Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Bolsa de valores reage com otimismo à vacina contra a COVID-19

Só a ampla imunização levará à plena recuperação do consumo - sem consumo, ressalte-se, não há PIB que resista


19/01/2021 04:00 - atualizado 19/01/2021 07:43

 Um dia depois de a Coronavac ser aprovada pela Anvisa, o Ibovespa, o principal indicador da Bolsa de São Paulo, subiu 0,7%(foto: Nelson Almeida/AFP 10/10/18)
Um dia depois de a Coronavac ser aprovada pela Anvisa, o Ibovespa, o principal indicador da Bolsa de São Paulo, subiu 0,7% (foto: Nelson Almeida/AFP 10/10/18)
Um proeminente grupo de analistas e gestores financeiros passou as últimas semanas afirmando que a chegada da vacina não causaria qualquer impacto no desempenho das ações.

Não foi bem isso o que se viu ontem. Um dia depois de a CoronaVac ser aprovada pela Anvisa, o Ibovespa, o principal indicador da Bolsa de São Paulo (foto), subiu 0,7%.

OK, a alta foi moderada, mas sem dúvida reflete a renovada confiança na atividade econômica. Não é difícil entender a lógica por trás da vacina.

Só a ampla imunização levará à plena recuperação do consumo – sem consumo, ressalte-se, não há PIB que resista. É chocante notar que muitos profissionais que atuam na indústria financeira, e que deveriam manter algum nível de independência política, deixam-se contaminar por questões ideológicas.

Alguns fãs ardorosos do presidente Bolsonaro chegaram a defender a ideia estapafúrdia de que a vacina é uma plano macabro da China para dominar o mundo. Como cuidar do dinheiro dos outros acreditando nessas bobagens?

Dona do Outback traz ao Brasil rede de delivery

O grupo americano Bloomin’Brands, dono das marcas Outback e Abraccio, foi ágil na resposta à crise do coronavírus. Com os restaurantes fechados durante a pandemia, a empresa trouxe ao Brasil o aplicativo de delivery de alimentos Aussie Grill, especializado em frangos picantes e doces. O negócio estreou em São Paulo em setembro do ano passado e já conta com seis dark kitchens (cozinhas de portas fechadas). Outras 20 serão inauguradas no primeiro semestre de 2021, inclusive fora de São Paulo.

Fiat estreia aluguel de carros

Enquanto a Ford sai do Brasil, outras empresas buscam alternativas para aumentar as receitas no país. Nesta semana, estreia no mercado a Flua!, empresa de aluguel de veículos zero-quilômetro da Fiat Chrysler Automobiles (FCA). Oito modelos Fiat e dois Jeep podem ser locados por períodos de 12, 24 ou 36 meses. Segundo a FCA, o carro mais barato é o hatch compacto Fiat Argo Drive 1.0 (foto), a partir de R$ 1.350 mensais. No campo oposto está o furgão Ducato Maxicargo, com mensalidades de R$ 4.820.
 

''O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade''

Umberto Eco (1932-2016), escritor italiano

 

Turismo perde R$ 51,5 bilhões com pandemia

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) calculou o estrago provocado pela crise do coronavírus no setor do turismo brasileiro: R$ 51,5 bilhões. Para chegar a essa conclusão, a entidade compilou dados de companhias aéreas, hotéis, serviços de transporte e atividades culturais, recreativas e esportivas no período de março a novembro de 2020. O tombo é o maior da história. Com o avanço da vacina, espera-se uma forte retomada no segundo semestre.

RAPIDINHAS


  • Alguns empresários têm insistido na ideia de comprar lotes da CoronaVac ou qualquer outra vacina para proteger seus funcionários. A proposta, porém, não conta com a simpatia das autoridades – nem do presidente Jair Bolsonaro e tampouco do governador de São Paulo, João Doria. O tema será discutido com maior intensidade nos próximos dias.

  • Os times de futebol de São Paulo se uniram para acelerar o processo de vacinação contra o coronavírus na capital paulista. São Paulo, Corinthians e Palmeiras afirmaram que pretendem abrir seus estádios para a imunização da população. A ideia foi inspirada em clubes da França, que cederam sua infraestrutura para as autoridades médicas.

  • Os lojistas de shoppings, duramente atingidos pela crise da COVID-19, pleiteiam a suspensão do 13º aluguel que tradicionalmente é pago aos administradores dos centros comerciais em janeiro. A demanda não é bem-vista pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrsce) e a disputa promete parar nos tribunais.

  • A Honda suspendeu a produção de motos na fábrica do Polo Industrial de Manaus, no Amazonas. A medida é uma reposta ao avanço rápido de novos casos de coronavírus no estado e à falta de leitos e oxigênio nos hospitais. Nos próximos dias, a empresa japonesa decide se a paralisação continuará.

400%

foi a valorização das ações da montadora chinesa Byd em 2020. Um dos maiores acionistas da empresa é o americano Warren Buffett, considerado o melhor investidor de todos os tempos


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade