tratar as alterações estéticas que te incomodam, pois o grande problema com relação à bichectomia, assim como qualquer outra cirurgia, é a indicação indiscriminada”, conclui Paolo Rubez.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade