Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Na indústria de cruzeiros, é hora de zarpar, mas com protocolos de saúde

No Brasil, a expectativa é que os navios levantem âncoras a partir de outubro, mas também com novas regras estabelecidas pelas próprias companhias e a Anvisa


11/06/2021 04:00 - atualizado 11/06/2021 07:44

Depois de amargar perdas de US$ 150 bilhões, setor de cruzeiros volta a operar exigindo vacinação e uso de máscaras em alguns casos(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 22/1/19)
Depois de amargar perdas de US$ 150 bilhões, setor de cruzeiros volta a operar exigindo vacinação e uso de máscaras em alguns casos (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 22/1/19)
Depois de um ano de severas restrições – os prejuízos com a paralisação imposta pela pandemia chegaram a US$ 150 bilhões –, o mercado de cruzeiros se prepara para voltar à ativa. A nova temporada começa nos próximos dias nos países que conseguiram controlar a COVID-19. As empresas, porém, definiram uma série de protocolos para o pós-pandemia.

Nos Estados Unidos, a Celebrity Cruises está exigindo que todos os passageiros com mais de 16 anos sejam vacinados. A Norwegian Cruise Line foi além: os hóspedes devem comprovar a vacinação e usar máscaras nos ambientes comuns. No Brasil, a expectativa é que os navios levantem âncoras a partir de outubro, mas também com novas regras estabelecidas pelas próprias companhias e a Anvisa. Entre elas, testes antecipados de todos os viajantes e a exigência de que os cruzeiros trabalhem com no máximo 70% da capacidade. Estão programados 129 roteiros de viagens e há 566 mil leitos disponíveis nos mares brasileiros.

O ESG é bom para os investidores?

Não há empresa que não fale sobre a agenda ESG (sigla em inglês para práticas ambientais, sociais e de governança). Afinal, o que os investidores ganham com isso? “A grande pergunta que todos fazem é se investimentos ESG são bons para o cliente”, disse Carlos Takahashi, CEO da gestora de ativos BlackRock no Brasil, em evento on-line. “Vários indicadores mostram que sim. Um portfólio ESG muitas vezes é mais rentável e menos volátil quando comparado a ativos que não aderiram às boas práticas.”

US$ 2,7 trilhões

É o faturamento esperado do varejo on-line na China em 2021. O valor impressiona: corresponde a três vezes mais que nos Estados Unidos, segundo relatório da XP

Atacarejo cresce sem parar

As redes de atacarejo, formato de loja que une as duas formas de vendas (atacado e varejo), caíram no gosto dos brasileiros. Na verdade, foi a crise econômica que levou mais pessoas a procurar produtos com descontos, principal chamariz desses supermercados. Como resultado, o setor cresce sem parar. No ano passado, as receitas das empresas do ramo avançaram 27%, para R$ 130 bilhões. Segundo a associação Abaas, já existem 1.400 lojas desse tipo no país. Há 5 anos, elas não chegavam a 1.000

Trabalho infantil aumenta na pandemia

Um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Unicef revelou que 160 milhões de crianças encontram-se em situação de trabalho no mundo. Apenas nos últimos 4 anos, 8,4 milhões de jovens passaram a integrar a lista. Além disso, os dados apurados em 2020 mostram que é a primeira vez em duas décadas que a tendência de queda foi interrompida. Segundo os pesquisadores, o aumento é resultado da pandemia de COVID-19, que aumentou os indicadores de pobreza em todos os continentes.

"Todo ano temos de torcer para chover. Quando não chove, torcemos para o Brasil não crescer"

Adriano Pires, sócio-fundador do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), sobre a crise energética e o risco de racionamento

Rapidinhas

Descoberto em 2015, o escândalo da fraude nas emissões de diesel dos carros fabricados pela Volkswagen, conhecido como Dieselgate, chega à fase final das investigações. Nesta semana, a montadora alemã anunciou que o seu ex-CEO Martin Winterkorn e o ex-chefe executivo da subsidiária Audi Rupert Stadler vão pagar compensações financeiras à empresa.

O ex-CEO será obrigado a desembolsar 11,2 milhões de euros (R$ 69 milhões), enquanto a fatura do ex-chefe executivo ficou em 4,1 milhões de euros (R$ 25,3 milhões). Segundo a companhia, Winkerton e Stadler violaram regras ao não “esclarecer de forma imediata as circunstâncias por trás do uso de softwares ilegais”.

A companhia aérea Azul vai operar 50 novas rotas domésticas para atender às demandas adicionais da temporada de férias. Segundo a empresa, a ideia é ampliar, a partir de julho e até meados de agosto, as conexões para o Nordeste do Brasil a partir dos aeroportos de Belo Horizonte, Campinas, Porto Seguro, Recife, Rio de Janeiro e Salvador.

Um levantamento realizado pela consultoria Economática chegou a uma conclusão alarmante: nos últimos 12 meses até maio, e descontada a inflação, a poupança teve retorno negativo de 6%. Trata-se do pior rendimento real da caderneta desde outubro de 1991, quando o retorno ficou negativo em 9%.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade