Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas mercado s/a

''Adotar práticas sustentáveis é obrigação'. É a visão do agronegócio''

Adotar práticas sustentáveis não é mais uma questão de oportunidade, mas de obrigação. Quem não estiver comprometido com a floresta fica fora do jogo


postado em 10/07/2020 04:00 / atualizado em 10/07/2020 07:10

Plantação de soja: agricultura brasileira tem a ganhar com a proteção florestal, alerta um graúdo representante do agronegócio brasileiro(foto: Faemg/Divulgação - 19/10/19)
Plantação de soja: agricultura brasileira tem a ganhar com a proteção florestal, alerta um graúdo representante do agronegócio brasileiro (foto: Faemg/Divulgação - 19/10/19)
O desenvolvimento a qualquer custo defendido por algumas alas do governo não faz sentido no capitalismo do século 21. Um graúdo representante do agronegócio diz que se decepcionou com uma reunião em Brasília ao perceber que funcionários do Ministério do Meio Ambiente tratavam o assunto pelo lado ideológico e não técnico. “O pessoal cismou que proteger a floresta é coisa da esquerda”, diz o agricultor. “Isso é bobagem. Adotar práticas sustentáveis não é mais uma questão de oportunidade, mas de obrigação pura e simples. Quem não estiver comprometido com a proteção da floresta fica fora do jogo. Simples assim.” A frase acima parece discurso de ambientalista, mas saiu da boca de um empresário que emprega milhares de pessoas e que está habituado a fazer negócios com clientes de diversos países. Ele lembra do alerta recente feito por representantes de fundos de investimentos internacionais que falaram em cancelar aportes no Brasil. “Essa turma deu o recado e precisamos abrir o olho.”

Planos das empresas para proteger os trabalhadores

Uma pesquisa nacional realizada pela Mercer Marsh Benefícios, consultoria especializada em gestão de saúde, mostrou que 51% das empresas têm planos de prevenção para os funcionários que retornarão aos escritórios, fábricas e comércios após o fim do isolamento social. Entre as iniciativas, 65% disseram que a prioridade é aferir a temperatura dos trabalhadores, 31% farão entrevistas para identificar sintomas da Covid-19 e 84% fornecerão equipamentos de proteção individual (EPIs).

Estamos nos movendo de forma responsável, pois temos o desafio de transformar a empresa para que ela se adapte à nova realidade no pós-pandemia e garanta a sua sustentabilidade no longo prazo”

Jerome Cadier,  presidente da Latam Brasil, ao informar que a operação brasileira da companhia aérea passou a integrar o processo de recuperação judicial do grupo nos EUA

Telemedicina dispara na pandemia

O isolamento social fez o número de consultas virtuais crescerem no país. Dados da Conexa Saúde, startup líder em telemedicina no Brasil, revelam que foram realizadas 600 mil teleconsultas no primeiro semestre. No período, a carteira de clientes da empresa saltou de 100 mil para 1 milhão de vidas e sua expectativa é receber de três fundos de investiment os R$ 14 0 milhões nos próximos três anos. Até 2021, a meta da Conexa é chegar a 4 milhões de usuários e 15 mil médicos conectados.

Bolsonaro e a farra dos bingos ilegais

Está nas mãos do presidente Jair Bolsonaro acabar com a farra dos bingos ilegais que se valem de brecha na legislação para realizar os jogos a pretexto de ajudar falsas entidades beneficentes. A pedido das instituições filantrópicas legais e do Ministério da Fazenda, o Congresso acabou com esse artifício ao aprovar a MP que liberou sorteios de p rêmios na televisão. A emenda, porém, pode ser vetada por Bolsonaro para atender aos grupos interessados na manutenção de jogos ilegais.

R$ 109,1 bilhões

Foi o lucro das estatais brasileiras em 2019, o que significa um aumento de 53% em relação a 2018. É também o maior valor desde 2008
 

RAPIDINHAS

A Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba), empresa do grupo Neoenergia, freou tratativas para renovar o contrato com a Sykué, termelétrica que gera energia para as cidades do extremo Oeste da Bahia. Com isso, a Sykué já prepara a demissão de 160 funcionários e 150 prestadores terceirizados.

O extremo Oeste é vital para o crescimento econômico da Bahia. Estima-se que 54% do cultivo de soja do Nordeste ocorra nas 24 cidades da região. Daí a preocupação com o fim do contrato de fornecimento de energia a partir de agosto. A Sykué gera 27 megawatts com o bagaço do capim elefante, originário da África e que prosperou em solo baiano.

O fenômeno do mercado acionário americano nos últimos 10 anos não é uma empresa de tecnologia, uma grande indústria ou uma gigante de infraestrutura. A vencedora do período é uma vendedora de pizzas. Desde 2010, as ações da Domino’s, que possui 12,5 mil lojas nos Estados Unidos, subiram 3.000%. Os papéis da Amazon cresceram 2.500%.

Algumas empresas, embora rivais, caminham de mãos dadas. Depois de a americana Apple considerar vender iPhones sem carregador, agora é a vez da sul-coreana Samsung fazer o mesmo. A decisão de excluir os carregadores deverá ser anunciada em breve. Ruim para os consumidores, que pagarão mais para levar menos.
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade