Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Coluna

Brasil vai voltar a conviver com inflação e juros altos?

Em relatório enviado a clientes, a gestora SPX diz que está se preparando para a subida dos juros. Ou seja: o ciclo econômico pode estar prestes a mudar


09/09/2020 04:00 - atualizado 09/09/2020 00:49

 
Preços de alimentos, como arroz, dispararam nas últimas semanas mas mercado vê inflação de 1,78% este ano(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press %u2013 21/6/06)
Preços de alimentos, como arroz, dispararam nas últimas semanas mas mercado vê inflação de 1,78% este ano (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press %u2013 21/6/06)
 
Uma rápida visita ao supermercado é suficiente para que o consumidor ligue o sinal de alerta: os preços, de fato, estão aumentando. Isso preocupa, mas o Brasil está longe de trazer de volta os pesadelos do passado. Basta dar uma espiada nas projeções do mercado financeiro para entender que a disparada descontrolada de preços não está no horizonte de ninguém. Pela quarta semana consecutiva, os analistas revisaram para cima a estimativa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Pelas projeções, a inflação deve fechar 2020 em módico 1,78%, ante 1,77% do prognóstico anterior. Mesmo assim, é preciso ficar alerta. Em julho, a variação de preços foi a maior em quatro anos. Hoje, o IBGE divulga o resultado oficial da inflação de agosto, e tudo indica que o dado vai retratar uma pressão forte nos preços. Se isso ocorrer, como ficará a taxa Selic? Em relatório enviado a clientes, a gestora SPX diz que está se preparando para a subida dos juros. Ou seja: o ciclo econômico pode estar prestes a mudar.
 
 
 
Falta de infraestrutura afeta ensino remoto
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 3/7/20)
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 3/7/20)
 
O Instituto Península, do empresário Abilio Diniz, realizou uma pesquisa com 3,8 mil professores brasileiros para descobrir o que eles pensam sobre os desafios da educação na crise do coronavírus. Um dos recortes do estudo mostra que o ensino remoto (foto), embora necessário, está longe de ser uma solução. Para 79% dos entrevistados, a falta de infraestrutura é o principal entrave. Outros 64% citaram a dificuldade de manter o engajamento dos alunos.
 
 
 

Ações em queda e novos rivais ameaçam a Tesla
 
(foto: Odd Andersen/AFP)
(foto: Odd Andersen/AFP)
Ao mesmo tempo em que suas ações derretiam na Nasdaq, a bolsa de tecnologia dos Estados Unidos, a Tesla descobria que os concorrentes vão entrar pesado no jogo dos carros elétricos. Ontem, a General Motors anunciou a compra de 11% da Nikola Motor, fabricante de veículos elétricos e uma das principais concorrentes da Tesla nesse ramo. Ford, Toyota e Volkswagen também possuem projetos ambiciosos na área. Elon Musk (fotos) diz que não dá a mínima para os rivais e que seus negócios são mais inovadores.
 
 
 

Biometria facial para medir febre
 
Grandes crises costumam estimular a inovação. Não é diferente agora. A Montreal, uma das maiores empresas de TI do Brasil, lançou um sistema de medição de temperatura corporal por meio de biometria. A tecnologia permite identificar se a pessoa – a até 0,8 metro de distância – está com febre pela leitura de seus dados biométricos faciais. Chamado de mPassFever, o sistema surgiu no desafio “Startups VsCovid-19”, criado para estimular soluções tecnológicas contra o vírus.
 
 
 
US$ 1,2 trilhão

poderá ser o impacto econômico da entrada da tecnologia 5G 
no Brasil entre 2021 e 2035. A estimativa foi feita pela Nokia, 
empresa finlandesa de telecomunicações

 
 
 
(foto: mandel ngan/afp - 22/10/19)
(foto: mandel ngan/afp - 22/10/19)
"Reclamar não é uma estratégia. Você tem que trabalhar com o mundo como você o encontra, não como gostaria que fosse”

Jeff Bezos,  fundador da Amazon

 
Rapidinhas 

» A pandemia do coronavírus não foi suficiente para afastar o interesse da China no mercado brasileiro. A construtora Brosz, sediada em Paulínia (SP), recebeu uma proposta de um grupo de investidores do país asiático interessados em comprar a inovação desenvolvida pela empresa para o mercado de Light Steel Frame (aço pré-moldado) nacional.

» Segundo a Brosz, seu sistema consiste em unir práticas sustentáveis ao sistema Light Steel Frame. Além de gerar menos impacto ao meio ambiente, a tecnologia, diz a empresa, é mais econômica do que construções de alvenaria – é isso que atrai os olhares dos chineses. A Brosz possui 60 obras realizadas no país.

» O mercado de beleza cresceu na crise. No primeiro semestre, as vendas líquidas do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos avançaram 0,8% em relação ao mesmo período de 2019. É pouco, mas um alento diante dos enormes desafios enfrentados por outros segmentos. Os dados da Abihpec, a associação dos fabricantes, sugerem que 2020 terminará no azul.

» Não foi um caso único. A produção de alimentos para fins especiais (nutrição infantil, nutrição enteral, suplementos alimentares, entre outros) cresceu 1,3% no primeiro semestre diante de igual período de 2020, de acordo com dados do IBGE compilados pela Abiad, a associação da indústria.
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade