Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Vendas de bicicletas mais que dobram no Brasil depois da pandemia

Setor registrou aumento de 120% dos negócios no país em junho e julho, na comparação com os mesmos meses do ano passado, e não há sinais de desaceleração


14/09/2020 04:00 - atualizado 14/09/2020 07:21

Onda, agora, é dos modelos elétricos, que deverão manter o segmento em crescimento(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 10/4/20)
Onda, agora, é dos modelos elétricos, que deverão manter o segmento em crescimento (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 10/4/20)

 

As vendas de bicicletas crescem de forma contínua no Brasil há pelo menos cinco anos. Com o coronavírus, e o receio de usar transporte público, o setor avançou ainda mais. Em junho e julho, os negócios dispararam 120% na comparação com o mesmo período do ano passado, e por enquanto não há sinais de desaceleração. Segundo a Aliança Bike, associação que representa os fabricantes, a onda agora são os modelos elétricos, que deverão manter o segmento em alta nos próximos meses, talvez anos. Os espaços dedicados aos ciclistas despontam na paisagem urbana. Belo Horizonte criou um corredor de 30 quilômetros que corta a cidade de leste para oeste. Em Curitiba, paradas de ônibus começaram a ser adaptadas para ciclistas. O Distrito Federal possui a maior malha destinada a esse tipo de transporte, com 553 quilômetros de ciclovias. Depois, estão São Paulo (504 quilômetros) e Rio de Janeiro (450 quilômetros). 

 

Meu escritório é no hotel

 

Pode até parecer contraditório, mas o home office tem ajudado grandes redes hoteleiras a aliviar parte das perdas provocadas pela crise do coronavírus. Para ter um espaço tranquilo de trabalho, muitos executivos decidiram alugar quartos de hotéis. No Grupo Accor, que controla bandeiras como Ibis, Mercure, Novotel, Pullman e Sofitel, 80 de suas 330 unidades no paí s transformaram quartos de dormir em escritórios completos, com escrivaninhas e, em alguns casos, até mesas para reuniões.

 

O banho de loja da Riachuelo

 

Algumas companhias foram ágeis em ajustar seus modelos de negócios à nova realidade imposta pela pandemia. Uma das maiores varejistas de moda do país, a Riachuelo investiu na venda de itens para casa, mesa e banho, que se tornaram um ramo mais promissor na quarentena. A ideia prosperou, e agora a empresa pretende ampliar projetos na área. Recentemente, inaugurou em São Paulo a Casa Riachuelo, sua primeira loja independente dedicada ao segmento. Outras unidades deverão sair em breve do papel.

 

Rapidinhas

 

A Vero Internet, empresa de telecomunicações com cobertura de banda larga em cidades de Minais Gerais e região Sul do país, vai investir R$ 15 milhões para aumentar a sua rede de conectividade por meio de um backbone com 1,4 mil quilômetros de extensão. A ideia é que, a partir de outubro, a companhia conte com rede própria de fibra óptica regional e nacional.

 

Com o projeto, a Vero vai conectar as 53 cidades atendidas em Minas Gerais aos principais geradores de conteúdo, datacenters e fornecedores de São Paulo e Rio de Janeiro. A companhia agora avalia aumentar o volume total de investimentos previstos até 2023, inicialmente projetados em R$ 750 milhões.

 

As empresas estão de olho na diversidade do quadro de funcionários. É o caso da fabricante de bebidas alcoólicas Diageo, dona de marcas como Johnnie Walker e Smirnoff. A companhia abriu vagas na área de marketing exclusivas para profissionais negros. Para concorrer, basta ter formação superior em qualquer curso.

 

A diversidade é uma preocupação crescente no mundo corporativo. A rede de lanchonetes Burger king abriu 693 vagas no Brasil para pessoas com deficiência. Os postos são tanto para os escritórios quanto para as lojas. São Paulo é o estado com mais vagas disponíveis (346), à frente do Rio de Janeiro (95) e Minas Gerais (46).

 

(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press - 23/9/18)
(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press - 23/9/18)
 

O preço da cerveja no Brasil e no mundo

 

O Brasil tem uma das cervejas mais baratas do mundo. É isso o que mostra um estudo do Numbeo, maior banco de dados globais. Segundo a pesquisa, a cerveja nacional ocupa a 71ª posição no ranking de preços, com valor médio de US$ 1,02 por meio litro. A lista é liderada pelo Catar, que cobra US$ 9,03 pela mesma quantidade. Países desenvolvidos como Austrália (US$ 3,96) e Noruega (US$ 3,60) também aparecem no topo do ranking. A cerveja mais barata do mundo é a do Uzbequistão (US$ 0,57).

 

42%

foi quanto cresceram os gastos dos brasileiros com supermercados em julho na comparação com o primeiro mês do ano, antes da pandemia. Os dados da fintech Mobills traduzem a mudança de comportamento dos consumidores. Com mais tempo em casa, as pessoas preparam as suas próprias refeições

 

(foto: Christophe Archambault/AFP - 18/6/20)
(foto: Christophe Archambault/AFP - 18/6/20)

''Em vez de conceder três, quatro ou seis semanas de férias, nós simplesmente deixamos que o colaborador tire quanto tempo quiser. Ele é responsável pelo seu próprio trabalho''

Reed Hastings, fundador e presidente da Netflix

 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade